Resultados para: "porque qando escovamos os dentes as amigdalas nao saem"

Você está a ver criança , criança e / ou outros itens relacionados com a sua pesquisa porque qando escovamos os dentes as amigdalas nao saem. Encontre as melhores dicas para ajudar no desenvolvimento da sua gravidez. mulheres parindo dentro do hospital, ver parto normal ver tudo, cesaria inflamada por dentro, parto normal visto de frente, grávidas parindo parto normal, cesariana inflamada, gemeos escondidos barriga.

O que são as amígdalas?

As amígdalas são umas formações do chamado tecido linfoide, especializado em defesa contra as diversas agressões, microbiológicas ou não, e que se situam em ambos os lados da garganta. A sua função é semelhante à dos adenoides: porteiro que evita a entrada de agentes nocivos. Quando as amígdalas se infetam, incham e causam os sintomas que mencionei. No fundo, o que a criança sente vem essencialmente de duas origens: os sinais de infeção (febre, mal-estar. falta de apetite) e os sinais locais que estão associados ao aumento dessas estruturas (dor a engolir, dificuldade em respirar e falar, tosse, vómitos). Os vómitos, por exemplo, são fáceis de explicar porque, além do quadro infecioso geral que os pode causar, o facto de as amígdalas estarem junto à faringe - e esta também estar inflamada, por continuidade - faz com que o aumento do seu tamanho induza o vómito, quase como se alguém estivesse a meter uma colher pela boca abaixo. O aumento dos gânglios debaixo da mandíbula representa a entrada destas estruturas (também elas formadas por tecido linfoide) na luta contra as bactérias. Os gânglios são como filtros que, do mesmo modo, têm por missão limitar a infeção e não a deixar progredir. Muita gente pensa, como a mãe do Rui, que ao palpar os gânglios da criança está a palpar as amígdalas. Não. Não é a mesma coisa e esses gânglios podem também estar volumosos no decurso de outras infeções - nasais, da pele, dos dentes -, e permanecem aumentados muito para lá do período agudo de infeção. Ler Mais...

Tirar as amígdalas

Já vai longe o tempo em que se tiravam as amígdalas «por dá cá aquela palha». Atualmente, graças ao tratamento correto das amigdalites e aos conhecimentos científicos, a extração das amígdalas está reservada a casos muito especiais, definidos pelos médicos assistentes e pelos especialistas de otorrino. Há que compreender que as amígdalas estarão grandes enquanto o contacto da criança com os agentes agressores se fizer repetidamente, como é o caso do período escolar. Depois, com a diminuição das situações infeciosas, as amígdalas reduzem-se de tamanho até praticamente desaparecerem ou mesmo deixarem de existir. No entanto, poder-se-á pensar em retiraras amígdalas se a criança faz amigdalites de repetição (mais do que uma por mês), tem grande dificuldade em respirar e em engolir, tem dificuldade em dormir, faz apneias de sono, entre outras. A intervenção cirúrgica é fácil, com anestesia geral de curta duração e geralmente sem quaisquer complicações. No caso de um doente com amigdalite, deve ter-se o máximo cuidado em não partilhar utensílios de comer - a lavagem com água e sabão quente chegam. E há que ter, como em todos os casos, a precaução de lavar bem asos. As crianças com amigdalite causada por estreptococo são contagiosas até cerca de 48 horas após começarem um antibiótico adequado. Podem, no entanto, existir pessoas (cerca de 10% das crianças em idade escolar, por exemplo) que são portadoras da bactéria não aparentando doença - o pessoal que cuida de crianças, nos estabelecimentos pré-escolares e escolares, deveria fazer uma pesquisa de estreptococo pelo menos uma vez por ano. Ler Mais...

