Resultados para: "como enganar os pais do resultado do bebe"

Você está a ver leite , grávida e / ou outros itens relacionados com a sua pesquisa como enganar os pais do resultado do bebe. Encontre as melhores dicas para ajudar no desenvolvimento da sua gravidez. mulheres parindo dentro do hospital, ver parto normal ver tudo, cesaria inflamada por dentro, parto normal visto de frente, grávidas parindo parto normal, cesariana inflamada, gemeos escondidos barriga.

Criar laços leva tempo permitir que os seus sentimentos cresçam e se desenvolvam

Se não sentir um amor instantâneo pelo seu bebé, fique certa de que criar laços é um processo e não uma coisa que acontece logo após o parto. Para muitos pais, criar laços é o resultado dos cuidados diários. Pode não se aperceber de que criou laços até ver o primeiro sorriso do seu bebé e perceber que está cheia de alegria e amor. Aprecie e valorize o crescimento dos seus sentimentos; criar laços com o seu bebé, seja quando for, é um dos aspetos mais gratificantes de cuidar de um bebé. Ler Mais...

Mentira defensiva

Uma criança deste grupo etário já pode mentir para se defender ou para não assumir a responsabilidade do que fez, com medo das consequências. É um tipo de mentira muito vulgar, quase como se negando a verdade ela deixasse de existir. Os pais deverão aproveitar para duas mensagens principais: a primeira é que, como diz o ditado, «mais depressa se apanha um mentiroso do que um coxo», ou seja, é raro poder levar-se a mentira até às últimas consequências e enganar toda a gente. A segunda mensagem deverá ser que é mais correto e eticamente certo ser honesto, verdadeiro e rigoroso, mesmo que isso acarrete efeitos secundários menos bons. Contar exemplos reais e fazer ver que, quando alguém mente para se proteger, há outro alguém que, se calhar, acusado de algo ou responsável por alguma ação (sendo inocente) é muito importante, para que a criança ou o jovem vejam que as suas ações também atingem outras pessoas. Ler Mais...

O meu companheiro ainda não sente que tenha criado laços com a nossa filha. O que é que ele pode fazer?

Embora frequentemente os pais anseiem por um contacto mais chegado aos seus bebés, o criar laços, para os pais, ocorre com frequência numa altura diferente, em parte porque eles não têm o contacto inicial da amamentação. Como resultado, alguns homens acham que assim como a confiança da companheira vai crescendo, o mesmo acontece com a incerteza deles sobre o relacionamento com o bebé. Como nota positiva, os homens hoje em dia têm tendência a passar bastante mais tempo com os seus filhos do que os pais das gerações passadas. Fale com o seu companheiro sobre o que ele gostaria de fazer com a vossa filha. É bom que os pais percebam que criar laços com os seus bebés não é uma questão de ser outra mãe e, em muitos casos, os pais partilham atividades diferentes com os filhos e desenvolvem uma relação própria e única, oferecendo qualidades de pai que a mãe não pode providenciar. Ambos os pais beneficiam imenso quando se podem apoiar e encorajar um ao outro. As atividades para criar laços desde cedo, em que você pode encorajar o seu companheiro a envolver-se, incluem dar o biberão ao bebé (dar os biberões de uma noite pode ajudar a dar-lhe a si algum descanso); mudar as fraldas; dar banho e massajar o bebé; sair para passear com um porta-bebés ou um carrinho de bebé; ou simplesmente apiedar algum tempo de brincadeira com o bebé. Criar laços é uma experiência pessoal e complexa, que leva tempo. Desde que se esteja a ir de encontro às necessidades básicas do bebé, ele não sofrerá se de início os laços não forem fortes. Se ainda estiver preocupada peça conselho ao seu médico. Ler Mais...

