Resultados para: "fotos de placentas deslocadas"

Você está a ver gravidez , gravidez e / ou outros itens relacionados com a sua pesquisa fotos de placentas deslocadas. Encontre as melhores dicas para ajudar no desenvolvimento da sua gravidez. mulheres parindo dentro do hospital, cesaria inflamada por dentro, ver parto normal ver tudo, parto normal visto de frente, grávidas parindo parto normal, cesariana inflamada, gemeos escondidos barriga.

Poderei saber antes do parto se eles são idênticos?

O termo determinação da zigotia significa descobrir se os gémeos são idênticos (monozigóticos) ou não idênticos (dizigóticos ou falsos gémeos). É natural que os pais queiram saber tudo sobre os seus bebés e com os gémeos isso inclui a sua zigotia. Além das razões de curiosidade natural, saber se os gémeos são idênticos pode ajudar os pais a determinar a possibilidade de voltar a ter uma gravidez múltipla e também tem implicações nos cuidados durante a gravidez, pois os gémeos idênticos, em especial se partilharem a placenta, correm maior risco e assim a gravidez deverá ser monitorizada mais de perto. Em dois terços dos casos, a placenta fornece a resposta se os gémeos são idênticos. Se os bebés tiverem um único saco amniótico rodeado por uma membrana exterior de protecção chamada córion, são monozigóticos. Contudo, um terço dos gémeos idênticos cujo ovo se dividiu cedo antes de a placenta se começar a formar, tem dois córions e pode ter uma placenta fundida em que duas placentas crescem juntas ou duas placentas separadas. Estas placentas são difíceis de distinguir das dos gémeos dizigóticos. Ler Mais...

Vou aumentar mais de peso do que uma grávida que só está à espera de um bebé?

As mães grávidas de gémeos, dois ou mais, deverão ganhar mais peso do que as mulheres que vão ter só um bebé. Sem dúvida que, no primeiro trimestre, um aumento rápido de peso pode ser um indicador de uma gravidez múltipla. O aumento do volume de sangue e o tamanho do útero assim como o peso de cada bebé, possivelmente duas placentas e o líquido amniótico para cada bebé, darão continuidade a este padrão de maior aumento de peso durante a gravidez. Embora em média uma mulher com uma gravidez múltipla deva aumentar cerca de 10 kg a mais do que uma mulher que tem só um bebé, isso não é aumentar o dobro. Se estiver grávida de dois gémeos, deverá aumentar as calorias a ingerir para 500 calorias por dia só no último trimestre em comparação com as 200 calorias a mais para uma gravidez simples. Ler Mais...

Disseram-me que um bebé não está a desenvolver-se tão bem como o outro. O que é que os médicos farão?

Embora seja comum os gémeos crescerem a uma proporção diferente no útero, se houver uma diferença significativa no tamanho de um dos gémeos ele pode estar a receber mais nutrientes do que o outro. É importante verificar se os bebés se estão a desenvolver de acordo com a idade gestacional. Não é anormal alguns bebés crescerem lentamente e acelerarem o desenvolvimento mais tarde, o que não é problema se estiverem dentro dos níveis de crescimento para a idade gestacional Contudo, se a parteira ou o médico estiverem preocupados com o desenvolvimento de um dos bebés, é provável que a enviem a um especialista de medicina fetal: um obstetra com treino adicional em tratamento de bebés por nascer. Ele poderá fazer análises ao sangue fetal e uma ecografia para avaliar o crescimento de cada bebé e investigar a causa da diferença. Pode continuar a fazer ecografias adicionais, conhecidas por ecografias de crescimento, as quais ajudam o médico a avaliar se um dos bebés é pequeno ou está a crescer lentamente. Estas, em geral, começam pelas 26-28 semanas e continuam cada 2-4 semanas até os seus bebés estarem prontos para o parto. Observam várias áreas, incluindo as medidas da cabeça, do abdómen e do fémur, a quantidade de líquido amniótico que envolve os bebés, o nível de actividade dos bebés, o fluxo de sangue no cordão umbilical, e a posição das placentas. O seu médico deverá explicar o que encontra nas ecografias e se houver qualquer preocupação você será cuidadosamente monitorizada. Ler Mais...

