Resultados para: "como fica pr dentro a cirugia da cesaria"

Você está a ver bebé , criança e / ou outros itens relacionados com a sua pesquisa como fica pr dentro a cirugia da cesaria. Encontre as melhores dicas para ajudar no desenvolvimento da sua gravidez. mulheres parindo dentro do hospital, ver parto normal ver tudo, cesaria inflamada por dentro, parto normal visto de frente, grávidas parindo parto normal, cesariana inflamada, gemeos escondidos barriga.

Quem está em maior risco

A tuberculose, ao longo dos tempos, sempre se associou a situações de pobreza, má-nutrição e más condições sociais. Atualmente, a infeção pelo VIH também veio a constituir um novo grupo de risco acrescido. Em termos de grupos etários, as criaas pequenas, os adolescentes e os idosos são grupos em que existe uma maior prevalência. O mesmo em relação a pessoas em stresse, psicologicamente «em baixo» ou que perdem peso muito subitamente, por exemplo. Digamos que a tuberculose, depois da infeção primária, fica dentro de nós, latente, mas à espera constantemente de uma fraqueza da nossa parte, para então voltar a crescer. Ler Mais...

Tratamento do umbigo

O cordão umbilical é cortado logo após o nascimento da criaa. A parte que fica agarrada ao umbigo acabará por secar e cair, passados 4 a 10 dias, muitas vezes antes da mãe e o filho saírem da clínica. Se isto não acontecer deve tratar de curá-lo o mais rapidamente possível. Aplique álcool diariamente, cubra com uma compressa de gaze c ponha uma ligadura em volta, que não deverá ficar muito apertada. Nada de receios: a Parteira ou a enfermeira poderão explicar-lhe como se procede. A fralda não deverá nunca chegar à ligadura para que a urina não atinja a ferida. Se, dentro de 12 a 14 dias, o umbigo não estiver curado deve consultar o Pediatra. Ler Mais...

Sinusite

Os seios perinasais são um conjunto de espaços aéreos que ficam situados nos ossos da face. Tal como os pássaros, que têm os ossos ocos, também nós temos alguns espaços cheios de ar nos nossos ossos. Estes espaços encontram-se «atapetados» por dentro com o mesmo tipo de células respiratórias - cílios e células produtoras de secreções. Na criaa pequena, em que os ossos ainda são também pequenos, os seios perinasais são espaços virtuais, ou potenciais – estão lá, mas não existem…os seios maxilares, que como o nome indica se situam nos ossos maxilares, ao lado do nariz, são os primeiros a ganhar algum espaço. Seguem-se os seios etmoidais, um autêntico labirinto de espaços aéreos, que fica na região à volta do olho - todos estes surgem no primeiro ano de vida. Depois os frontais, mais tardios, surgem pelos 5-6 anos, e correspondem à região frontal, ou seja, a testa. Os seios esfenoidais, situados dentro da cabeça, só se desenvolvem «a sério» mais na adolescência. Todos estes seios drenam as suas secreções através de pequenos orifícios que se localizam na parede do nariz - chamam-se tecnicamente os «ostia». É claro que qualquer infeção nasal ou da região próxima pode estender-se a qualquer dos seios perinasais. Por outro lado, nas situações em que o nariz está entupido, os ostia podem ficar, eles próprios, entupidos também e não deixar as secreções saírem, o que leva à sua acumulação dentro dos seios. Quando isso acontece e há inflamação e infeção dentro dos seios, estamos perante uma «sinusite». Todos os fatores que ocasionem infeções locais, promovam crescimento bacteriano próximo (como as cáries), tenham alterações anatómicas a esse nível (como os desvios do septo nasal ou como sequência de um traumatismo dessa parte da face) contribuem para maiores probabilidades de sinusite. Certas doenças crónicas, como a diabetes, a fibrose quística ou imunodeficiências, podem aumentar a incidência de sinusite. Ler Mais...

Sapinhos

Os «sapinhos» são uma infeção por fungos, designados por Cândida albicans. Embora sejam mais comuns em bebés, nos 3 primeiros meses de vida, podem aparecer sempre que o ambiente da boca fica mais propício à infeção, por diminuição da produção de saliva, chupetas há muito tempo não esterilizadas, etc. A boca parece polvilhada de branco, sobretudo na parte de dentro das bochechas, como se estivesse coberta por «açúcar pile». Como a infeção se propaga a todo o tubo digestivo, a região anal pode aparecer avermelhada, de um tom intenso. Os «sapinhos» tratam-se com solutos antifúngicos ou um líquido roxo que se vende nas farmácias. Convém aplicar uma pomada antifúngica na região genital, se estiver vermelho. A candidíase oral não tem qualquer perigo, mas pode ser incomodativa e convém ser tratada. Ler Mais...

Conselho sobre irmãos

A imitação não desenvolve a capacidade de humanização. Imitar é próprio dos símios. «Olha como a Ana se porta bem, e tu, afinal...» - esta é uma forma muito usada, mas muito contraproducente, até porque estimula na criaa vários sentimentos que não a ajudam em nada: de raiva e inimizade pelos outros que servem de termo de comparação; de infelicidade, porque fica a pensar que os pais, afinal, gostavam era de ter a Ana como filha. Quando anunciar? As notícias importantes, sejam boas ou más, devem ser dadas pelos pais. Se queremos que os nossos filhos nos considerem as pessoas mais verdadeiras e de maior seguraa, não podemos deixar que sejam outros a comunicar as grandes alegrias ou tristezas da família. Seja a morte de alguém, seja o nascimento de um irmão. No entanto, como abordarei a seguir (e dentro do grupo etário de que trata este livro), nove meses são muitos meses para o entendimento de uma criaa, e a fantasia em que vive pode, no caso de grande insistência no tema, gerar ansiedade ou pelo contrário, falsa seguraa, aumentando o choque e os efeitos colaterais. Para cada pergunta deverá haver uma resposta verdadeira, mas apenas com os elementos mais tranquilos e leves da verdade. Antecipar grandes coisas é proporcionar à criaa um espaço demasiadamente grande para a fantasia. Quando dizemos que «depois vai brincar com o maninho» a criaa pensará que é logo mal naa, e ficará desiludida. Deve criar-se uma ligação com o bebé, claro, ainda dentro da barriga da mãe, uma ligação afetiva e em que o tato tem muita força. O resto, o próprio bebé, dentro da barriga, se encarregará de fazer, transmitindo através da «comunicação invisível» algumas «trocas de ideias» com o irmão. Ler Mais...

Depois da minha cesariana quando poderei conduzir?

Em geral julga-se que o melhor é esperar cerca de quatro a seis semanas antes de voltar a conduzir, depois de uma cesariana, embora não haja nenhumas diretrizes específicas sobre o assunto baseadas em pesquisas. Sugerimos que espere até se sentir completamente recuperada da operação e até se sentir capaz de fazer manobras de condução como inversão de marcha e estacionamento, assim como paragens de emergência, sem sentir pânico ou desconforto. Também precisará de se sentir confortável com o cinto de seguraa pois este fica diretamente sobre a zona da sua cicatriz. Também deverá contactar o seu médico para saber o que ele aconselha, pois os movimentos da condução podem exigir demasiado dos abdominais dentro do período que se segue a uma grande cirurgia como a cesariana. Ler Mais...
Como fica pr dentro a cirugia da cesaria | Para Pais.