Resultados para: "crianca q fica fungando deireto"

Você está a ver bebé , leite e / ou outros itens relacionados com a sua pesquisa crianca q fica fungando deireto. Encontre as melhores dicas para ajudar no desenvolvimento da sua gravidez. mulheres parindo dentro do hospital, cesaria inflamada por dentro, ver parto normal ver tudo, parto normal visto de frente, grávidas parindo parto normal, cesariana inflamada, gemeos escondidos barriga.

A Cabeça

Na cabeça avaliam-se os ossos e a fontanela, uma zona que causa sempre alguma impressão aos pais, mas que «não se parte». A fontanela anterior é o espaço que fica entre os ossos frontal e parietais (podendo existir uma fontanela posterior entre os parietais e o occipital) e o facto de os ossos terem esse espaço entre eles permite à cabeça crescer, em virtude do crescimento do cérebro. Muitas vezes a fontanela pulsa e isso é normal. A fontanela é um bom local de observação de doenças, como por exemplo a desidratação (fica deprimida) ou a meningite (fica saliente e tensa). Na cabeça, e resultantes do parto, especialmente quando é demorado e traumático (por exemplo no uso de ventosa), podem ver-se Céfalo-hematomas, que são zonas salientes, moles, e que correspondem a bolsas de sangue, ou o chamado caput sucedâneo, que é uma zona de inchaço, mais ampla, de edema (líquidos, pelo efeito de sucção e de vácuo durante o parto). Podem também existir, sem significado patológico, cavalgamentos dos vários ossos da cabeça. Por vezes, o formato da cabeça é assimétrico, pois é muito influenciado pela posição em que esteve in útero, ou se esteve encostado, por exemplo, a um osso da mãe.

Ler Mais...

Pitiríase

A pitiríase versicolor é uma infeção causada por um fungo, que dá à pele uma descoloração branca ou acinzentada. Nota-se mais depois do Verão, dado que a restante pele fica bronzeada, sobressaindo mais as zonas afetadas, em manchas por vezes grandes. Não costuma dar sintomas como comichão ou dor, e o diagnóstico é pelo aspeto das manchas. Deve aplicar-se um antifúngico e um preparado como um champô anticaspa, com selénio, durante 3 a 4 noites. Como a pele fica descolorada, o aspeto mantém-se mesmo depois do tratamento, podendo ficar assim durante alguns meses ou mesmo anos, «piorando» no Verão, pelas razões acima referidas, e quase desaparecendo no Inverno. Ler Mais...

Aquecer demasiado os alimentos…

Quanto ao outro tipo de queimaduras, resultante do sobreaquecimento dos alimentos, tem aumentado paralelamente à crescente utilização dos fornos de micro-ondas. Há casos típicos que vale a pena referir:
  • o biberão: o vidro fica morno e a pessoa que administra o biberão pega-lhe, sente a temperatura exterior e esquece-se de verificar a temperatura do leite - a criança, geralmente esfomeada, abre a boca e mama com vontade: queima a língua e a mucosa oral e laríngea, por vezes de modo grave e extenso;
  • a papa ou o puré de legumes: o aquecimento não é homogéneo e alguns bocados ficam muito quentes, enquanto outros quase frios. Se não houver o cuidado de mexer muito bem a papa para misturar o seu conteúdo, a criança pode queimar-se;
  • alimentos que têm uma parte sólida e uma parte líquida. Exemplo típico: pastéis de nata e croissants com recheio. A massa fica morna, a boca abre-se para dar uma mordidela e o líquido fervente provoca queimaduras graves. Acresce que o líquido açucarado é mais difícil de retirar e o tempo de contacto com as mucosas (ou a pele) é superior, pelo que as queimaduras são mais graves;
  • recipiente tapado - quando se retira a tampa, o líquido fervente salta e queima a cara e as mãos.
Ler Mais...

