Resultados para: "como saber se uma cesarea esta inflamada"

Você está a ver gravidez , bebé e / ou outros itens relacionados com a sua pesquisa como saber se uma cesarea esta inflamada. Encontre as melhores dicas para ajudar no desenvolvimento da sua gravidez. mulheres parindo dentro do hospital, cesaria inflamada por dentro, gemeos escondidos barriga, cesariana inflamada, cesaria inflamada, colo do utero dilatado fotos, pontos parto normal coçando.

O que são as amígdalas?

As amígdalas são umas formações do chamado tecido linfoide, especializado em defesa contra as diversas agressões, microbiológicas ou não, e que se situam em ambos os lados da garganta. A sua função é semelhante à dos adenoides: porteiro que evita a entrada de agentes nocivos. Quando as amígdalas se infetam, incham e causam os sintomas que mencionei. No fundo, o que a criança sente vem essencialmente de duas origens: os sinais de infeção (febre, mal-estar. falta de apetite) e os sinais locais que estão associados ao aumento dessas estruturas (dor a engolir, dificuldade em respirar e falar, tosse, vómitos). Os vómitos, por exemplo, são fáceis de explicar porque, além do quadro infecioso geral que os pode causar, o facto de as amígdalas estarem junto à faringe - e esta também estar inflamada, por continuidade - faz com que o aumento do seu tamanho induza o vómito, quase como se alguém estivesse a meter uma colher pela boca abaixo. O aumento dos gânglios debaixo da mandíbula representa a entrada destas estruturas (também elas formadas por tecido linfoide) na luta contra as bactérias. Os gânglios são como filtros que, do mesmo modo, têm por missão limitar a infeção e não a deixar progredir. Muita gente pensa, como a mãe do Rui, que ao palpar os gânglios da criança está a palpar as amígdalas. Não. Não é a mesma coisa e esses gânglios podem também estar volumosos no decurso de outras infeções - nasais, da pele, dos dentes -, e permanecem aumentados muito para lá do período agudo de infeção. Ler Mais...

Como prevenir

Em primeiro lugar é essencial não ter medo de falar do assunto nem considerar que ter piolhos é sinal de «porcaria». O maior amigo dos piolhos é o silêncio que se faz à sua roda. A melhor maneira de dar cabo deles, é falar neles, saber que existem e que infestam as crianças portuguesas de todas as classes sociais. Em segundo lugar, a higiene (lavar a cabeça), mas sobretudo o pentear. O uso regular do pente, sobretudo se o intervalo entre os dentes do pente for apertado (como os pentes de metal que existe, alguns dos quais dão choques eléctricos aos piolhos), permite «partir» as pernas dos insectos, fazendo com que estes percam o equilíbrio e caiam do cabelo, impedindo-os de se multiplicarem. Assim, mesmo que a criança apanhe dois ou três piolhos eles não durarão os tais sete dias de que precisam até se poderem reproduzir. Pais: penteiem os vossos filhos todos os dias. Em terceiro lugar, quando se confirma a infestação, deve-se lavar a cabeça com uma das muitas loções que existem e que não só matam os piolhos já existentes como previnem um pouco em relação a novas infestações. De qualquer modo. não convém abusar destes produtos porque a maioria deles é irritante para a pele que, de si, já está inflamada em resultado das mordeduras dos piolhos e da ação da sua saliva e fezes nas feridas. Convém também chamar a atenção para o perigo de usar certos produtos tóxicos - como pesticidas e produtos para insectos - na cabeça das crianças. Não é o primeiro nem o segundo caso de crianças com intoxicações graves em consequência do uso desses produtos, especialmente em meio rural. Muito cuidado com isso. Os piolhos «desmoralizam» mas não matam. Um «tratamento» errado pode matar! Finalmente, a questão de proibir ou não a entrada na escola. Cada estabelecimento de sino terá as suas regras, mas convém lembrar novamente que quando se descobre a infestação já a criança tem piolhos há muitas semanas. Mais importante do que ser rigoroso nesse aspecto é ensinar às crianças hábitos higiene e de pentear-se todos os dias, é verificar as cabeças das crianças regularmente e falar no assunto para que os pais aceitem a situação e façam o tratamento corretamente. Muitos pais escondem o assunto por vergonha, mas também porque têm medo das evições escolares. Ler Mais...