Gémeos

O fenómeno «gémeos»* e o estudo da gemelaridade sempre foi um motivo de interesse para a humanidade, tendo assumido, nos últimos anos, um grande desenvolvimento. Calcula-se que existam no mundo cerca de 125 milhões de gémeos. Entre eles, os filhos de Madeleine Albright, Muahammad Ali, Ingrid Bergman, George W. Bush, Robert de Niro, Ricky Nelson, Pele, Mia Farrow, Michael J. Fox, Mel Gibson, James Stewart, Denzel Washington ou Margaret Thatcher, entre outros. E o «Rei», Élvis FVesley, tinha um gémeo, mas morreu à nascença - tinha que ser, até porque «rei há só um», claro. Talvez não saiba que existe uma ciência chamada «gemeologia» e que a palavra «criptofasia» se refere à linguagem desenvolvida pelos gémeos, para comunicação exclusiva entre eles e que só eles compreendem. A incidência de partos múltiplos aumenta de acordo com factores familiares, mas supostamente apenas nos chamados «gémeos irmãos» ou «falsos» (heterozigóticos) e não nos «gémeos idênticos» ou «verdadeiros» (homozigóticos), ao contrário do que se poderia à primeira vista pensar. Mas esta aparente falta de lógica comprende-se bem, se não, reparem: os gémeos verdadeiros aparecem pelo seguinte fenómeno: um óvulo fecundado por um espermatozóide separa-se duas vezes, logo no início das divisões celulares, dando origem a dois seres perfeitamente iguais em termos de material genético. São os gémeos verdadeiros, iguais, e que têm uma composição genética igual, embora o ambiente intra e extra-uterino possam fazer com que não sejam fisicamente «fotocópias»* exactas. Este fenómeno é muito raro e episódico ou seja, pode acontecer a qualquer pessoa e a tendência para ele acontecer não depende de factores hereditários. Assim, os gémeos «verdadeiros*», ou «iguais», podem surgir em qualquer gravidez de qualquer pessoa. Outra coisa é a ovulação dupla que faz com que, no mesmo ciclo menstrual, se libertem dois óvulos que serão fecundados por dois espermatozóides diferentes. Assim, formam-se dois bebés, com dois sacos amnióticos («bolsa de águas»), e duas placentas, embora possa haver fusão das placentas e, na altura do parto, surgir uma só, como no caso dos gémeos «verdadeiros». Mas o que acontece aqui é gerarem-se duas crianças «de uma vez só» - são geneticamente como irmãos, e tal como irmãos podem ser mais ou menos parecidos fisicamente. O facto de terem a mesma idade e o mesmo tamanho (e estarem frequentemente vestidos de igual) faz com que a tendência para os achar parecidos seja maior, quando estão lado a lado. Mas é mais uma ilusão. O material genético que carregam tem as semelhanças de qualquer outro par de irmãos. E a única coisa comum é terem vivido «debaixo do mesmo tecto» durante nove meses, nesse «TO» chamado útero. Como a tendência para ovulação dupla é hereditária, isso explica as famílias com altíssimas incidências de gravidezes gemelares espontâneas (não estamos a falar das gravidezes induzidas por fertilização in vitro (FIV) ou outras formas de assistência). Essa herança «para ter gémeos»» interessa se for da parte da família da mãe dos bebés, mas para chegar a esta pode vir da família da sua própria mãe ou do seu próprio pai. Por vezes há mulheres que têm gémeos em ambas as famílias - a probabilidade aumenta muito. O facto de o pai do bebé atual ter gémeos na família não altera muito as coisas. Por sua vez, uma mulher que seja, ela própria, gémea falsa (heterozigótica), tem uma probabilidade cinco vezes maior de ter gémeos. Por outro lado, parece não se confirmar a noção de que a gemelaridade «salte»» uma geração. E depois de ter gémeos falsos, a probabilidade de ter novamente gémeos numa próxima gravidez é superior a 30%... o que já representa, pelo menos, um «arrepio na espinha»»... Ler Mais...

