Resultados para: "depois da cesaria fiquei com dor no osso do anus"

Você está a ver gravidez , grávida e / ou outros itens relacionados com a sua pesquisa depois da cesaria fiquei com dor no osso do anus. Encontre as melhores dicas para ajudar no desenvolvimento da sua gravidez. mulheres parindo dentro do hospital, ver parto normal ver tudo, cesaria inflamada por dentro, parto normal visto de frente, grávidas parindo parto normal, cesariana inflamada, gemeos escondidos barriga.

Fiquei com hemorroidas no fim da gravidez – agora que o bebé nasceu desaparecerão?

As hemorroidas são veias inchadas dentro ou à volta do ânus. São muito comuns na gravidez e depois do parto devido ao peso e à pressão da cabeça do bebé. Muitas mulheres descobrem que as hemorroidas desaparecem um mês depois de dar à luz, embora uma pequena minoria de mulheres não seja tão afortunada e precise de discutir opções de tratamento com o médico. Entretanto, se achar que as hemorroidas são muito desconfortáveis ou causam irritação, há algumas coisas que pode tentar. Aplicar um penso frio na zona pode acalmar (pode fazer o seu próprio penso congelando uma toalha molhada dobrada); o seu médico ou farmacêutico poderão indicar-lhe um creme para aliviar o desconforto. Também deverá evitar a prisão de ventre pois o esforço de ir à casa de banho piora as hemorroidas, portanto beba muita água e coma muita fruta e legumes frescos assim como cereais integrais. Ler Mais...

Tive um parto longo e receio que a minha vagina tenha alargado. Voltarei ao normal?

Tente não se preocupar, embora de início possa notar alterações no seu corpo em resultado da gravidez e parto: lembre-se de que o corpo de uma mulher está preparado para dar à luz e para depois voltar ao normal. Para ajudar os músculos à volta da vagina a apertarem depois do parto, faça os exercícios para o pavimento pélvico que fez na gravidez. Para isso tem de identificar os músculos que precisa de exercitar apertando os músculos à volta da vagina e do ânus contraindo como se estivesse a travar a urina e gases ao mesmo tempo. Deverá praticar cinco ou seis vezes de cada vez, várias vezes ao dia. Se de início não conseguir manter os músculos apertados durante 5 segundos faça o que conseguir e continue a praticar. Também pode tentar contrações mais rápidas apertando e elevando os músculos do pavimento pélvico rapidamente e mantendo-as durante um segundo; depois relaxe um momento e repita. Ler Mais...

O que é observado?

O técnico começa por verificar o batimento cardíaco do feto e depois conta os bebés - por vezes os gémeos não se revelam antes das 20 semanas! Medirá o perímetro cefálico e o diâmetro (diâmetro biparietal), a circunferência abdominal e o fémur (o osso da coxa) para datar a gravidez e assegurar-se de que o bebé está a crescer bem. Procurará anomalias no cérebro, face e lábios, espinha, abdómen, coração, estômago, rins, bexiga, mãos e pés. Por último, examinará a placenta, o cordão umbilical e o líquido amniótico. Poderá ser possível saber o sexo do bebé, embora você possa pedir para não lhe darem essa informação. Ler Mais...

Conselho sobre concussão craniana

Se a criança se mantiver inconsciente, tiver uma pupila ocular maior do que a outra, convulsões, fala entaramelada e incompreensível, agitação, confusão ou se não houver melhoria de sinais menos graves, é necessário levá-la o mais depressa possível a um serviço de urgência. Os traumatismos cranianos podem ser externos (não ultrapassando o osso - é o chamado «partir a cabeça»), ou os internos, que envolvem o osso, os vasos sanguíneos intracranianos ou o cérebro. A vasta maioria são externos, sendo mais assustadores do que graves, apesar de poderem sangrar profusamente ou fazer um grande «galo- ou «ovo- na testa da criança, o que não é de mau prenúncio, porque significa que pelo menos parte da energia do impacto ficou cá fora, tendo menos probabilidades de lesar as estruturas internas do cérebro. Não se deve, pois, dramatizar as pequenas «cabeçadas», nem exigir exames radiográficos a torto e a direito. Mas nem oito nem oitenta, ou seja, se uma chança fizer um traumatismo craniano com alguma dos sintomas de gravidade que mencionei, deverá ser sujeita a uma observação rigorosa, mesmo que continue a fazer a sua vida normal, porque só passados uns dias se pode ter a certeza da existência de alguma complicação. Ler Mais...

Serei rasgada quando o bebé sair?

Algumas mulheres rasgam um pouco durante o nascimento dos seus bebés. Infelizmente, é impossível dizer se você irá rasgar ou não até ao preciso momento do parto. Alguns rasgões só atingem a pele e não precisam de pontos. Contudo, outros podem envolver a pele e os músculos por baixo dela e o canal vaginal e isso irá necessitar de pontos. Os pontos serão dados por uma parteira ou um médico experientes depois de lhe ser dada uma injeção de anestesia local. Há algumas provas que indicam que se massajar o períneo, que é a área entre a vagina e o ânus, durante a fase mais adiantada da gravidez pode ajudar a evitar rasgões. Permitir que a cabeça do bebé saia lentamente também pode ajudar a evitar rasgões. Ler Mais...

Traumatismos dentários

Sempre que ocorrer um traumatismo na boca da criança, os pais devem contatar o médico dentista da criança. Nestas idades (1 aos 5 anos) é muito comum a criança cair e bater com a face, aumentando o risco de lesionar os dentes da frente e o lábio. A preocupação destes traumatismos é não só o estado do dente de leite mas, principalmente, o dente permanente que, apesar de não estar ainda à vista, está «guardado» no osso em formação. O médico dentista realizará uma radiografia local dos dentes afetados para poder fazer um controlo da situação, tanto do dente de leite como do dente permanente que não está visível na boca. Os pais devem passar a boca da criança com água ou algum bochecho antisséptico oral e colocar gelo na região exterior para reduzir o inchaço (bochechas ou lábios). Se o dente se fraturou, o fragmento deve ser leva- do para o consultório. Se o dente é permanente e saiu completamente do sítio, deve ser lavado com água (só lavar, nunca esfregar) e, se possível, de ser recolocado no seu lugar gentilmente e segurado com uma faze até se chegar ao dentista. Se não for possível ou não se conseguir recoloca-lo, o dente deve ser guardado em leite, saliva ou soro fisiológico. O sucesso da recolocação depende da rapidez do tratamento. Quanto mais tempo o dente ficar de fora do osso, maior o risco de insucesso. Depois de um traumatismo, o dente afetado necessita de um controlo apertado pois, por vezes, as consequências do trauma são tardias (até meses depois) e podem ser dor, infeção (abcesso ou fístula) ou alteração da coloração. Estas consequências podem ser graves e prejudicar os dentes permanentes. O dente pode ficar amarelado (normalmente não tem sintomas é apenas uma reação do dente ao traumatismo que calcifica). Pode surgir uma coloração acinzentada que indica que ocorreu necrose e o dente perde a vitalidade (se houver sintomas associados pode ser necessário tratar o dente). Ler Mais...
Depois da cesaria fiquei com dor no osso do anus | Para Pais.