Resultados para: "o que causa a bacteria do gogumelo"

Você está a ver alimentação , grávida e / ou outros itens relacionados com a sua pesquisa o que causa a bacteria do gogumelo. Encontre as melhores dicas para ajudar no desenvolvimento da sua gravidez. mulheres parindo dentro do hospital, ver parto normal ver tudo, cesaria inflamada por dentro, parto normal visto de frente, grávidas parindo parto normal, cesariana inflamada, gemeos escondidos barriga.

Lacticínios

Os alimentos que contêm leite, como o queijo e o iogurte, fornecem cálcio, que é essencial para ossos saudáveis. É importante que tome bastante cálcio antes e durante a gravidez. Evite os queijos cremosos não pasteurizados (como o Camembert, o Brie e o Chèvre) e os queijos azuis, pois podem conter uma bactéria prejudicial, a bactéria. Ler Mais...

Dentes pigmentados de preto

A chamada pigmentação cromo génica, que é o nome que tem esta coloração preta nos dentes, formando uma linha preta junto à gengiva, uniforme, em toda a roda dos dentes, por dentro e por fora, não tem nada a ver com a cárie. Todavia, muitas criaas são discriminadas e humilhadas por isso. Esta pigmentação deve-se a uma bactéria, chamada cromo génica, que forma esse pigmento nos dentes - e esta bactéria existe em algumas bocas e noutras não. Nãoabsolutamente nenhuma relação com cárie ou má higiene oral. O único problema desta pigmentação é a questão estética, mas curiosamente até parece haver uma relação entre esta pigmentação e um menor número de cáries nas criaas que a possuem, provavelmente por concorrência desta bactéria com as que causam a cárie. Esta pigmentação é difícil de remover em casa e, normalmente para o fazer é necessário ir ao médico dentista ou à higienista. Com a erupção dos dentes definitivos tende a desaparecer. Ler Mais...

Helicobacter

o cada vez mais os casos de criaas com infeção causada pelo Helicobacter pylori, um micróbio de que os pais ouvem falar com frequência crescente e que tem causado alguma apreensão - muitas das vezes porque uma ida rápida à Internet ou a outras fontes de informação científica mostram coisas queoo muito agradáveis de ler ou de ouvir. Mas há que ter calma e ver que as raridades são raridades e que tudo tem a sua frequência. O Helicobacter pylori é uma bactéria que causa doença digestiva, designadamente gastrite (inflamação ou infeção da parede do estômago), e também úlcera gástrica (aftas) no estômago ou no duodeno, que podem aprofundar-se e até perfurarem o estômago ou essa parte inicial do intestino delgado. Embora o H. pylori possa causar estas doenças, a maior parte das infeções causadas por ele são silenciosas e nãoo quaisquer sintomas. Todos podemos, pois, ter uma infeção pelo H. pylori. Quando a bactéria dá sintomas, então quer geralmente dizer que o estômago já está inflamado (gastrite) ou que já existem mesmo lesões de ulceração. Outra relação com a infeção crónica por esta bactéria tem sido o cancro do estômago (carcinomas e linfomas). Os sinais de infeção por esta bactériao dores na região do estômago (parte superior do abdómen, ao centro ou mais para o lado esquerdo), náuseas, azia e mais raramente vómitos, perda crónica de sangue nas fezes (pode nem se dar por isso, mas gerar anemia ao fim de um tempo). A dor é o sintoma mais frequente, e geralmente é moderada - algumas criaas descrevem como queimadura - e piora em jejum ou depois de ingestão de alimentos muito condimenta- dos ou alguns medicamentos (ibuprofeno, certos antibióticos). No caso de dores prolongadas, é conveniente referir a situação ao médico-assistente, para eventualmente realizar exames. Pelo sangue podem dosear-se os anticorpos contra a bactéria. Se forem positivos, e com sintomas clínicos evidentes, poderá haver a necessidade de realizar uma endoscopia para fazer biópsia do estômago (exame simples, efetuado nos serviços de gastroenterologia pediátricos) ou dosear o hidrogénio no ar expirado, outro método de deteção (embora identifique apenas a presença da bactéria, sem saber o grau de lesão). O tratamento é baseado num medicamento que diminui a produção de ácido do estômago, dois antibióticos, dieta muito fracionada ao longo do dia, sem agressores do estômago (alimentos ácidos ou gasosos, por exemplo) e antiácidos. Ler Mais...

As amigdalites

É muito comum, quando as adenoidites e «ranhos» começam a diminuir, por volta dos 3 anos de idade, o médico avisar: «Não é para ser desmancha-prazeres, mas dentro de uns meses vão começar as amigdalites...». E é um facto. As amigdalites podem aparecer em qualquer idade, mas são mais característica depois dos 4 anos, até à adolescência ou mesmo na idade adulta. Transmitem-se geralmente a partir de gotas de saliva («perdigotos»), espirros ou de infeções da pele causadas por uma bactéria chamada estreptococos. A escarlatina, tão temida pelos pais e que aparece em surtos, nos jardins-de-infância, é nem mais nem menos do que «uma amigdalite com pintas», causada também pelo estreptococo, mas por um tipo especial que tem uma substância que causa essas manchas na pele e é muito contagioso. Há vários tipos de amigdalites e de faringites, conforme o agente causador, e é conveniente fazer-se uma boa diferenciação entre elas porque pode correr-se o risco de, por exemplo, estar a dar-se antibióticos para amigdalites virais (desnecessários, pois), ou pelo contrário falhar o tratamento das amigdalites bacterianas com possíveis consequências graves, como a febre reumática ou a glomerulonefrite. E, ainda outra vertente do problema, infelizmente cada vez mais atual: a percentagem de bactérias resistentes aos antibióticos tradicionais não pára de aumentar, em parte pela má utilização destes medicamentos. É preciso, pois, que a amigdalite seja vista ou confirmada pelo médico. Muitas vezes é necessário mesmo fazer-se um exa- me do pus das amígdalas (exsudado amigdalino) para se perceber qual a bactéria presente e a que antibióticos é sensível. O antibiótico do vizinho, do irmão mais velho ou aquele utilizado noutras situações, mesmo que semelhantes, pode não ser o mais adequado. Ler Mais...

Adoro marisco e como com regularidade. Posso continuar a comê-lo durante a gravidez?

Comer marisco cru ou pouco cozido é um risco e deve ser evitado, pois pode conter vírus e bactérias prejudiciais. As ostras cruas podem trazer um vírus chamado Norovirus, o qual causa náuseas, dores abdominais e diarreia, e o marisco cru ou mal cozido pode conter hepatite A, um vírus que afecta o fígado. Contudo, comer camarões, lagosta, ostras, amêijoas, berbigão, vieiras ou caranguejo bem cozinhados, é hoje em dia considerado seguro, pois a temperatura mata qualquer bactéria ou vírus. Nutricionalmente, o marisco cozinhado é benéfico, pois é baixo em gordura, alto em proteínas e rico em minerais. Um camao ou uma lagosta bem cozinhados ficam vermelhos e com a carne opaca, branca e firme. As amêijoas, os mexilhões e as ostras abrem as conchas quando bem cozinhados - deite fora algum queo abra. Assegure-se de que compra marisco de confiaa. Ler Mais...
O que causa a bacteria do gogumelo | Para Pais.