Resultados para: "roxo envolta do um"

Você está a ver bebé , criança e / ou outros itens relacionados com a sua pesquisa roxo envolta do um. Encontre as melhores dicas para ajudar no desenvolvimento da sua gravidez. mulheres parindo dentro do hospital, cesaria inflamada por dentro, cesaria inflamada, gemeos escondidos barriga, colo do utero dilatado fotos, cesariana inflamada, pontos parto normal coçando.

Sapinhos

Os «sapinhos» são uma infeção por fungos, designados por Cândida albicans. Embora sejam mais comuns em bebés, nos 3 primeiros meses de vida, podem aparecer sempre que o ambiente da boca fica mais propício à infeção, por diminuição da produção de saliva, chupetas há muito tempo não esterilizadas, etc. A boca parece polvilhada de branco, sobretudo na parte de dentro das bochechas, como se estivesse coberta por «açúcar pile». Como a infeção se propaga a todo o tubo digestivo, a região anal pode aparecer avermelhada, de um tom intenso. Os «sapinhos» tratam-se com solutos antifúngicos ou um líquido roxo que se vende nas farmácias. Convém aplicar uma pomada antifúngica na região genital, se estiver vermelho. A candidíase oral não tem qualquer perigo, mas pode ser incomodativa e convém ser tratada. Ler Mais...

E os chamados «sapinhos»?

Muitas bebés, especialmente nos primeiros meses de vida, têm «sapinhos», ou seja, uma infecção por fungos. Como os bebés produzem pouca saliva nos primeiros dois a três meses de vida, o ambiente da boca fica mais propício à infecção por este fungo, muitas vezes também na sequência de uma tetina ou chupeta mal esterilizada. Como a infecção se propaga a todo o tubo digestivo, a região anal pode aparecer avermelhada. Os «sapinhos» tratam-se com solutos antifúngicos ou um líquido roxo que se vende nas farmácias. Convém aplicar uma pomada antifúngica no períneo do bebé, se estiver vermelho. Se está a ser amamentado ao peito, convém a mãe lavar bem o peito e aplicar ela própria uma pomada após a mamada, pois o peito poderá ser um dos reservatórios dos fungos. A candidíase oral não tem qualquer perigo mas pode ser incomodativa e convém ser tratada. Ler Mais...

A função dos amigos imaginários

Não é por acaso que o António, do caso em seguida descrito,se retira para a quinta dos primos cada vez que o pai está ausente. É uma defesa. Se o pai parte, ele também. Como quem diz: «Não vou sofrer, não vou sentir a ausência, não vou chorar, porque também eu vou partir - a angústia é mais para quem fica do que para quem parte.» O amigo imaginário é, pois, um escape normal e saudável para o stresse. E quando tem o seu lugar próprio, mas não interfere com os amigos reais - ou seja, quando a criança faz facilmente a clarificação das águas -, não há qualquer motivo para ter receios de que algo de «extraterrestre» se possa estar a passar. Ler Mais...

Todos os hospitais têm instalações para bebés prematuros?

As instalações variam consoante as zonas do país e, enquanto muitas maternidades e hospitais têm instalações para cuidados especiais para bebés, nem todos têm uma unidade de cuidados intensivos neonatais (UCLM) para onde os bebés vão se precisarem de um apoio intensivo. Isto significa que os bebés abaixo de certo tempo de gestação, cerca de 24 semanas, podem ter de ser transferidos ou antes ou depois do parto para receber um tratamento mais especializado, como respiração assistida. Se se julga que você está em grande risco de ter um bebé prematuro, então será acompanhada durante a gravidez, num hospital com instalações mais especializadas e poderá ver a unidade de cuidados intensivos neonatais antes de dar à luz. Ler Mais...

O meu companheiro pode acompanhar-me às ecografias?

Não há razão para o seu companheiro ser excluído de assistir a essas consultas se você quiser que ele esteja lá e sem dúvida, é muito comum os companheiros assistirem às ecografias. Para muitos casais, a ecografia é um momento especial pois é a primeira que vez que vão ver o seu bebé e começam a pensar neles mesmos como pais. Ler Mais...

Ocasiões especiais e simbólicas na família

Ano novo, vida nova... Sempre que se aproxima o fim do ano começam-se a fazer projetos e promessas para o próximo. A ideia de iniciar um ano novinho em folha, imaculado, (ainda) não estragado por quaisquer atos ou omissões, impõe um certo respeito e, queira-se ou não, obriga-nos a repensar um pouco o que desejamos para o ano que se estreia, designadamente em que é que poderíamos ser melhores. Ano novo, vida nova, diz-se. Não é obrigatório que assim seja, primeiro porque a nossa vida é um continuum, depois porque já temos uma vida com muitas coisas interessantes depois porque nem se conseguirá provavelmente uma «vida nova», já que a que temos está condicionada por muitos fatores que estão fora do nosso domínio, que se tornaria difícil mudá-la 180°. Nem isso será provavelmente necessário ou desejável. A maioria dos pais, se se perguntasse como desejariam corrigir as suas vidas como pais, num novo ano que se inicia, apontariam objetivos tão altos como inatingíveis. Ou seja desejariam ser pais perfeitos, impecáveis, que nunca cometeriam qualquer erro ou teriam qualquer dúvida, já agora também com filhos igualmente perfeitos, para que nunca acontecesse nada de anormal ou desagradável. Ora isso não existe...isso, leia-se, pais filhos perfeitos. O ser humano é imperfeito por natureza e a função parental, apesar de muito intuitiva e instintiva, resulta do seu próprio exercício. Numa palavra: para sermos melhores pais temos de ir sendo pais e contendo erros para aprender com eles, enfrentando dificuldades para na próxima saber torneá-las. Assim, ao fazermos como pais o «exame de consciência» do fim do ano e a «lista de intenções» para o próximo, a primeira coisa é pensar: não somos tão maus assim nem o ano que passou foi tão mau assim, nem vamos desejar ser perfeitos nos próximos 365 dias porque, nem nós, nem o Ano, conseguiremos isso. Agora, o que podemos é pensar - duas ou três coisas em que há que melhorar a nossa atitude como pais, para que os nossos filhos disso beneficiem. Ler Mais...
Roxo envolta do um | Para Pais.