Resultados para: "rifocina doi em ferimento"

Você está a ver bebé , grávida e / ou outros itens relacionados com a sua pesquisa rifocina doi em ferimento. Encontre as melhores dicas para ajudar no desenvolvimento da sua gravidez. mulheres parindo dentro do hospital, cesaria inflamada por dentro, ver parto normal ver tudo, parto normal visto de frente, grávidas parindo parto normal, cesariana inflamada, gemeos escondidos barriga.

Riscos e perigos… e fatores protetores

As diversas actividades de uma criança no infantário ou jardim-de-infância envolvem, todas elas, um grau de risco. O risco, aliás, desde que em doses moderadas, estimula o desenvolvimento do corpo e da autonomia. Algo de completamente diferente é o perigo, o qual representa a má gestão de situações de risco, com aumento da probabilidade de ocorrerem acidentes, ou de as suas consequências serem mais graves. Acresce que as crianças e os adolescentes, perante o «menu» que lhes é oferecido no infantário ou jardim-de-infância, optam frequentemente por comportamentos exploratórios, experimentais ou também designados por condutas de ensaio, os quais são normais e até desejáveis, mas que assumem um risco acrescido de ferimento, doença e até morte, sobretudo se o espaço não for seguro. Neste contexto, é necessário desenvolver fatores protectores, e utilizar formas de comunicar que ajudem à interiorização progressiva das regras, sem culpabilizar nem esperar efeitos imediatos e fiáveis, mas, através de negociação, explicação e exercitação, desenvolvidas progressivamente com os alunos e os restantes elementos da Comunidade Educativa, consciencializar as crianças, os adolescentes e os adultos que a segurança é um bem precioso a defender, transformando-a num «estado de espírito» e numa atitude cultural. Ler Mais...

Sangue

Anemia Uma anemia é uma situação em que o valor absoluto da hemoglobina está baixo. Como a hemoglobina é que transporta o oxigénio para as células, a consequência é uma redução da oxigenação dos tecidos. A anemia nem sempre se acompanha de uma baixa do número de glóbulos vermelhos. As crianças que têm motivos para sofrerem mais de anemia: - esgotam os depósitos de ferro e de outros elementos que receberam durante a gestação, especialmente se forem prematuros ou se a mãe tiver, ela própria, anemia durante a gravidez. O ferro passa, sobretudo, nos três últimos meses; - maior velocidade de crescimento, justificando necessidades de ingestão acres- cidas; - maior incidência de infecções e parasitoses; - reduzida capacidade da medula óssea em produzir glóbulos vermelhos imediatamente; - revelação de uma anemia familiar, hereditária; - erros dietéticos. A maior causa de anemia, no primeiro ano de vida, é a carência de ferro, embora outras situações de carência alimentar (hoje já muito raras no nosso país) possam também ocasionar uma anemia. Além desta situação mais banal, que pode também ser provocada por parasitas intestinais, há doenças que se acompanham de anemia, como algumas leucemias, mau funcionamento da medula óssea, etc. Mas são casos muito raros. Uma hemorragia grande, por exemplo na sequência de um ferimento, pode também causar anemia. As crianças com anemia apresentam-se pálidas, com sinais funcionais (falta de forças, cansaço, desinteresse afetivo e pelos brinquedos, tristeza, alterações do humor, falta de apetite, taquicardia. Depois, conforme a causa, podem surgir sintomas específicos associados a ela. Ler Mais...

