Resultados para: "micose umbigo"

Você está a ver bebé , alimentação e / ou outros itens relacionados com a sua pesquisa micose umbigo. Encontre as melhores dicas para ajudar no desenvolvimento da sua gravidez. mulheres parindo dentro do hospital, cesaria inflamada por dentro, gemeos escondidos barriga, cesaria inflamada, cesariana inflamada, colo do utero dilatado fotos, bucentinha infantil.

Tratamento do umbigo

O cordão umbilical é cortado logo após o nascimento da criança. A parte que fica agarrada ao umbigo acabará por secar e cair, passados 4 a 10 dias, muitas vezes antes da mãe e o filho saírem da clínica. Se isto não acontecer deve tratar de curá-lo o mais rapidamente possível. Aplique álcool diariamente, cubra com uma compressa de gaze c ponha uma ligadura em volta, que não deverá ficar muito apertada. Nada de receios: a Parteira ou a enfermeira poderão explicar-lhe como se procede. A fralda não deverá nunca chegar à ligadura para que a urina não atinja a ferida. Se, dentro de 12 a 14 dias, o umbigo não estiver curado deve consultar o Pediatra. Ler Mais...

O que devo fazer com o piercing do meu umbigo?

Se está grávida e tem um piercing no umbigo, a sua parteira decerto recomendará que retire qualquer peça de metal do seu umbigo durante a gravidez. Algumas mulheres seguem este conselho, mas muitas mulheres não querem arriscar retirar o seu piercing e ter de voltar a colocá-lo depois o bebé nascer, portanto tentam continuar a usar o acessório no umbigo durante a gravidez. Você pode usar um acessório chamado retainer. Devido à popularidade dos piercings no corpo, este foi produzido para ajudar as mulheres grávidas a manterem os seus piercings conforme a sua silhueta vai mudando. São feitos de uma substância macia e flexível chamada PTTE (politetrafluoretileno), em diversas famas, e tem duas bolas acrílicas atarrachadas nas pontas. Há uma grande variedade de tamanhos e estilos para as mulheres escolherem. Como regra geral, deverá escolher um retainer que seja pelo menos 4 mm mais comprido do que o tamanho do acessório que costumava usar. No entanto, como pode imaginar, cada barriga é diferente e sem dúvida irá mudar de tamanho com o progredir da gravidez. O factor importante é que o seu retainer nunca belisque a sua pele - se sentir que o seu retainer lhe está a causar desconforto, então compre um tamanho maior. Ler Mais...

Micose das fraldas

Nas crianças que ainda usam fralda, é vulgar aparecer lesões de vermelhidão intensa e «assadura», com distribuição em «borboleta», na região genital e anal, podendo causar ferida e até sangrar. Estas lesões devem-se à infeção por fungos, geralmente na sequência de irritação, para a qual vários fatores podem contribuir: fricção e maceração, alergia às fraldas, contacto prolongado com a urina ou as fezes (escassa mudança de fraldas), alergia aos cremes ou ao sabonete e produtos de limpeza. Além das pomadas com vitamina A e óxido de zinco, é necessário colocar também uma pomada com antifúngico, para lá de mudar as fraldas com maior frequência e lavar suavemente com água tépida e sabão neutro. A medida mais eficaz seria deixar as crianças de «rabo ao léu», dado que o ambiente escuro, húmido e quente das fraldas favorece o crescimento dos fungos. No entanto, esta medida é infelizmente inviável na maior parte do ano e dos contextos. Ler Mais...

Limpar o nariz

O nariz do bebé é extremamente sensível. Vem preparado para um ar que não é o nosso (sem poluição, com temperaturas e humidade naturais, sem ares condicionados e aquecimentos... enfim, uma realidade de há muitos milhares de anos...), e por isso, até se adaptar, fica inflamado e com secreções. Todos os bebés passam por isto. Deve ter-se muito cuidado ao limpar o nariz do bebé. O nariz é um órgão muito vascularizado, porque uma das suas funções é assegurar um aquecimento do ar, mesmo nos dias frios. As paredes do nariz são formadas por ossos, os cornetos, que são autênticos aquecedores de resistência. É por isso que, quando fazemos um traumatismo nasal, mesmo que pequeno, sangramos logo e o nariz incha. Se se magoar as narinas do bebé com cotonetes ou aspiradores de sucção (que fazem «chupões»), passados alguns minutos em que parece que as coisas melhoram, as narinas vão ficar mais entupidas e o bebé respirará pior, além de se encher de ar quando mama, aumentando os soluços e cólicas. Deve-se utilizar soro fisiológico e, quanto muito, para aquelas secreções que estão mesmo à belinha, pode-se encostar um cotonete e fazer movimentos lentos, circulatórios, para as apanhar. Devagarinho. E nada mais...

