Resultados para: "quando sei que um ponto da cirugia inflamou"

Você está a ver grávida , bebé e / ou outros itens relacionados com a sua pesquisa quando sei que um ponto da cirugia inflamou. Encontre as melhores dicas para ajudar no desenvolvimento da sua gravidez. mulheres parindo dentro do hospital, ver parto normal ver tudo, cesaria inflamada por dentro, parto normal visto de frente, grávidas parindo parto normal, cesariana inflamada, gemeos escondidos barriga.

Birras de provocação

Primeiro ponto: o Pedro já perdeu o seu sentido de omnipotência e tem receio de ser abandonado. E quando já ouviu os pais dizerem-lhe: «Estou farto de ti!» - ou, mesmo não tendo ouvido, já pressentiu que isso poderá (na cabeça dele, claro) acontecer -, tem medo de que o façam sair de casa, para um mundo onde (ele bem sabe!) não sobrevive- ria. E não gostarem dele será o pontapé de saída...para a saída. Segundo ponto: o Pedro tem já muito desenvolvido o seu sentido ético. Sabe distinguir o bem do mal, e se faz asneiras é porque é isso mesmo que quer fazer. Terceiro ponto: o Pedro descobriu que tem duas versões: uma boa e outra «menos boa». Descobriu, afinal, a condição humana, mais outro «peso-pesado» que tem de assumir. Quarto ponto: o Pedro não sabe se consegue controlar a versão «má», a tal que lhe garante «cama e roupa lavada», está já assente, e com ela o amor dos pais. Quinto ponto: o Pedro tem medo de ser mau, de «acordar mau», porque não sabe como é que estas coisas se controlam. E se tal acontecer, os pais não gostarão dele, e daí a porem-no na rua será um ápice. Sexto ponto: Perante esta dúvida angustiante, o Pedro tem de se testar, a ele e aos pais. Como o amor dos pais já é um dado adquirido, para a versão «boa», vai então experimentar a outra versão, a «má». Para ver o que dá...antes que a situação escape ao seu controlo e as coisas aconteçam sem travão. Sétimo ponto: o Pedro tem de ser educado dentro das regras e dos limites estabelecidos pelos pais. Mas há que ter a arte e o cuidado de distinguir a pessoa dos seus atos. Se estes podem ser passíveis de elogio e prémio, ou censura e castigo, já a pessoa tem de ser sempre reafirmada como objetos de amor. Seja qual for a versão que esteja «em vigor». Oitavo ponto: não é muitas vezes o que fazemos, mas é quando se deve mais fazer: na fase da asneira e da versão «má», que é afinal quando surgem as dúvidas se os pais gostam ou não dela, há que dar afeto e garantir à criança (portanto, à pessoa) que se gosta dela, que o amor nunca estará em causa. Dizer «Gosto de ti. És querido!- e só depois, debruçamo-nos sobre o ato, e então condenarmos e castigarmos se for esse o caso. Este, o ato. Não aquela, a criança. Com esta estratégia, o Pedro deixará de ter dúvidas sobre o amor dos pais. Sabe que será sempre desejado e querido (do verbo «querer), mesmo que a tecla carregue na versão «má». Tiram-lhe toneladas de cima. E verá que consegue, gradualmente, controlar a parte «má», sendo cada vez mais «querido». Além disso, porque os pais lhe ensinaram os conceitos éticos, dos quais ele tem uma noção muito clara, sentir-se-á bem consigo próprio por agir bem, tendo ainda o acréscimo de receber uma recompensa pelas atitudes corretas. A pouco e pouco deixará as provocações baratas, «rascas» e (quase) incompreensíveis, muito mais rapidamente e com menos trauma do que se nada disto for feito. Ler Mais...

Quando estarei completamente dilatada?

"Completamente dilatada" significa que o seu colo do útero está completamente aberto para que o bebé possa descer a vagina e nascer. Quando o trabalho de parto começa, o colo do útero ou está fechado ou está um ou dois centímetros aberto. As contrações do útero vão-no abrindo gradualmente até estar completamente aberto. Logo que isso acontece, você entra na segunda fase do trabalho de parto, que dura até ao parto. O ponto em que o seu colo do útero fica completamente dilatado pode ocorrer rapidamente depois do início de contrações fortes e regulares, ou pode levar muitas horas. Ler Mais...

