Resultados para: "mulher amamento dois filhos"

Você está a ver leite , leite e / ou outros itens relacionados com a sua pesquisa mulher amamento dois filhos. Encontre as melhores dicas para ajudar no desenvolvimento da sua gravidez. mulheres parindo dentro do hospital, ver parto normal ver tudo, cesaria inflamada por dentro, parto normal visto de frente, grávidas parindo parto normal, cesariana inflamada, gemeos escondidos barriga.

Vamos ter trigémeos. Socorro! A minha mulher está nas nuvens mas eu sinto-me atordoado. Onde podemos obter aconselhamento?

Como ter trigémeos é relativamente raro - só houve 38 partos de trigémeos em Portugal em 2005 - a maioria das informações e apoio diz respeito a 2 gémeos. Contudo, tem havido cada vez mais pesquisas para saber como ajudar e apoiar os pais que vão ter mais de dois filhos. A sua parteira e o seu obstetra serão óptimas fontes de informação e serão capazes de a pôr em contacto com outros pais de gémeos múltiplos. Há também várias organizações que oferecem apoio e informação aos pais de gémeos múltiplos. Conforme você e a sua mulher forem aprendendo mais sobre trigémeos, esperamos que a vossa ansiedade comece a diminuir. Ler Mais...

Vou aumentar mais de peso do que uma grávida que só está à espera de um bebé?

As mães grávidas de gémeos, dois ou mais, deverão ganhar mais peso do que as mulheres que vão ter só um bebé. Sem dúvida que, no primeiro trimestre, um aumento rápido de peso pode ser um indicador de uma gravidez múltipla. O aumento do volume de sangue e o tamanho do útero assim como o peso de cada bebé, possivelmente duas placentas e o líquido amniótico para cada bebé, darão continuidade a este padrão de maior aumento de peso durante a gravidez. Embora em média uma mulher com uma gravidez múltipla deva aumentar cerca de 10 kg a mais do que uma mulher que tem só um bebé, isso não é aumentar o dobro. Se estiver grávida de dois gémeos, deverá aumentar as calorias a ingerir para 500 calorias por dia só no último trimestre em comparação com as 200 calorias a mais para uma gravidez simples. Ler Mais...

Alimentação do bebé

Dar ou não de mamar? Mamíferos. Comecemos por aí. A espécie humana, à semelhança de outros animais, integra a classe dos mamíferos, que têm como característica principal alimentarem-se de leite materno quando pequenos. É isto que define os mamíferos. E não nos devemos envergonhar da nossa condição. Se o aleitamento materno é melhor quer para o bebé quer para a mãe, se é mais prático, económico, vantajoso, universal, fisiológico, natural... então porquê gastar tanto tempo a falar do assunto? Não deveria corresponder a uma prática normal que ninguém, em princípio, se atreveria a questionar? Só que as coisas complexas não são fáceis, como diria La Palice, e o tema tem bastante mais que se lhe diga. O que é ver- dade é que, contra todas as evidências e argumentos científicos, as taxas de amamento materno ainda ficam aquém do que seria desejável... e também não é por acaso que, apesar de praticamente todas as mulheres saberem (e afirmarem) que o leite materno é o melhor para os seus filhos, expressando o desejo de amamentar, ou de 95% das mães saírem das maternidades portuguesas com esta prática, pelo menos em regime misto, o aleitamento materno sofre um rápido declínio ao fim de alguns dias ou semanas, atingindo valores francamente baixos no final do terceiro mês altura em que as mães ainda nem retomaram o trabalho. A retoma do emprego afinal, contra o que seria de esperar, pouco influencia as taxas de amamentação. Feita a introdução voltamos à pergunta inicial: Dar ou não de mamar? Ora, cada mulher saberá o que quer fazer, mas também o que pode, dentro das várias circunstâncias, limitações, dificuldades e obstáculos da sua vida. Uma coisa é certa e deve ser deixada bem claro: nenhuma mãe se pode sentir obrigada a dar de mamar. Ler Mais...

Áreas complicadas

Há áreas eventualmente problemáticas, como diferenças quanto aos conceitos de educação, de escolhas de tipo de vida, até coisas comezinhas como a escolha do médico ou a opção pela escola pública ou privada. E estes problemas aumentam numa altura em que os casais se separam e as crianças (felizmente) convivem mais e mais com os dois pais e não apenas com a mãe. O novo sistema de guarda conjunta e de poder paternal dividido, bem como a tendência crescente para bom entendimento em relação aos filhos, faz com que essa «cumplicidade» entre o ex-marido e a ex-mulher se mantenha, mesmo que «engolindo sapos» todos os dias, e esta é uma situação que pode criar uma sensação de outsider nos recém-chegados a este processo. Sobretudo quando, para estes, o ideal seria se calhar um corte absoluto do novo cônjuge com o passado. Mas existindo filhos, isso não poderá nunca acontecer, nem é desejável que aconteça. Ler Mais...

A minha mulher quer fazer tudo sozinha – agora a minha mãe está ofendida. Como a posso ajudar a relaxar?

Muitas novas mães sentem-se assim, portanto a sua situação não é invulgar. Talvez a sua mulher sinta que deverá ser capaz de fazer tudo sozinha e ache que aceitar ajuda seja admitir uma derrota e que está a falhar no seu novo papel como mãe. Assegure-lhe que é uma ótima mãe e faça-lhe ver que há pessoas que querem ajudar e que ela também beneficiará se tiver algum tempo para relaxar. Explique à sua mãe como a sua mulher se está a sentir e tranquilize-a também, pois é provável que ela julgue que as suas ofertas de ajuda não são apreciadas. Talvez a sua mãe possa perguntar à sua mulher em que é que poderá ajudar. Por exemplo, provavelmente ela adoraria ter alguém que a ajudasse a lavar a roupa, a limpar o pó ou a passar a ferro. Ou poderá ficar contente se a sua mãe levar o bebé a dar um passeio para que ela possa tomar um banho ou descansar. Ler Mais...

Como é que o hospital verifica o meu progresso?

Uma parteira experiente pode dizer muito sobre o seu trabalho de parto simplesmente olhando para si e observando o seu comportamento. Por exemplo, uma mulher que conversa alegremente entre cada contração, o mais certo é ainda não estar em trabalho de parto bem confirmado. Uma mulher que está em trabalho de parto confirmado e começa a ficar irrequieta e com náuseas pode estar na fase de transição, aproximando-se da segunda fase do trabalho de parto. Outra forma pela qual a sua parteira avaliará o seu progresso é apalpando a sua barriga para verificar a força das contrações e sentindo também a posição da cabeça do bebé na sua pélvis. Um exame interno também revela muito sobre o progresso do seu trabalho de parto. Ao colocar dois dedos dentro da vagina, a parteira ou o médico podem sentir quanto o colo do útero está a dilatar, e se a cabeça do bebé está a descer e em que posição se encontra. Ler Mais...
Mulher amamento dois filhos | Para Pais.