A questão do umbigo

O umbigo é um local do corpo com um significado muito especial na representação humana, física e mental, por ser a prova da ligação intima e biológica, entre a mãe e o filho, a qual se traduz por uma relação de enorme dependência - por isso se utiliza a frase cortar o cordão umbilical», não apenas para o ato concreto em si, durante o parto, mas para todas as situações em que alguém, que depende de outrem ou de qualquer contexto, decide autonomizar-se dessa ligação. É pelo cordão umbilical que o embrião e o feto se alimentam. Quando o bebé nasce há que cortar o cordão para que o cérebro do bebé sinta a falta de oxigénio e ordene a expansão dos pulmões - é o primeiro choro do bebé. Os choros seguintes servirão para continuar a expandir os pulmões. O cordão umbilical é composto por três vasos sanguíneos, e depois de cortado é clampado com uma espécie de mola, para que não saia sangue. Com o tempo, o resto do cordão sofre um processo de -necrose asséptica», ou seja, morre sem se infecta. É por isso que perde aquele aspeto «gordo» e azulado, e começa a ficar preto e seco. O dia em que o umbigo cai é muito variável - mas geralmente é entre o 5.° e o 10.° dia, podendo contudo ser mais cedo ou mais tarde sem que isso tenha qualquer significa do patológico. Quando o cordão umbilical cai fica a sua cicatriz, a que chamamos umbigo.

«Os cuidados a ter com o cordão resumem-se a deixa-lo sacar e a evitar a infeção.»

Atualmente pensa-se que a melhor maneira de evitar a contaminação e infeção bacteriana é deixar o cordão ao ar (não o tapar nem enfaixar), lavá-lo desde o primeiro dia (banho total) e aplicar álcool a 70°. Por vezes recomenda-se a aplicação de um anti-séptico. Quando o cordão cai, pode sair um pouco de sangue, durante uns dias, pelo umbigo - não há problema, desde que seja apenas uma pequena quantidade. O umbigo não fica logo com o aspeto definitivo - podem existir hérnias que geralmente se reduzem ao fim do primeiro ano, e podem ficar manchas acastanhadas que desaparecem com os meses. Ler Mais...

Linguagem

Para além de tudo o que está referido no capítulo da linguagem, vale a pena sublinhar, neste resumo das competências da criança, o que os adultos por vezes classificam de «egoísmo», mas que não tem a ver com o que moralmente existe nesta classificação, mas sim com a não distinção entre o próprio e os outros, o pessoal e o social, o subjetivo e o objetivo. O discurso serve para acertar o mundo segundo a bitola do próprio, dando-lhe o toque pessoal, mesmo com deturpação dos factos, e colocando-o no umbigo do mundo, o que o securiza e ainda está inferente à omnipotência em que viveu. Ler Mais...

Hérnias

Uma hérnia é uma saliência, arredondada, que resulta quando um tecido subcutâneo é fraco, permitindo ao órgão subjacente que saia um pouco através desse espaço. Para além do efeito estético, o grande problema das hérnias (sobretudo as inguinais) é poderem estrangular, ou seja, o intestino sai pela parede enfraquecida, mas depois tem dificuldade em regredir, sobretudo se o anel da hérnia estiver fibroso e duro. Neste caso, o intestino fica apertado e pode necrosar e causar uma emergência médica, com rápida deterioração do estado geral. As hérnias mais frequentes são as umbilicais e as da linha branca (por cima do umbigo) e as inguinais, que migram para dentro do escroto, seguindo o caminho normal do testículo. À medida que a criança cresce, a pressão abdominal desce (por menos episódios de choro e menos gases intestinais) e a hérnia começa geralmente a ficar pequena, desaparecendo na maioria dos casos. As hérnias de linha branca são por vezes compridas e apresentam-se como uma protuberância alongada, para cima do umbigo. Diminuem e desaparecem com a tonificação dos músculos da barriga. As hérnias inguinais podem ser mais complicadas. O primeiro sintoma costuma ser um alto, que os pais confundem amiúde com um gânglio, na região interior da coxa. É duro, pode causar dor, e colocando o dedo sente-se se a criança tossir. Por vezes é possível empurrar para dentro e ouve-se um som de gorgolejo. As hérnias têm tendência a sair quando a criança faz esforço (obstipação, birra, gases, choro intenso). Perante o achado de uma hérnia, é conveniente consultar um cirurgião pediatra, para ter um ponto de partida para encarar eventual correção cirúrgica. As hérnias umbilicais nunca estrangulam e a sua correção faz-se pelos 5 anos, e apenas por razões estéticas. Ler Mais...
Micose umbigo | Para Pais.