Resultados para: "oq e bom pra mal jeito na perna na caminhada"

Você está a ver bebé , gravidez e / ou outros itens relacionados com a sua pesquisa oq e bom pra mal jeito na perna na caminhada. Encontre as melhores dicas para ajudar no desenvolvimento da sua gravidez. mulheres parindo dentro do hospital, cesaria inflamada por dentro, ver parto normal ver tudo, parto normal visto de frente, grávidas parindo parto normal, cesariana inflamada, gemeos escondidos barriga.

Há algum exercício que ajude a evitar as varizes?

As varizes são veias inchadas, torcidas e doridas que estão cheias com uma quantidade anormal de sangue que causa inchaço (edema) na zona afectada. Em geral situam-se na parte inferior da perna e na barriga da perna. São mais comuns nas mulheres do que nos homens, com um aumento de incidência na gravidez, e também têm tendência a ser hereditárias. Os sintomas mais comuns de varizes e edemas são dores, cãibras nocturnas, adormecimento, formigueiro e dor. Pode diminuir o risco de varizes fazendo exercício com regularidade, como caminhar com rapidez, e tentando incluir outros exercícios na sua rotina diária, como usar as escadas em vez do elevador e se conduzir com frequência, estacionar mais longe do seu destino. Ler Mais...

Tenosinovite da anca

Uma das situações mais frequentes de dor na anca, excluindo os casos de traumatismo, é a sinovite aguda transitória, que é uma inflamação autolimitada do revestimento da articulação da anca (denominado «sinovial», de onde o nome). Embora possa surgir em qualquer idade, é mais comum cerca dos 3-4 anos e no sexo masculino. Há também uma predominância pelo lado direito. A causa da sinovite aguda é desconhecida e pôs-se a possibilidade de estar relacionada com fatores alérgicos. Aliás, metade das crianças tem uma história de constipação ou otite nos dias anteriores. O caso-tipo é o de uma criança que aparece com dor na virilha ou na anca, geralmente de um só lado, com dificuldade em andar, preferindo manter a perna fletida e ligeiramente voltada para o lado de fora. Há vários fatores que deve ter em conta: se a dor é súbita, se é intensa, se causa impotência funcional, ou seja, se a criança tem a marcha e a movimentação limitadas e se tem sinais de inflamação (vermelhidão e calor). Claro que interessará saber se teve ou tem outros sintomas e sinais, de qualquer dos outros órgãos, e também, evidentemente, se sofreu um traumatismo (queda, pancada, mau jeito, etc.). Muitas vezes poderá ser mau posicionamento a dormir; não é necessário que seja um acidente grave. Quando tal acontece e não passa com um anti-inflamatório, no período de um ou dois dias, então convém consultar o médico porque eventualmente ter-se-ão de realizar exames (análises, radiográficas, ecográficas, etc.). Ler Mais...

Estou com 35 semanas de gravidez e tenho cãibras terríveis nas pernas. O que posso fazer?

As cãibras nas pernas, quando os músculos das pernas têm um espasmo doloroso, são comuns na gravidez, em particular à noite, e acontecem devido à pressão do útero nos nervos pélvicos. Isto em geral resolve-se por si, logo que sai da cama e usa o músculo. Contudo, se a dor não desaparece e não há qualquer vermelhão ou inchaço na perna, deve consultar o seu médico com urgência para eliminar a possibilidade de um coágulo. Para reduzir a frequência das cãibras ou a sua intensidade, beba muita água para prevenir a desidratação e faça alongamentos de pernas e exercícios com os tornozelos, primeiro rodando o calcanhar e depois curvando os dedos dos pés, antes de ir para a cama. Exercícios leves, como caminhar ou nadar, também podem ajudar, e pedir ao seu companheiro, amigos ou familiares para lhe massajar as pernas em particular os músculos da barriga da perna, pode melhorar a circulação. Alguns estudos sugerem que tornar suplementos de magnésio reduz a frequência das cãibras, mas por agora são inconclusivos. Ler Mais...

Assimetrias

Outro aspecto a valorizar, já depois dos dois meses, é o encurtamento da perna do lado afetado, e uma assimetria entre os dois lados (com as ancas fletidas) ao comparar o nível dos joelhos. O joelho do lado afectado ficará num plano abaixo do do lado oposto. Um sinal pesquisado e que os pais vêem é o exame das pregas das coxas, quer com o bebé deitado de costas, quer de bruços. Quando as pregas cutâneas são assimétricas pode ser um sinal de doença luxante, mas muitos bebés, especialmente os mais «gordinhos», podem ter as pregas diferentes. Como sinais de eventual doença luxante da anca pode também haver um achatamento da nádega do lado afetado, com o bebé deitado de bruços. De igual modo, é importante observar a postura da perna em repouso: o lado afectado tem tendência a estar rodado, flectido e em abdução. Há que contar com uma coisa: nos casos em que a doença luxante é bilateral, todos os sinais que têm a ver com assimetrias desaparecem, como é evidente, mas mantém-se a dificuldade na abdução e a positividade da manobra de Ortolani. Ler Mais...

Dores de crescimento

Muitas crianças, entre os 3 e 5 anos, queixam-se de dores nos joelhos ou na região dos joelhos, especialmente à noite, podendo ser bastante intensas - geralmente deitam-se bem, mas acordam a chorar baixinho, agarradas à perna e dizendo que lhes dói. São geralmente crianças em idade pré-escolar, embora possa atingir também os mais velhos. Designadas por «dores de crescimento», doem mesmo, não é invenção, mesmo tendo uma componente psicossomática. As dores localizam-se sobretudo na massa dos músculos gémeos, ou seja, na parte de trás da perna, e passam com um analgésico ou um anti-inflamatório adicionado a umas massagens locais («festinhas» dos pais, vagarosas) e um pouco de mimo. Esta «terapêutica» pode sugerir aos pais que a criança está a exagerar e a solicitar atenção, mas nunca se deve desvalorizar o quadro nem dizer à criança que «não dói nada». Dói e dói mesmo, aliás até a fazem acordar. Pode pedir-se à criança que flita ligeiramente as pernas e relaxe os pés. Se a dor for nas coxas, sentar-se no chão e esticar cada perna de sua vez pode ajudar, fletindo a outra por debaixo do rabo, muito lentamente. É importante estar atento a outros sinais e sintomas e, caso estes existam (coxear, etc.) ou se as dores não passarem com as pequenas medidas que mencionei, então será melhor levar a criança a ser observada pelo médico. Estas dores podem repetir-se durante alguns dias e ter depois um período livre mais ou menos grande, voltando por vezes a aparecer passado um tempo. A origem das dores de crescimento permanece obscura: provavelmente trata-se de uma mistura de causas, desde fenómenos psicossomáticos a estimulação cerebral durante o sono, cansaço muscular, crescimento ósseo. Ler Mais...
Oq e bom pra mal jeito na perna na caminhada | Para Pais.