Tudo uma questão de pesar os riscos, mas também de assumir as responsabilidades

Aos pais e às crianças, colocam-se diariamente alguns problemas, como as chamadas falsas contraindicações:
  • situações em que a vacinação é rejeitada nos centros de saúde por razões que não são, no fim de contas, justificativas (do ponto de vista clínico e científico) para tal. Infelizmente, continuam a ser muito frequentes e as crianças e famílias andam de um lado para o outro, desnecessariamente, com grande prejuízo para a vida das pessoas e com comprometimento das taxas de imunização.
Pode-se, assim, afirmar que as vacinas são seguras, eficazes (em valores superiores a 95-97%), e os efeitos secundários que têm são menores e não causam grandes problemas. A ideia de que as vacinas «mexeriam» com a nossa imunidade e de que poderíamos estar a abrir uma caixa de Pandora incontrolável, é errada. E as vacinas estão desenhadas para doenças que são ou podem ser graves - meningites, septicemias, sarampos, encefalites, pneumonias, varicelas complicadas, paralisia infantil, difteria, tosse convulsa, tuberculose, entre outras. Há uma corrente crescente, especialmente na Europa e nos EUA de grupos «contra as vacinas». Os pais são sempre as pessoas que decidirão, mas também é bom pensar que a sua decisão acarreta responsabilização. Se amanhã uma criança não é vacinada porque os pais não o desejam, e morre ou fica com sequelas por causa de uma meningite, sarampo, tosse convulsa ou difteria, o assunto será muito complicado de gerir, do ponto de vista psicológico, moral e até jurídico. Ler Mais...

Conselho sobre “Preocupar-me?”

Não tenham vergonha de veicular ao médico-assistente tudo o que sentem. Qualquer questão que preocupe os pais é importante, mesmo que do ponto de vista clínico o possa não ser. E as consultas e contactos existem para isso mesmo, não apenas para meter uma espátula pela boca dentro ou um otoscópio nos ouvidos. Aliás, a descodificação dos sintomas e sinais, antevendo quando é que eles se podem tornar graves, é uma ajuda preciosa aos pais e contribui para que aumentem a sua sabedoria. E quantas vezes (muitas, mesmo!) os pais não têm razão, porque o seu sexto sentido os avisou de que «algo não estava bem»? São os pais quem melhor conhece a criança, e que com ela «fala», através da «comunicação invisível». Ler Mais...

Sou a única mãe no meu grupo de amigos. Não consigo identificar-me com eles pois só quero falar sobre o bebé!

Quando se toma mãe, a sua vida tem um único ponto de interesse - o seu bebé. Tudo sobre ele a encanta e a preocupa, portanto espera-se que queira falar muito sobre ele. Infelizmente, descobrirá que, embora os seus amigos gostem de a ouvir falar do seu bebé, não partilharão o seu imenso interesse. Ser mãe é maravilhoso e ocupa o tempo todo, mas é importante ter tempo para se interessar por outros aspetos da sua vida, como sociabilizar com os seus amigos. Falar de outras coisas e de outros interesses também a ajudará a manter a sua própria identidade, assim como a de ser mãe. Ler Mais...

Quanto tempo devemos esperar antes de tentar ter outro bebé?

A seguir à perda trágica de um bebé, não há altura própria para um casal tentar ter outro bebé. Isso dependerá muito de quando vocês se sentirem mentalmente preparados. A fase da gravidez em que a perda ocorreu e a forma como o bebé nasceu também pode afetar a vossa preparação para terem em conta uma nova tentativa; por vezes, uma perda numa fase adiantada da gravidez pode levar mais tempo a recuperar. De um ponto de vista tísico, em geral é melhor dar ao seu corpo seis semanas para voltar ao estado normal Se tiver tido uma cesariana, recomenda-se que espere um ano para cicatrizar antes de engravidar de novo. Conselhos e apoio podem ajudar a decidir quando estão psicologicamente prontos para voltar a tentar. O vosso médico ou a vossa parteira podem indicar-vos isso. Ler Mais...
Quando sei que um ponto da cirugia inflamou | Para Pais.