Importância dos dentes de leite

É muito importante que os dentes de leite permaneçam na boca até chegar a altura de caírem naturalmente. Os dentes de leite são importantes porque ajudam: • Na manutenção de uma boa nutrição, ao permitirem uma boa mastigação; • No desenvolvimento correto da tala e da linguagem; • Na erupção dos dentes permanentes pois «guardam» o espaço necessário para estes erupcionarem corretamente; • A ter um sorriso bonito que dá à criança uma maior aceitação social, melhorando a sua autoestima e autoimagem. Frequentemente subestimam-se as cáries nos dentes de leite e os pais acham que, como o dente vai «cair» não vale a pena tratá-lo, mas tudo depende da idade da criança e do dente afetado. Todavia, por exemplo, os molares de leite vão permanecer na boca até cerca dos 11-12 anos, mesmo que a mudança de dentes se inicie aos 5-6 anos. Assim, se estes dentes apresentarem uma cárie, não é lógico que esta não seja tratada porque o dente ainda vai estar na boca cerca de mais 7 a 8 anos. Ler Mais...

Amigdalite

Toda a gente já ouviu falar das amígdalas. Mais, provavelmente já toda a gente passou por uma situação parecida como a do Rui (no caso em seguida descrito): febre alta, dor a engolir, mal-estar, inchaço dos gânglios que ficam por baixo da boca, mau hálito, dor de cabeça e na barriga, falta de apetite e rouquidão. Ou seja, já praticamente todos nós experimentámos os sintomas e sinais de uma amigdalite, ou do seu componente mais chegado, a faringite. As amigdalites e as faringites são doenças que costumam aparecer mais em crianças de idade pré-escolar e escolar, altura em que as amígdalas têm uma dimensão ainda grande. Ler Mais...

Comunicação

Um erro frequentemente cometido com as crianças deste grupo etário é pensar-se que a comunicação só tem um sentido, ou seja, que serve apenas para os pais darem informação aos filhos - «come a alface», «porta-te bem», «lava os dentes», ou então para os filhos se queixarem: «dói-me a barriga», «quero aquele carro», «não quero sopa». A comunicação pais-filhos tem de sei muito mais do que isso e. especialmente quando a criança começa a falar, deve sei um processo bi-direccional, que para além desta parte meramente pragmática, tem um valor de expressão e transmissão de sentimentos. Mais do que dizer -Tu devias fazer isto ou aquilo!-, seria melhor perguntar primeiro -O que é que estás a sentir?- ou «Como é que te sentes?». Somos pessoas frágeis que baseiam os comportamentos, entre outras coisas, no sentir. As crianças de 1 -5 anos são especialmente sensíveis porque a sua imaturidade e dependência as faz analisar, constantemente, o binómio «segurança-abandono» Quantas vezes dizemos uma coisa simples, damos uma pequena ordem, e o nosso filho parece -aparvalhado-, a olhar para nós. «Não estás a ouvir o que te disse?- - perguntamos. Não Não ouviu porque provavelmente qualquer coisa o está a incomodar. Se calhar é o medo de ir lavar os dentes sozinho ou de pensar que há monstros que saem do ralo do lavatório Ou que depois da lavagem dos dentes virá o difícil processo de adormecer. Ou que lhe apetecia ouvir duas, histórias e já reparou que os pais estão a ver um programa de televisão e não estarão disponíveis. Ler Mais...

A erupção dos dentes de leite

Ao chegar ao ano de idade, a criança geralmente já tem dentes. Uma grande preocupação dos pais, aliás. A identificação, que é como quem diz, a erupção aos dentes, inicia-se habitualmente por volta dos 6 meses de idade e termina por volta dos 3 anos. Um atraso de cerca de seis ou oito meses é considerado dentro dos padrões da normalidade e há crianças mais precoces do que outras. Erupção                                               Dentes Superiores         Dentes inferiores Meses Incisivos centrais                                          8                                                       6 Incisivos laterais                                          10                                                     9 Caninos                                                             20                                                   18 Primeiro molar                                             16                                                    16 Segundo molar                                             29                                                     27 Ler Mais...
Porque qando escovamos os dentes as amigdalas nao saem | Para Pais.