O ar circula mal…

A existência de grandes estruturas maciças na faringe perturba a circulação do ar inspirado pelo nariz. Resultado: a criança tem de começar a respirar pela boca porque tem o nariz «tapado», e daí acontecerem duas coisas:
  • por um lado o ar não é aquecido como devia e chega mais frio à laringe e aos brônquios;
  • por outro, há deformação da cavidade bucal, por desempenhar uma função que não é a sua: a abóbada palatina sofre transformações (fica mais cavada), o que leva a perturbações da fala (voz «nasalada», incapacidade de pronunciar certas sílabas, um som de «rh,rh,rh» ao pronunciar as palavras) .
Paralelamente, os adenoides passam a ser uma fonte de secreções, muitas vezes infetadas, que vão para vários lados:
  • escorrem para a frente e enchem o nariz – a criança anda ranhosa;
  • vão para cima, sobretudo quando a criança não se assoa e funga, e atingem o ouvido médio - a criança tem otite serosa e episódios de otite média infeciosa;
  • escorrem para baixo e enchem os brônquios – a criança tem tosse.
O ranho é geralmente amarelo-esverdeado e como é muito posterior, a tendência da criança é fungar e não se assoar, o que é muito prejudicial para os ouvidos. Estes sofrem, assim, autênticas injeções desse material infetado, agravadas pelo facto de a sua respiração e drenagem estarem comprometidas porque os adenoides entopem a trompa de Eustáquio, que fica na faringe, junto do nariz, e é o «tubo de escape» dos ouvidos. Finalmente a tosse: durante o dia, menos mal, a criança está quase sempre na posição vertical e acordada, de maneira que as secreções escorrem para o esófago e ela engole-as, causando contudo irritação gástrica, vómitos e falta de apetite. Durante a noite, pelo contrário, como a criança está em posição horizontal e a dormir, as secreções escorrem diretamente para a árvore respiratória, causando tosse. É uma tosse que não começa logo que a criança se deita - só uma ou duas horas depois (tempo necessário para os brônquios se encherem) e é por acessos. A criança tosse várias vezes com violência, parece «afogar-se» em secreções, e depois engole-as e acalma, até daí a pouco começar tudo outra vez. É uma tosse que faz os pais levantarem-se várias vezes durante a noite. Uma criança com uma situação destas está praticamente sempre adoentada, as adenoidites sucedem-se umas às outras, anda sempre ranhosa e com tosse, tem otites frequentes - enfim, vai ao infantário dois dias, adoece, fica em casa, toma antibiótico, melhora, volta ao infantário mais três dias, volta a infetar-se, fica novamente em casa...e não sai disto... Por outro lado, as infeções repetidas, sobretudo quando se acompanham de falta de apetite, quebra do estado geral, etc., podem debilitar a criança, perturbando o seu crescimento. Felizmente isto só acontece raramente, mas é uma realidade a não subestimar. Ler Mais...

Os ciclos do sono

A passagem do estádio de acordado para sono profundo, que nos adultos se faz rapidamente, não acontece na criança de 1-2 anos, salvo se estiver muito cansada. Assim, quando adormece fica um tempo em sono leve antes de aceder, depois, ao sono profundo. Este período vai diminuindo com a idade. Por volta dos 4-5 anos, já simplesmente «caem para o lado», quase como se se desligasse um interruptor. Só quando a criança começa a ficar mais mole e a respiração se torna regular, até pesada, se pode pensar que entrou em sono profundo - já podem deitá-lo e escapulir-se do quarto. Ler Mais...

Alopecia areata

A alopecia areata é uma doença auto-imune que causa a perda de cabelo em áreas bem definidas. Pode acontecer em qualquer idade, mas a maioria começa na infância. Os anticorpos são mal orientados e reconhecem os folículos capilares como estranhos, destruindo-os, causando secundariamente a perda de cabelo. Não surge dor, nem qualquer outro sinal de doença, apenas o crescimento extraordinariamente lento do cabelo em algumas zonas, mostrando peladas redondas ou ovais ou, em casos raros mas graves, perda geral do cabelo, com calvície. O crânio fica liso, ao contrário de outras situações, como a tinha, em que o escalpe fica rugoso ou com escamas. Não se sabe a causa exata desta situação, mas crê-se existir um fator genético. A evolução é imprevisível, e tanto pode ser definitiva como haver recuperação após um certo tempo. Se o vosso filho começar a perder cabelo em áreas determinadas, é recomendável debater o caso com o médico-assistente, ou consultar um dermatologista. Os eventuais tratamentos passam por fármacos que têm efeitos secundários, pelo que não deverão ser feitos sem um diagnóstico criterioso. Paralelamente, é necessário apoio à criança, dado que pode ser alvo do gozo dos outros e, a ela própria, ser difícil lidar com a situação. É importante que a criança saiba que é uma doença do cabelo, mas que ela não está propriamente doente, deve-se estimular a sua autoestima e autoimagem, e acompanhar, com os educadores, o percurso no jardim-de-infância para detetar pequenos sinais de depressão ou tristeza. Ler Mais...
Crianca q fica fungando deireto | Para Pais.