Perguntas e Respostas sobre Brincar

Quando é que um bebé começa a brincar? A atividade lúdica faz parte da vida, tal como dormir, comer, rir e chorar. Mais: brincar é um fim em si próprio e não apenas um meio para se atingir qualquer outro objetivo. Brinca-se porque se brinca. Tão simples como isto. A atividade lúdica, muito associada ao prazer, à tranquilidade, à criatividade e à descoberta. Logo, e para responder à pergunta: brinca-se desde que nascemos. Um bebé de meses brinca com o corpo, as mãos, os pés, bate palminhas, deita a língua de fora, mais tarde brinca com as rocas, os peluches ou os cubos de montar. Como posso brincar com o meu bebé? Não basta pegar em brinquedos e dar ao bebé para que este se sinta feliz. Pelo contrário, vai sentir-se, frustrado e infeliz. Os bebés precisam de aprender a brincar sozinhos e fazem-no enquanto o brinquedo permite exploração e descoberta, mas logo esgotam as suas possibilidades individuais e precisam de quem lhes aponte mais soluções para o objeto ou para o jogo. É por isso que brincar com uma criança é estar com essa criança, física e mentalmente. O tempo que passamos com os nossos filhos é fundamental. Que brinquedos devo comprar? Um conselho, não comprem brinquedos em demasia. Vai baralhar o bebé, porque terá mais dificuldade em se concentrar num, estudá-lo e explorá-lo, e acaba por ser um gasto inútil de dinheiro, para além do péssimo hábito de desperdício e de abundância materialista. Deve dar uma maior atenção ao valor ludo-pedagógico do brinquedo e confirmar que está adequado à idade da criança, tente perceber o que ela realmente gosta. Os brinquedos mais caros são os melhores? Não é pelo preço que se deve guiar mas sim pelo interesse que o brinquedo terá para o bebé. Para além disso o mais importante é ver se o brinquedo é seguro. Por exemplo, o urso de peluche tem olhos ou um nariz que sai ao primeiro puxão podendo ir para a boca do bebé? O meu bebé deve ver televisão? A televisão é a eterna questão polémica! Definitivamente antes de um ano a resposta é não, porque o bebé não tem capacidade para seguir atentamente uma história, porque não tem capacidade de seguir a velocidade da mudança de imagens, nem tem memórias que lhe permitam ver «metade» e intuir o resto. Ler Mais...

E as amas…

As amas são uma solução cada vez mais frequente. Existem vários tipos de amas e é difícil dizer se colocar uma criança numa ama é bom ou é mau. Tudo depende. E tudo depende de vários fatores: espaço da casa, limpeza, segurança, riscos, número de crianças e respectivas idades, pessoas que ajudam, características da ama e motivações (faz o que faz por dinheiro ou por gostar de crianças, tem ou não paciência para os aspectos mais maçadores de tomar conta de uma criança, etc). Existem amas que são verdadeiras mães, existem outras que são de fugir a sete pés. A colocação em amas deverá obedecer a várias regras, e será bom que a ama esteja registada na segurança social pois isso implica um número limitado de crianças e respeito pelas referidas regras, que vão da higiene aos espaços, presença de animais, etc. além de que algumas redes de amas fazem cursos e actualizações sobre puericultura que embora não sejam uma garantia em muito ajudam à credibilidade das amas. Um estudo efetuado em Portugal, no qual participei, mostrou que era indiferente a frequência de ama ou de infantário na socialização e bem-estar da criança, dependendo o sucesso ou insucesso da qualidade do serviço prestado. Se a ama é competente e afetuosa o bebé fica bem entregue. Cabe aos pais fazerem essa vigilância (aliás, como em relação às outras instituições e hipóteses) sem pensarem que têm o problema resolvido para sempre mal entregam a criança. Ler Mais...
Fotos de placentas deslocadas | Para Pais.