Resultados para: "priguito mais bonitos"

Você está a ver alimentação , alimentação e / ou outros itens relacionados com a sua pesquisa priguito mais bonitos. Encontre as melhores dicas para ajudar no desenvolvimento da sua gravidez. mulheres parindo dentro do hospital, cesaria inflamada por dentro, gemeos escondidos barriga, cesaria inflamada, cesariana inflamada, colo do utero dilatado fotos, bucentinha infantil.

Irei precisar de um soutien especial?

É importante que o seu seio esteja livre durante a amamentação. Com um soutien normal, terá de retirar a roupa, portanto, sim, é aconselhável comprar pelo menos dois soutiens de amamentação. Hoje em dia há muitos soutiens bonitos à venda. O soutien deverá ter um fecho que permita que cada copa fique solta em separado. Peça a uma empregada para a medir, pois um soutien que não, assente bem pode contribuir para problemas como mastite. Será melhor esperar até às 36 semanas antes de escolher um soutien, pois os seus seios continuam a crescer. A média de crescimento é de dois números acima. Ler Mais...

Espaços de brincadeira – têm que ser bons, bonitos e seguros

Como alguns pais sabem, por experiências que já tiveram com as suas crianças, alguns espaços de brincadeira são autênticos espaços armadilhados, acabando por ser uma causa muito importante de traumatismos e lesões acidentais. Um outro aspecto que vale a pena realçar é a necessidade de pensar em espaços de brincadeira e de recreio como espaços amplos, não atafulhados de equipamentos, e optando por soluções (por exemplo, aparelhos) que permitam várias atividades de diversos grupos musculares, e não as tradicionais atividades «uma de cada vez» (escorrega-escorrega, roda-roda, salta-salta, gira-gira, baloiça-baloiça). Um terceiro aspecto prende-se com os enquadramentos ambientais. Os bebés são exigentes e desenvolvem se melhor em ambientes bonitos e tranquilos, de preferência onde vários grupos etários e várias gerações se misturem e partilhem saberes e culturas. Cabe aos pais, neste contexto, um papel importantíssimo do qual não se poderão demitir. Por um lado, os bebés frequentam os parques infantis também com os educadores de infância. Nas creches e infantários existem recreios em muito semelhantes aos parques com equipamentos. Não é admissível deixar que as crianças frequentem locais onde se limita a sua atividade fisiológica e psicológica, ou em que correm perigo de traumatismos graves, de sequelas definitivas e até de morte. Quando se pensa que uma queda de 3,5 metros de altura sobre 30 cm de areia equivale, em pancada e libertação de energia, a uma queda de 15 cm sobre cimento tem se uma noção de que o sítio onde se quando se cai, faz toda a diferença em termos de libertação de energia e de consequências para o bebé. E sendo a cabeça, nas quedas, a parte mais frequentemente traumatizada e o local onde está o nosso «computador central», o risco de lesão cerebral é muito elevado. Os materiais mais amortecedores, que não devolvem tanta energia quando se bate neles, são a areia, relva, madeira, alcatifa, tapete. Os que são mais violentos e que causam traumatismos muito mais graves são o betão, azulejo, pedra, mosaico, tijoleira, bate, A aceleração linear faz os objetos e o bebé «pesarem» muito mais. Vale a pena, na prevenção dos acidentes, pensar que tudo o que acelere ganha energia e provoca uma pancada com mais violência. Por exemplo, se for o bebé a cair, a altura de que cai conta muito, porque é como se o bebé fosse aumentando de peso a cada cm que desce efeitos da gravidade. Se, pelo contrário, é algo que lhe cai em cima, a distância a que o objecto estava da cabeça do bebé também conta. À medida que o objeto desce, ganha velocidade e energia. Quando bate é como se pesasse muitíssimo mais. Ficam aqui algumas chamadas de atenção para pormenores que são muito importantes para se conseguir um espaço de brincadeira seguro e divertido. Peçam às crianças mais velhas que vos ajudem neste jogo de detectar problemas e aspectos perigosos. É uma boa maneira de passarem o tempo, serem elas a fazer este check-list e, no final, em «reunião plenária», a relatarem aos adultos o que encontraram, para que possam tirar conclusões e veiculá-las aos pais. Ler Mais...

O que significa um parto “pele com pele”?

"Pele com pele" é uma frase que significa aninhar o seu bebé nu contra a sua pele nua. Muitas mulheres desejam ter um contacto "pele com pele" com os seus bebés logo a seguir ao parto. Isso pode ajudar a criar laços, a controlar a temperatura do bebé e a iniciar a amamentação. Desde que você e o seu bebé estejam bem, não haverá razão para não poder fazer isso – limpar o seu bebé, pesá-lo e vesti-lo pode esperar um pouco. Muitos médicos reconhecem agora a importância deste contacto "pele com pele" inicial e ajudá-la-ão a obtê-lo desde que você queira. Comunique as suas ideias e os seus desejos à sua parteira o mais cedo possível depois de ser admitida na sala de parto, para que ela possa planear o seu parto e possa tentar ir de encontro aos seus desejos. Ler Mais...