Medidas preventivas

• rever a instalação elétrica da casa muitas famílias vivem em casas antigas (às vezes não tão antigas como isso mas sem respeito pelas regras de segurança). Será útil rever as instalações e substituir as tomadas e fichas que já se encontram deterioradas ou que oferecem perigo por si só. Uma medida fundamental é instalar disjuntores de segurança que permitam à eletricidade desviar-se para o quadro em vez de passar pela criança. É talvez a medida isolada mais importante; • instalar tomadas e fichas de «terra" nos eletrodomésticos e, idealmente, em todas as tomadas; • escolher tomadas que têm entradas de segurança, ou seja, que dificultam em muito o acesso e o contacto dos dedos da criança com os fios de passagem; • instalar as tomadas em locais «escondidos» e fora da vista da criança, embora essa não seja uma garantia de que a criança não lhe vai mexer; • utilizar «tapa-tomadas» nas que não estão a ser utilizadas escolher modelos que só possam ser retirados com a ajuda de uma ventosa ou chave, uma vez que os dedos do bebé poderão arranjar maneira de tirar os modelos «em barra». É bom tratar disso antes de a criança começar a gatinhar, ou seja, por volta dos 6 meses; • ter cuidado em não estragar tomadas, fichas e fios a massa de que são feitos é frágil e com meia dúzia de pancadas pode partir-se. Cuidado ao arrastar móveis, aspirar, etc.. • evitar a sobrecarga das tomadas com muitas fichas - às vezes vêem-se magotes de fichas todas elas ligadas à mesma tomada, o que leva, especialmente no caso de alguns eletrodomésticos, a um sobreaquecimento que distorce e estraga as fichas e tomadas, a que se soma a acção do peso das várias ligações o ideal é usar tomadas triplas ou quádruplas em barra; • ter cuidado com as extensões, porque acrescentam mais um elemento de ligação, o que constitui um fator de perigo. As extensões desdobráveis (redondas) deverão ser sempre totalmente desenroladas porque, a menos que tenham elas próprias mecanismos de segurança, podem aquecer muito se o fio fica enrolado, podendo provocar um incêndio; • electricidade e água não combinam ou seja, todos os eletrodomésticos e tomadas situados na casa de banho e na cozinha devem ser objecto de ainda mais cuidado. Por outro lado, mexer em aparelhos eléctricos com as mãos húmidas (mesmo em situações tão simples como acender uma luz num interruptor) pode causar a morte. E as crianças muitas vezes lavam as mãos e enxugam-nas a correr, ficando com elas molhadas... apagando de seguida a luz da casa de banho. • não lidar com a electricidade como se fosse uma brincadeira quanto mais pequena for a criança, maior a necessidade de protecção, mas esta mantém-se ao longo do crescimento; apesar da necessidade de um ensino progressivo, não cabe à criança assumir a responsabilidade pela sua própria proteção. Ao aprender a conviver com a eletricidade, é conveniente que se consciencializem desde pequenas que «com a eletricidade não se brinca». E quantas vezes são os adultos a dar o (mau) exemplo, trocando lâmpadas sem desligar o quadro ou pelo menos o interruptor, arranjando em casa eletrodomésticos à frente dos filhos pequenos, etc... são frequentes os casos de crianças que se eletrocutaram porque estavam a imitar os pais a arranjar fios, cortando-os com tesouras ou desaparafusando interruptores ou casquilhos com os candeeiros ligados; • ter especial cuidado, em relação a estes pontos todos, no que toca ao quarto da criança. E já agora também aos locais onde as crianças passam grande parte do tempo: creches, jardins de infância, escolas... e até as salas de espera dos consultórios e dos centros de saúde e hospitais... • não deixar o bebé manusear eletrodomésticos porque passará a ser, para ele, mais um brinquedo para mexer, analisar e «destruir» - e é natural que os eletrodomésticos fascinem a criança, porque mexem; • depois de utilizar os aparelhos, não os deixar ligados ou por arrumar com a pressa isto é muito vulgar. Acaba-se de fazer o que se está a fazer, ou interrompe-se para ir ao telefone ou à porta e é o tempo suficiente para a criança lhes mexer, accionar os botões e magoar-se ou eletrocutar-se; • é importante ter método e ver o mundo pelos olhos das crianças, adivinhando-Ihes a curiosidade (que é grande), a capacidade de se deslocarem (que aumenta enormemente mal começam a gatinhar) e a ausência de noção de perigo (não vale a pena dizer que «a electricidade mata» quando o bebé não sabe o que é morrer, nem sequer o que é a eletricidade...). Ler Mais...

Conselho sobre obstrução nasal

Os pais e educadores devem estar muito atentos ao nariz das crianças, e tratá-lo de forma a garantir a sua permeabilidade. No entanto, há que tomar em atenção o seguinte: a parede do nariz (mucosa) é muito frágil (exatamente por ser fina e muito vascularizada). Qualquer agressão (cotonete, aspirador de secreções, limpezas bruscas, etc.) pode lesar a parede do nariz e provocar a resposta por parte deste que é a secreção de ainda mais ranho. Ensinar e insistir para se assoar é a medida mais eficaz. Ler Mais...

Quais são as taxas de sucesso dos tratamentos de fertilidade?

