Resultados para: "sola do pe amarelo"

Você está a ver criança , alimentação e / ou outros itens relacionados com a sua pesquisa sola do pe amarelo. Encontre as melhores dicas para ajudar no desenvolvimento da sua gravidez. mulheres parindo dentro do hospital, ver parto normal ver tudo, cesaria inflamada por dentro, parto normal visto de frente, grávidas parindo parto normal, cesariana inflamada, gemeos escondidos barriga.

Há alguma coisa em que deva reparar quando mudar a fralda?

A urina do bebé é pálida ao nascer e escurece passados uns dias. Poderá haver uma mancha rosa-alaranjada na fralda do seu bebé, que é urina concentrada de quando ele estava no útero, e é muito normal. Desde que o seu bebé urine pelo menos quatro vezes por dia e desde que não apresente sangue, não há nada com que se preocupar. O mecónio preto-esverdeado que faz depois do parto vai mudando para uma cor amarela quando se inicia uma digestão normal. Os bebés amamentados costumam fazer uma fezes mais moles e amarelo-mostarda, que podem parecer diarreia, enquanto que as fezes dos bebés alimentados a biberão são mais duras e de um amarelo-pálido. Os intestinos de alguns bebés funcionam a cada mamada, pois o mamar estimula a peristalse, ou contrações musculares, no intestino; outros, em particular os alimentados a biberão, podem defecar só uma vez por semana. Se as fezes do seu bebé forem duras e secas, ou se tiverem mucosidades ou sangue, fale com o seu médico. Ler Mais...

Os ecopontos

Os ecopontos são contentores diversificados (designados por vidrão, embalão, papelão e pilhão) para a recolha selectiva de resíduos sólidos urbanos (RSU) para posterior reciclagem. AMARELO - Embalão Embalagens de plástico e de metal, latas, etc. Deve incluir garrafas (de água, sumos, vinagre, detergentes, etc), frascos, sacos (plástico), esferovite, latas e metalizados e pacotes de leite. NÃO se deve colocar embalagens de margarina ou manteiga, ou óleos. AZUL-Papelão Papel e cartão. VERDE - Vidrão Vidro. ENCARNADO - Pilhão Pilhas e baterias, depois de usadas Ler Mais...

O meu bebé prematuro tem icterícia- o que será feito para o ajudar?

A icterícia é um dos problemas mais comuns em todos os bebés recém-nascidos e os bebés prematuros correm um risco ainda maior pois têm um fígado imaturo, que ainda não extrai normalmente a bilirrubina do sangue, a substância que causa a pigmentação amarela comum à icterícia. A bilirrubina é produzida quando o corpo tem uma quebra de glóbulos vermelhos. E um pigmento amarelo que, se não for extraído do sangue pelos rins e fígado, se desenvolve e se deposita na pele. Aos bebés que têm icterícia fazem-se análises ao sangue para medir o nível de bilirrubina e o resultado da análise determinará se precisarão de algum tratamento especializado. O tratamento é feito por fototerapia, o qual utiliza raios ultravioleta para eliminar a bilirrubina sob a pele para que os rins do bebé possam expelir em segurança os pigmentos da bílis. Ler Mais...

O que pode correr mal num parto assistido?

O fórceps e as ventosas podem causar pisaduras, inchaços e marcas na cabeça ou na face do bebé, embora isso geralmente se resolva sem problemas, passados alguns dias. Em casos raros podem acontecer golpes e pisaduras graves no bebé. O pediatra, um médico especializado em bebés e crianças, pode receitar um medicamento à base de paracetamol para aliviar qualquer desconforto que o bebé possa sentir. Também há um risco acrescido de icterícia, quando o bebé fica amarelo devido à presença de bilirrubina, em particular nos casos de pisaduras graves. Os níveis de bilirrubina serão analisados se o médico estiver preocupado e, se necessário, a doença pode ser tratada. Para a mãe, as duas preocupações principais são um risco acrescido de poder ser rasgada ou de ter de ser cortada durante o processo - e, assim, um aumento de risco de maior sangramento (que pode ser tratado de imediato) - e, raramente, podem ocorrer lesões nos canais da bexiga. Se a situação justificar um parto assistido, os benefícios de os bebés nascerem por estes métodos ultrapassam os riscos. Se o processo não for bem-sucedido, pode ser necessária uma cesariana de emergência. Ler Mais...

Porque é que alguns recém-nascidos têm icterícia?