O «teste do pezinho»

É conhecido por «teste do pezinho», mas o seu verdadeiro e científico nome é «Programa Nacional de Diagnóstico Precoce». Começou em 1979, por iniciativa do Instituto de Genética Médica, estendeu-se progressivamente a todo o País, e rapidamente atingiu taxas de cobertura elevadíssimas, o que mostra a grande adesão dos pais e dos serviços. Trata-se de um rastreio de doenças que estão numa fase latente e que, se forem diagnosticadas precocemente, têm soluções que permitem ao bebé não vir a sofrer as consequências (geralmente muito graves) da doença deixada «à solta». Os rastreios não são diagnósticos, pelo que exigem sempre a confirmação nem todos os bebés em quem o rastreio foi positivo têm a doença, mas passam exatamente à fase de diagnóstico, que dirá, essa sim, se o bebé sofre da doença. Este método é só possível para as doenças que têm essa fase latente, sem sintomas, como é o caso das consagradas fenilcetonúria e hipotiroidismo, mas também de muitas outras que, progressivamente estão a ser consideradas para inclusão no «teste do pezinho». A razão de ser entre o 4.° e o 7.° dias, é porque antes do quarto não há a garantia que o bebé tenha bebido leite suficiente para as alterações, caso existam, se notarem (como é o caso da fenilcetonúria, que surge por o bebé não tolerar um aminoácido do leite, a fenilalanina). O 7.° dia é marcado mais arbitrariamente, mas é para não deixar o teste para datas muito posteriores, dado que este processo tem que ser rápido para que o diagnóstico, nos casos positivos, seja feito cedo e o bebé possa beneficiar dos tratamentos e dietas. Se se deixar para muito tarde pode já haver uma deterioração causada pela doença. FIQUE A SABER: A partir de Outubro de 2004, o Instituto de Genética Médica conseguiu que os resultados do «teste do pezinho» passassem a ser consultados através da Internet, mediante o Código de Barras que é fornecido aos pais na altura da colheita de sangue. Como devem calcular, realizando-se mais de cento e dez mil análises, seria impossível avisar todos os pais acerca do resultado, até porque as «energias» ficam dirigidas para as escassas dezenas de pais cujos filhos têm que, ou repetir o teste por alguma razão técnica, ou fazer a análise de diagnóstico para confirmar a positividade do rastreio. Até agora, o que funcionava era o sistema de «não haver notícias, são boas notícias». Para isso contribuía a credibilidade dos CTT. Os pais que desejam podem enviar um envelope pré-selado com a morada, e assim recebem o resultado. Actualmente, com o sistema na Internet, tudo fica mais fácil e a confidencialidade é totalmente garantida. Ler Mais...

O que acontece ao bebé depois das 40 semanas?

Em muitas gravidezes não há alterações nas atividades do seu bebé depois das 40 semanas e os seus padrões de movimento serão os mesmos, embora provavelmente a cabeça do bebé desça mais na pélvis, em preparação para o parto, e em resultado sentir-se-á mais leve junto das costelas e mais pesada na zona pélvica. Noutras gravidezes, as mães podem notar um abrandar dos movimentos com o avançar da gravidez. A placenta, que alimenta o bebé, diminui a eficácia depois de cerca das 38 semanas e certamente depois das 41 semanas. Isso significa que o crescimento do seu bebé tende a diminuir com o prolongar da sua gravidez. Como não é possível prever com exatidão se a placenta continuará a funcionar bem, muitos hospitais têm como política a indução para evitar o risco de colocar o bebé em perigo, que aumenta com o prolongamento da gravidez. Ler Mais...

É provável eu sentir-me diferente quando a cabeça do meu bebé encaixar?

Muitas mulheres dizem sentir-se fisicamente melhor depois do encaixe da cabeça do bebé pois há um alívio de pressão dentro do abdómen. Como resultado, pode achar mais fácil respirar, dormir e caminhar. Por outro lado, por vezes, quando a cabeça do bebé encaixa, isso pode aumentar a pressão na sua bexiga e pode experimentar uma sensação de bexiga cheia e de pressão entre as pernas. Algumas mulheres também dizem sentir dores vaginais agudas. O encaixe poderá ainda afetar sensações no intestino. Ler Mais...
Como enganar os pais do resultado do bebe | Para Pais.