Tosse



Uma criança com tosse é uma situação aborrecida e causadora de ansiedade. Não há sintoma mais maçador, sobretudo a tosse irritativa, insistente, por ataques. Porém, ao contrário do que possa parecer, a maioria das tosses são uma defesa do organismo e, como tal, devem ser respeitadas, mesmo que possam durar bastante tempo. Outras vezes, sobretudo nos primeiros anos de vida, os episódios respiratórios repetem-se com tal frequência que, embora sejam casos agudos diferentes, a tosse parece «nunca mais acabar».

É bom termos a noção de que o reflexo da tosse – porque de um reflexo se trata – é um mecanismo de defesa do organismo e tem como objetivo expelir, com força acrescida, os micróbios, detritos, poluentes ou elementos que se encontram na árvore respiratória e que não deveriam lá estar. É por isso que a tosse deve ser encarada de uma maneira positiva, embora existam algumas tosses que resultam de outras situações «menos boas», e também a própria tosse «defesa» possa levar ao cansaço e à exaustão.

Fundamentalmente, há quatro tipos de tosse:

  • a tosse produtiva, com expetoração (embora a criança não a deite fora, mas sim engula), com origem baixa (brônquios);
  • a tosse irritativa, que é provocada por agressões à árvore respiratória, e que é uma tosse seca, repetida, muitas vezes quase «ladrada» (tosse de «cão»);
  • a tosse de origem alérgica, semelhante à anterior, mas acompanhada de olhos a lacrimejar, sensação de «vontade de coçar a garganta», espirros, pieira, etc.;
  • a tosse sobretudo noturna, por acessos, que corresponde ao deslizar das secreções dos adenoides para os brônquios.

Comentários

Tosse | Para Pais.