Resultados para: "vibracoes no anus"

Você está a ver alimentação , gravidez e / ou outros itens relacionados com a sua pesquisa vibracoes no anus. Encontre as melhores dicas para ajudar no desenvolvimento da sua gravidez. mulheres parindo dentro do hospital, cesaria inflamada por dentro, parto normal visto de frente, grávidas parindo parto normal, ver parto normal ver tudo, gemeos escondidos barriga, cesariana inflamada.

A origem de um sopro inocente?

Os SI parecem resultar da turbulência do sangue na raiz das grandes artérias, principalmente na da aorta, ao sair do coração. Os sons também podem corresponder a vibrações das estruturas musculares e vasculares, durante a fase de expulsão do sangue pelo coração, são o fator responsável pelos SI. A tonalidade musical destes sopros também pode ter origem nos chamados falsos tendões, que são umas estruturas tipo corda, normais, que existem dentro do coração, e que vibram quando o sangue passa por elas, tal e qual a corda de uma guitarra. São normais e com o crescimento do coração perdem significado, pelo que os sopros originados por estas estruturas desaparecem, geralmente, no início da puberdade. Ler Mais...

Sopros cardíacos

A larguíssima maioria (designados por sopros inocentes) ocorre na ausência de qualquer anomalia anatómica ou fisiológica do coração e não está associada a doença cardiovascular. Por outras palavras, um sopro inocente é qualquer sopro produzido por um sistema cardiovascular normal. Os sopros inocentes resultam da turbulência do sangue na raiz das grandes artérias, principalmente na da aorta, ao sair do coração (e o sangue, nas crianças, circula a alta velocidade), ou das vibrações das estruturas musculares e vasculares, durante a fase de expulsão do sangue pelo coração. A tonalidade musical destes sopros tem frequentemente origem nos chamados «falsos tendões», que são umas estruturas tipo «corda», normais, que existem dentro do coração, e que vibram quando o sangue passa por elas, tal e qual uma «corda de guitarra». São normais e com o crescimento do coração perdem significado, pelo que os sopros originados por estas estruturas desaparecem, geralmente, no início da puberdade. Ler Mais...

Os órgãos genitais e as costas

A observação dos genitais da criança é um passo obrigatório. Nos rapazes, há que ver se os testículos já se encontram nas bolsas, o que pode vir a acontecer apenas até ao final do primeiro ano de vida, sem que isso represente doença. A pilinha está geralmente apertada, nos recém-nascidos, e esta fimose fisiológica deve ser vigiada mas não se deve manipular com força, nem puxar para lá do que se sente como resistência, porque pode criar fissuras e ainda apertar mais. Algumas crianças têm uma má colocação da saída da uretra, diagnosticada no primeiro exame, e que se chama hipospadia ou epispádia, conforme a localização do «buraquinho». Do mesmo modo, é frequente haver acumulação de líquido nas bolsas escrotais, sem qualquer problema para o bebé, no que se designa por hidrocele - apagando a luz exterior e pondo um foco de luz no escroto vê-se bem o líquido, que fica iluminado de cor-de-laranja, como um «balão». none wp-image-140" alt="zxcxvzxzc" src="http://parapais.com/wp-content/uploads/2014/03/zxcxvzxzc-300x114.jpg" width="346" height="131" /> Nas raparigas, há que ver se os órgãos genitais são normais - os pequenos lábios podem estar, frequentemente, colados. Em alguns bebés do sexo feminino pode haver uma pequena saída de muco ou de sangue vaginal, que não representa doença, mas sim um efeito das hormonas maternas que estão em circulação. O exame do ânus pode mostrar fístulas (que por vezes sangram). As costas têm que ser sempre bem examinadas, para ver a coluna e eventuais defeitos, a existência possível de fossetas ou fístulas na região sagrada (um pouco acima do ânus), pesquisar alguns reflexos, etc. Devem observar-se igualmente os braços e as pernas para ver a existência de deformidades, incluindo nas mãos e pés (número de dedos, posicionamento e alinhamento, unhas, pregas palmares). A pesquisa dos reflexos plantares é também útil. Ler Mais...

Tenho medo de evacuar durante o trabalho de parto. Como me sentirei?

Não é a única - muitas mulheres ficam nervosas com a ideia de poderem evacuar enquanto estão em trabalho de parto. Pode não ser o que quer ouvir, mas de facto um grande número de mulheres evacua, em geral durante a segunda fase do trabalho de parto: a fase de fazer força. Isso é absolutamente natural e acontece quando a cabeça do bebé desce a vagina e empurra o recto, onde se encontram as fezes. As fezes são então forçadas a sair pelo ânus e isso fica completamente fora de controlo. Não é provável que sinta que está a evacuar nesta fase - as sensações esmagadoras do parto serão mais poderosas! As parteiras e os médicos já estão muito habituados a que as mulheres evacuem e simplesmente limparão sem pensar mais no assunto. Serão também colocados à volta panos esterilizados fáceis de retirar. Ler Mais...

Fiquei com hemorroidas no fim da gravidez – agora que o bebé nasceu desaparecerão?

As hemorroidas são veias inchadas dentro ou à volta do ânus. São muito comuns na gravidez e depois do parto devido ao peso e à pressão da cabeça do bebé. Muitas mulheres descobrem que as hemorroidas desaparecem um mês depois de dar à luz, embora uma pequena minoria de mulheres não seja tão afortunada e precise de discutir opções de tratamento com o médico. Entretanto, se achar que as hemorroidas são muito desconfortáveis ou causam irritação, há algumas coisas que pode tentar. Aplicar um penso frio na zona pode acalmar (pode fazer o seu próprio penso congelando uma toalha molhada dobrada); o seu médico ou farmacêutico poderão indicar-lhe um creme para aliviar o desconforto. Também deverá evitar a prisão de ventre pois o esforço de ir à casa de banho piora as hemorroidas, portanto beba muita água e coma muita fruta e legumes frescos assim como cereais integrais. Ler Mais...

Quando aparece a cabeça? Devo continuar a fazer força durante essa fase do trabalho de parto?

Essa fase refere-se à expulsão, em que a cabeça do bebé começa a sair pela vagina. A sua parteira dir-lhe-á para não fazer força no início desta fase para que a cabeça do bebé possa ser expelida de forma lenta e controlada, o que pode ajudar a evitar rasgões graves na sua vagina e no períneo (o músculo e o tecido que envolvem a parte exterior da sua vagina e do ânus). Embora parar de fazer força possa ser difícil, pode tentar um arfar ou respirar lento e curto para ajudar a conseguir isso. Embora muitas mulheres se preocupem com a possibilidade de rasgões durante o parto dos seus bebés, pode sossegá-la recordar-lhe que as parteiras têm muita experiência e prática em guiar as mulheres e em ajudá-las a evitar rasgões sempre que possível. Ler Mais...
Vibracoes no anus | Para Pais.