Criar rotinas

É essencial criar rotinas, porque o próprio elemento repetitivo é inerente à securização. Saber o que se vai passar a seguir ajuda a prever o futuro e tranquilizar, porque a seguir ao A vem o B, e por aí fora.... e antes de chegar ao Z já estamos a dormir. Tentem, quanto possível: • adotar uma rotina diária (que pode e deve ser quebrada de vez em quando); • fixar uma hora de deitar que tome em conta fatores a que não se pode fugir, como a hora a que os pais chegam a casa, hora de jantar, etc; • não deixar a televisão ser um factor relevante para marcar horários - aliás, a televisão não deve fazer parte da vida das crianças depois do início do telejornal; • começar os pormenores de rotina cerca de meia a uma hora antes de a criança se ir deitar e manter a ordem com que se faz as coisas; • deitar a criança e assegurar que o clima é de paz (se a criança vai para a cama no meio de discussões dos pais, de barulho da TV ou de grande confusão, dificilmente dormirá porque, ou está interessada no que se passa, nomeadamente nas guerras entre os progenitores, ou o barulho não a deixa dormir, ou fica angustiada, sobretudo se pressente violência no ar; • uma vez a criança deitada, não ficar demasiado tempo com ela. As histórias e as cantigas devem ocorrer, ou antes de se deitar ou já na cama, mas prevendo que só excepcionalmente se contará ou cantará mais uma - a partir de certo tempo, quanto maior a permanência, pior e mais difícil será a separação; • ao despedirem-se da criança, os pais dizerem dizer sempre o mesmo: «Boa noite, dorme bem, está aqui o... (e dizem o nome do boneco que é o seu «delegado»). Não se devem ter demasiadas regras - para poder dar azo a alguma espontaneidade, mas manter a rotina de um beijo ou um mimo - sempre o mesmo. Esta rotina deverá ser usada também a meio da noite, quando a criança acorda; • se a criança se escapar da cama e aparecer por exemplo à porta da sala, apanhá-la o mais cedo possível, fazer uma expressão de desagrado, usar um tom de voz que não dê margem para dúvidas (não é berrar, pois isso é interpretado pela criança como falta de autoridade e acaba por ser um excelente argumento para vitimização) e voltar a pô-la na cama; • ignorar os primeiros apelos vindos da cama, respondendo com um «ó-ó!>», «schiu!», «dorme», em tom afectivo. Se todavia sentirem que o vosso filho está a entrar em desespero, terão de ir ao pé dele para o apoiar e dar mimo; • se, com o stresse, a criança vomitar - ótima maneira de pôr a família em alvoroço e esquema de manipulação muito utilizado -, deve-se limpar, mas sem demasiado alarido e, sobretudo, evitando o contacto olhos-nos-olhos com a criança; • se os vizinhos se queixarem, pior para eles... mas. se querem manter uma boa vizinhança, antes de serem eles a referir o barulho noturno que vem da vossa casa, sejam vocês a pedir-lhes desculpa pelas «toiradas» da vossa criança - esta jogada de antecipação desarma qualquer pessoa • por último, é fundamental que ambos os pais cheguem a um acordo em relação à estratégia a seguir. Se a criança descobre que há desavenças entre os pais há-de explorá-las até à exaustão, fazendo alianças com o progenitor que está mais perto de ceder ao seus caprichos e utilizando isso para desafiar o outro.   Ler Mais...

Fará mal ao meu bebé de dois meses se o deixarmos com os avós durante o fim-de-semana?

Não, não fará mal ao seu bebé deixá-lo por uns dias com pessoas que o amam. Se estiver a alimentá-lo a biberão isso não terá qualquer problema, mas se estiver a amamentar poderá ser mais difícil. Primeiro, terá de ter a certeza de que o seu bebé gosta de tomar o leite pelo biberão, o que pode levar algum tempo se ele até agora só foi amamentado. Terá então de decidir se, enquanto estiver fora, ele irá tomar leite extraído ou leite de farmácia. Se tomar leite de farmácia, terá de o habituar antes de ir, e se continuar com o leite materno, terá de começar a extraí-lo com bastante antecedência e congelar algumas quantidades para que possa deixar leite com os avós. Além disso, se quiser continuar a amamentar, terá de levar consigo uma bomba de extração, material de esterilização e frascos para guardar o leite, para manter o seu fornecimento enquanto estiver fora. Se isto parecer demasiado complicado, pode levar o bebé consigo no fim-de-semana ou esperar até ele ser um pouco mais velho, e talvez já não estar a ser amamentado, antes de ir para fora sem ele. Ler Mais...

Benefícios do exercício

Não há dúvida de que fazer exercício durante a gravidez oferece numerosos benefícios tanto à mãe como ao bebé. * O exercício regular aumenta a flexibilidade e a boa disposição, o que a irá beneficiar no parto. * O exercício aeróbico, como a natação, aumenta a estamina, melhorando a circulação sanguínea e preparando-a para o trabalho de parto. * O exercício liberta endorfinas, os analgésicos naturais do corpo, ajudando-a a relaxar e a melhorar o seu humor. * O exercício evita as dores de costas. * Praticar exercício vai ajudá-la a recuperar mais depressa depois do parto. Ler Mais...
Priguito mais bonitos | Para Pais.