Resultados para: "prematuros com solucos"

Você está a ver leite , criança e / ou outros itens relacionados com a sua pesquisa prematuros com solucos. Encontre as melhores dicas para ajudar no desenvolvimento da sua gravidez. mulheres parindo dentro do hospital, ver parto normal ver tudo, cesaria inflamada por dentro, parto normal visto de frente, grávidas parindo parto normal, cesariana inflamada, gemeos escondidos barriga.

Os bebés têm soluços no útero? Tenho a certeza de que os sinto.

Os bebés têm soluços desde o início do terceiro trimestre. Este é um fenómeno normal, em geral de curta duração mas que por vezes ocorre em alturas semelhantes todos os dias. É sentido como uma sensação rápida e espasmódica no seu abdómen. Os soluços não são prejudiciais para o bebé e de facto são um sinal de que o bebé é saudável, da mesma forma que os movimentos do bebé são um sinal positivo. Julga-se que os soluços podem ser causados quando, ocasionalmente, o bebé inspira com força e ingere líquido amniótico que o envolve. A alteração súbita da pressão na cavidade toráxica quando ele engole o líquido pode causar os soluços, como quando bebemos alguma coisa muito depressa. Estas inspirações profundas ajudam a exercitar os músculos respiratórios e estimulam os seus pulmões a produzir surfactante, o qual é essencial para o funcionamento dos pulmões. O bebé não se afoga pois recebe oxigénio através da placenta. Ler Mais...

Porque é que os bebés prematuros têm dificuldades respiratórias?

A síndroma do desconforto respiratório (SDR) é a complicação mais comum dos bebés prematuros e afeta mais de 50 % dos bebés nascidos antes das 32 semanas de gravidez. Os problemas de pulmões ocorrem nos bebés prematuros por várias razões. Os pulmões não estão completamente desenvolvidos até à última fase da gravidez, e uma substância importante chamada surfactante, que permite que os pequenos pulmões dos bebés se desenvolvam e funcionem com eficácia, não se desenvolve até depois das 36 semanas de gravidez. Além disso, quanto mais cedo o bebé nascer, menos desenvolvidos estarão os pulmões e os músculos da caixa torácica, e o resultado é que os bebés ficam muito cansados pois necessitam de mais esforço para respirar. Os problemas respiratórios são a razão mais comum para os bebés serem admitidos nas unidades de cuidados intensivos neonatais (UCDM). Os bebés prematuros estão muito mais sujeitos a infeções respiratórias do que os bebés de termo e podem necessitar da ajuda de ventiladores mecânicos, os quais, embora salvem vidas, podem eles mesmos causar problemas aos pulmões do bebé. Ler Mais...

Porque é que alguns bebés nascem prematuros?

Há certos fatores que podem aumentar a possibilidade de ter um bebé prematuro. Estes incluem um historial obstétrico anterior de prematuridade próprias ou da mãe ou da irmã, doenças durante a gravidez, o estado de saúde da mãe anterior à gravidez, ter uma gravidez múltipla, fumar e problemas fetais, como, por exemplo, um crescimento reduzido, que pode ter como causa fatores do estilo de vida como fumar e outros problemas fetais. Muitos bebés prematuros vão para uma unidade de cuidados especiais para bebés (ver ao lado), onde receberão cuidados e atenções médicas especializadas até estarem suficientemente bem para regressarem a casa. Ler Mais...

O meu bebé está na unidade de cuidados especiais para bebés. Tenho tentado tirar leite todos os dias – isso ajuda?

O leite da mãe ajuda a assegurar que a imunidade natural da mãe é passada para o bebé através do seu leite. Como os bebés prematuros estão mais sujeitos a infeções, o leite materno é muito importante. É também de muito mais fácil digestão para um bebé, o que é especialmente importante para os bebés prematuros, pois o seu aparelho digestivo pode estar menos desenvolvido. Além de que é uma ótima forma de criar laços e desenvolver um relacionamento com o seu bebé. Esta é uma altura de bastante stress e as mães podem sentir-se inúteis. Saber que está a fazer uma coisa tão boa para ajudar o seu bebé irá ajudar imenso. Ler Mais...

Os gémeos são sempre prematuros?

Não é verdade que os gémeos nasçam «todos» prematuros. A bem dizer, apenas um terço o faz. Isto, se atendermos à definição de «prematuro» - menos de 37 semanas de gestação. Claro que poderemos dizer que, provavelmente, quase todos os gémeos nascem antes do final do termo, ou seja antes das 40 semanas. Isso sim. Mas não prematuros. E esta questão de prematuridade ou não prende-se, sobretudo, com o problema da maturação pulmonar e do peso, porque são duas vertentes que podem afetar o bem-estar do bebé. Ern Portugal, a percentagem de partos prematuros (menos de 37 semanas) é, nos partos múltiplos, o triplo da dos partos simples, (33% versus 11%, respectivamente). Embora representando uma quantidade muito pequena de partos, cada melhoria nos graus de sobrevivência tem um impacto muito grande na percentagem de nados-vivos gemelares, muito superior ao impacto que poderá ter nos partos simples, dada a sua grande quantidade. A gemelaridade e as gravidezes múltiplas são fenómenos cada vez mais frequentes, embora velhos como o mundo. Muito se diz, muito se conta sobre os gémeos sobre a sua maneira de ser, sobre a gestação, sobre as ligações que existem entre ambos, incompreensíveis para os outros mortais. Algumas coisas têm uma certa veracidade científica, outras não passam de tradições ou histórias inventadas para combater o medo e o desconhecimento. Claro está que os gémeos põem problemas práticos vários aos pais: organização da casa, carros que dêem para as cadeirinhas de transporte, sobretudo quando existe mais um bebé pequeno, despesas acrescidas no supermercado, na farmácia, no médico e em todo o lado..., sem as correspondentes políticas de apoio, que deveriam, quanto a mim, ser desenvolvidas para estes casos e, também para as famílias numerosas (descontos no IRS, supressão de IVA em certos produtos, entre outros). Os serviços de saúde e de segurança social deveriam, igualmente, ter programas domiciliários de apoio específicos para os casais que necessitassem, quando têm gémeos... Ler Mais...

Em que fase pode o meu bebé sobreviver fora do útero?

Até há pouco tempo, os bebés nascidos com menos de 28 semanas de gestação em geral não sobreviviam. Hoje em dia, com os avanços médicos em especial nas unidades de cuidados intensivos neonatais, bebés de 22 semanas de gestação têm sobrevivido fora do útero, embora isso ainda seja muito raro. Segundo as directrizes de muitos hospitais, 24 semanas é o limite de idade gestacional em que conseguem ressuscitar um bebé, a não ser que o bebé mostre sinais de vida no parto. Os bebés muito prematuros têm um risco aumentado de incapacidades, mesmo com os melhores cuidados médicos, e por vezes o próprio parto pode causar um enorme esforço ao bebé. Médicos, parteiras e enfermeiras com muita experiência serão envolvidos nos cuidados de partos prematuros. Se possível, o parto terá lugar num hospital com uma unidade dedicada aos cuidados intensivos neonatais (UCIN). Se isso não for possível, por vezes os bebés são transferidos para centros especializados quando estão suficientemente estáveis para serem transportados. Cada dia e cada semana são um marco para o seu bebé, e quanto mais perto nascer da data prevista para o parto, melhores são as probabilidades. Ler Mais...
Prematuros com solucos | Para Pais.