Pode-se realmente saber o sexo do bebé com antecedência? Estou com 18 semanas e não estou certa se quero saber

É possível identificar o sexo de um bebé em ecografia de rotina por volta das 20 semanas, mas isso depende de uma série de factores, incluindo a eficácia da pessoa que está a fazer a ecografia, a qualidade do equipamento a ser utilizado, a posição do bebé e a posição das pernas dele ou dela. Mesmo que todos estes factores sejam favoráveis e se possam ver os órgãos genitais, há ainda um factor de erro, portanto a informação sobre o sexo do bebé dada por uma ecografia nunca é 100 % segura. Têm sido feitas algumas pesquisas para tentar determinar o sexo numa fase mais inicial, mas isso ainda é menos seguro. Por vezes quando você está a ver a ecografia pode ser capaz de ver os genitais e pode ficar a saber o sexo do seu bebé sem lhe terem dito. Mas lembre-se de que pode estar errada. Se fizer uma amniocentese, o sexo do bebé pode ser identificado definitivamente durante o procedimento. Muitas unidades têm como política só revelar o sexo do bebé se essa informação for pedida. Outras unidades têm como política não dizer a ninguém o sexo do bebé só por ecografia, em parte porque não podem ser 100% seguras e também porque, num pequeno número de casos, a informação sobre o sexo pode conduzir a um pedido para terminar a gravidez. Se quiser saber a política da sua área, pergunte à parteira da sua comunidade. Ler Mais...

Como poderei saber se o meu bebé tomou leite suficiente?

Embora não possa medir a quantidade exata de leite que o seu bebé toma, os seios funcionam numa base de fornecimento e necessidade, portanto o seu corpo responde ao sugar do seu bebé. Em geral, os bebés mamam pelo menos 10 minutos em cada mamada nos primeiros dias depois do parto e poderá precisar de dar ambos os seios antes de ele estar satisfeito. Pode saber se o seu bebé se está a amamentar bem quando o seu maxilar inferior se movimentar de forma ritmada enquanto ele está ao peito. Quando estiver cheio, adormecerá ou soltará o mamilo e ficará acordado satisfeito. Não deverá interromper a mamada, mesmo para mudar de seio. Outro sinal de que o seu bebé teve leite suficiente é a quantidade de fraldas molhadas e sujas que produz. (Os bebés amamentados têm a tendência a fazer um cocó mais solto do que os alimentados a biberão). Se julgar que o seu bebé não está satisfeito, peça conselho ao pediatra ou médico de família. Ler Mais...

O bebé e a música

Há quem chame à música a «arte perfeita». Desde há muitos anos que se sabe que os bebés gostam de música aliás, como a esmagadora maioria das pessoas. Mas digamos que os bebés têm um «sexto» sentido para a música, para a entenderem como elemento estruturante da informação, do conhecimento, do saber, mas também dos facetos, das relações, do saber fruir e contemplar o tempo e os momentos. Só é estimulado para ouvir e tocar música o bebé que tenha pais ou um infantário que lhe façam ouvir música. E, verdade seja dita, neste campo não deve haver arrogâncias intelectuais cada um deverá fazer chegar ao bebé a música que entender mais conveniente. Uma casa onde se ouve música é uma casa onde o tempo tem uma gestão diferente, onde há mais hipóteses de tranquilidade, onde os ritmos são mais «à escala humana». Onde a televisão está provavelmente fechada por períodos mais longos. Ler Mais...

O teatro

É bom ser-se inteligente, seja lá o que isso significa... mas ser-se inteligente «racional», apenas, é de uma grande pobreza e não leva a altos voos. Durante muito tempo, as crianças (e os adultos) eram avaliados pelos seus Ql's, com tudo o que isso tinha de falível, errado e até de perverso. Os estudos mais recentes sobre a inteligência mostraram que tão ou mais importante que «saber» é «saber lidar», é «saber relacionar», é «saber sentir». Foi esse um dos pontapés de saída para  valorização da inteligência «emocional», uma das grandes armas de que o ser humano dispõe e que lhe permite sofrer, mas ser feliz, hesitar, mas decidir, raciocinar, mas optar. Muitas crianças têm dificuldade em lidar com os sentimentos, angústias e medos, são tímidas e desenvolvem pouco a sua inteligência emocional, carecendo assim de factores fundamentais para a «luta do dia-a-dia». que a inteligência racional, só por si, não fornece. Aceitar que uma criança tem de «sentir» é essencial, e por isso não basta «abrir a cabeça aos meninos e enchê-la de informação ou mesmo de conhecimentos». Os saberes adquirem-se através de um perspicaz equilíbrio entre as duas formas de inteligência - a racional e a emocional.   É por isso que o teatro, espaço aberto para a exposição segura do «eu», espaço de criatividade fundamentado na realidade, espaço de lazer e de diversão onde se fala de coisas muito sérias, é um excelente veículo para poder exercitar o relacionamento destas duas vertentes da inteligência, tantas vezes separadas e vistas como antagónicas. Ler Mais...
Como saber se uma cesarea esta inflamada | Para Pais.