Mais de metade dos recém-nascidos sofrem de icterícia. Em geral não é visível até 2-3 dias depois do parto e desaparece pelos 14 dias. Os níveis elevados de hemoglobina (a parte do sangue que carrega o oxigénio) antes do parto são a causa mais comum. Logo que os bebés nascem e respiram por eles, o seu valor de hemoglobina não precisa de ser tão alto; estas células de sangue morrem e são processadas como secreções pelo fígado. Nos bebés pequenos, o fígado é imaturo e leva algum tempo a lidar com essa carga de trabalho. O resultado é que em vez de essas secreções, conhecidas por bilirrubina, serem passadas para a urina e libertadas, ficam no corpo durante um tempo e dão à pele essa cor amarelo-alaranjada. Num bebé de termo saudável que esteja bem, a icterícia desaparecerá sem qualquer tratamento. Por vezes, se tiver havido pisaduras, o bebé for lento a alimentar-se ou for prematuro, os níveis de bilirrubina continuarão a aumentar e nesse caso será necessária a fototerapia (um tratamento leve de ultravioletas) para reduzir os níveis de bilirrubina no bebé. Qualquer icterícia que ocorra 24 horas após o parto e qualquer uma que continue passados 14 dias, serão investigadas para controlar e tratar qualquer problema médico. Ler Mais...

Alguns problemas a ter em conta

Pés para dentro Durante a gravidez, o bebé está «enrolado» sobre si próprio, com as pernas cruzadas, para conseguir até ao fim caber nesse TO que é o útero materno. Embora de vez em quando se descontraia e dê um pontapé» à mãe, a posição fetal é a que conhecemos. Se, por acaso, as pernas ficam encostadas a um osso materno, esta posição de flexão pode ser mais insistente e o bebé mantê-la durante a sua vida extra-uterina. Os -pós para dentro» são um problema que afecta uma em cada sete crianças. Na esmagadora maioria dos casos não há nada de especial a fazer, a não ser promover um bom andar descalço (excelente na areia) com meias antiderrapantes em casa, usar calçado formativo (não é ortopédico!), não usar ténis e procurar que a criança, preferencialmente, se sente à chinês», ou seja. com as pernas cruzadas, e não «à japonês», ou seja, com as pernas para trás. Pé «chato» O pé «chato» ou pé plano, só é diagnosticado após os 3 anos de idade. No primeiro ano de vida ainda ó muito precoce estar a avaliar a «chateza» do pé... De qualquer forma, convém relembrar que os pés têm uma dupla função: suportar o peso da criança e dar o impulso ao andar. No final do primeiro ano de vida, é bom o bebé andar sobre superfícies rugosas. como a areia da praia, para «sentir o terreno». Claro que todos os bebés têm o pé plano, dado que ainda não tiveram oportunidade de «estrear» o chão e as suas rugosidades. Algumas famílias têm tendência a ter um arco plantar mais curvado, outras mais plano. Quando se inicia a marcha começa a utilização dos músculos e ligamentos que vão estimular o aparecimento do arco plantar. De qualquer forma, só aos 3-4 anos se pode dizer se uma criança tem, realmente, o pé «chato». Boas práticas... É sempre bom que os bebés tenham boas posturas. Como já foi referido, o «sentar à chinês» é uma medida boa. em termos posturais, ao contrário do «sentar à japonês» (com as pernas para trás). Os problemas posturais são. na idade adulta, uma das maiores causas de dor, consumo de medicamentos, faltas ao trabalho e sofrimento. É bom as crianças terem posturas adequadas, e embora seja assunto de anos posteriores ao primeiro, é sempre bom fomentar bons hábitos desde o início. O médico assistente verá se há algum problema ortopédico, como a doença luxante da anca, por exemplo. Os primeiros sapatos Muitos pais, na ansiedade de ver os bebés a andar, começam a pôr-lhes sapatos cedo demais. Antes dos 12-18 meses não há necessidade de sapatos, a não ser em ocasiões especiais festas, saídas, etc. Preferencialmente o bebé deve andar descalço, com meias antiderrapantes se o solo estiver frio. É necessário o bebé sentir o chão e as suas irregularidades, para poder adaptar o pé e equilibrarse. A comprar alguns sapatos, é recomendável serem sapatos formativos. Os sapatos foram concebidos para proteger o pé de objetos que encontre no chão e que lhe possam fazer mal. De qualquer forma, os sapatos não evitam as deformações do pé nem contribuem, de nenhuma forma, para o desenvolvimento psicomotor. Alguns Conselhos: uma vez que a criança caminhe, pode adquirir sapatos suficientemente amplos para acomodar os pés, sem os pressionar; as solas devem ser antiderrapantes (o mesmo se usar meias); os contrafortes laterais devem ser suficientemente apoiantes para evitar que o pé resvale para o lado, e para manter o pé direito; a sola interna deve ter o relevo necessário para estimular o desenvolvimento do arco plantar; não é necessário gastar «fortunas» em sapatos... dado que os pés das crianças crescem rapidamente, há que ter em atenção este aspecto e ter sapatos que não estejam, nem largos demais, nem apertados; as crianças devem andar descalças em casa, com meias antiderrapantes; os sinais de alarme são: alterações como coxear, diferenças de tamanho ou de forma entre os membros inferiores, dores nas pernas, deformações. Ler Mais...
Sola do pe amarelo | Para Pais.