As taxas de sucesso são muito variáveis, dependendo dos tratamentos utilizados e da saúde do casal. Se quiser saber a taxa de sucesso de clínicas individuais pode perguntar pela taxa de gravidez iniciada por ciclo". Esta informação é disponibilizada por cada clínica. Acima de tudo os casais tem uma maior taxa de sucesso se a idade da mulher for de 23-39 anos, tenha estado grávida ou tenha tido um bebé, e tenha um peso normal (um índice de massa corporal entre 19 e 24). Quanto mais velha for uma mulher menos hipóteses tem de engravidar. Os números mostram que em cada 100 mulheres entre os 23 e os 35 anos, mais de 20 engravidarão depois de um ciclo de FIV; dos 36 aos 38 anos, engravidarão cerca de 15; aos 39 engravidarão cerca de 10; e nas mulheres com mais de 40, engravidarão cerca de 6. Ler Mais...

As diferenças bio antropológicas

Até há cerca de 20 anos pensava-se que os rapazes e as raparigas eram iguais, tudo dependendo de como os pais e os restantes adultos os tratavam. As catadupas de investigação entretanto surgidas mostram que há diferenças neuro comportamentais, para além das evidências anatómicas. E essas diferenças, constatadas no cérebro e nas funções cerebrais, condicionam sentimentos, modos de apreciar os eventos e comportamentos. Esta forma diferente de «estar», que tem a ver com desígnios antropológicos muito antigos, inclui os comportamentos em áreas como o risco e a gestão do risco, expressão da agressividade, capacidade de aprendizagem, maturidade, visão a longo prazo, traduzindo-se em diferenças, por exemplo, nos comportamentos de risco acrescido ou nos acidentes. A linguagem é um bom exemplo das diferenças de género, como a atenção ou o campo visual. A evolução genética não muda da noite para o dia - o caçador ou guerreiro tinha de ter um campo visual estreito, para fixar a presa ou o inimigo e perceber os sinais indiretos da sua presença. Não podia, pois distrair-se com estímulos acessórios e laterais. Da mesma forma, as respostas orais tinham de ser lacónicas, curtas, secas. As mulheres, pelo contrário, na sua condição de cuidadoras e guardadoras das crianças, em espaços circulares fechados, tinham de ter um campo visual alargado e perceber rapidamente o ambiente que as rodeava. E como uma das suas funções era entender a trama do tecido social, a chamada «intriga», tinham de falar demoradamente, descrevendo tudo o que podiam, atendendo a todos os estímulos presentes. Nas salas de aula ainda se observam bem estas diferenças, na atenção, na maturidade, na assunção de responsabilidades e no tempo que as crianças aguentam certas atividades, entre outros exemplos. A colocação dos rapazes e das raparigas numa sala de aula, no jardim-de-infância, é essencial: eles deverão estar na linha da frente e elas poderão estar mais atrás, por exemplo quando se está a contar uma história, tentando diminuir os estímulos distrativos (luzes, vozes, reflexos, etc.) que afetarão mais a eles. Um dos órgãos responsáveis pelo sistema emocional cerebral é a chamada amígdala (que nada tem a ver com as amígdalas da garganta), onde se gerem muitas das emoções negativas, e que se desenvolve mais cedo e melhor nas raparigas. Isto faz com que, desde muito pequenas, elas consigam melhor transmitir os seus sentimentos em comunicação verbal ou outra, enquanto os rapazes ficam mais atrapalhados nessa conversão, podendo bloquear por impossibilidade de expressar o que sentem antes de o interlocutor «contra-atacar». Outra diferença marcante, sobretudo depois do ano e meio tem a ver com a exploração dos locais e das situações novas: os rapazes são geralmente mais ousados, mais ativos fisicamente, praticando o que se chamam as «dependências dominantes». As raparigas não são menos ativas perante o meio e as pessoas, mas exploram-no de outra maneira, com menos imposição «fálica», e mais sedução e charme. Exploram o que se denomina por «dependência íntima», que passa pelo toque suave e pelo colo. Dado que também têm uma melhor motricidade fina, mais precocemente do que os rapazes, entretêm-se mais cedo com atividades calmas e manuais do que eles, que são mais atabalhoados nos gestos e preferem o exercício do corpo de forma global, lido por vezes pelos pais como comportamentos «abrutalhado». Ler Mais...
Rifocina doi em ferimento | Para Pais.