Resultados para: "cirurgia inflamada por dentro"

Você está a ver bebé , criança e / ou outros itens relacionados com a sua pesquisa cirurgia inflamada por dentro. Encontre as melhores dicas para ajudar no desenvolvimento da sua gravidez. mulheres parindo dentro do hospital, ver parto normal ver tudo, cesaria inflamada por dentro, parto normal visto de frente, grávidas parindo parto normal, cesariana inflamada, gemeos escondidos barriga.

Todas as mulheres podem amamentar? A minha mãe diz que não conseguia.

A maioria das mulheres consegue amamentar. Pode concluir que o sistema de cuidados maternos impediu que a sua mãe amamentasse, pois houve uma altura em que diziam às mães para dar de mamar só de quatro em quatro horas. Aprender o mais que puder sobre a amamentação, com antecedência, irá dar-lhe mais hipóteses de ser bem-sucedida, Um mito comum é que o tamanho dos seios afeta a capacidade de amamentar, mas isso não é o caso. Uma cirurgia aos seios pode afetar a amamentação, mas mesmo depois da cirurgia mais invasiva é possível que uma porção das glândulas e canais originais se mantenham intactos. Espero que venha a ter confiança suficiente para tentar amamentar. Ler Mais...

O que pode afectar a fertilidade de uma mulher?

Condições como a síndrome do ovário policístico (um desequilíbrio hormonal que provoca quistos no ovário) e a endometriose podem prejudicar a fertilidade. Outros desequilíbrios hormonais, como baixos níveis de FSH e LH podem afectar a ovulação; ou os níveis de progesterona podem ser demasiado baixos para reter um ovo fertilizado. Trompas de Falópio danificadas, devido a uma gravidez ectópica, cirurgia endometriose ou doença inflamatória pélvica, a qual pode ser causada por uma infecção como a clamídia podem evitar a concepção. Ovários danificados podem resultar de cicatrizes devidas a uma cirurgia ou infecção ou o fornecimento de ovos pode ser baixo. Algumas mulheres têm uma malformação do útero ou têm cicatrizes uterinas, que podem prejudicar a implantação de um ovo com sucesso. Ler Mais...

Não tenho tido problemas, mas não quero passar pelo parto. Posso optar por uma cesariana?

Se não houver causas médicas para uma cesariana e isso for simplesmente devido ao seu medo das dores do trabalho de parto, então optar por uma cesariana é uma opção drástica. Uma cesariana é uma cirurgia abdominal e, embora por vezes seja preferível, não é um método favorável por várias razões, como o risco de problemas pós-operatórios resultantes da cirurgia, um maior risco de problemas secundários de fertilidade, ou de o segundo bebé ter de nascer por cesariana, e um risco aumentado de depressão pós-parto. Seria melhor falar com a sua parteira sobre as opções disponíveis para aliviar a dor e assegurar-se de que terá a que mais lhe convier. Ter consigo durante o trabalho de parto alguém que conheça e em quem confie pode reduzir imenso a sua ansiedade. Se, mesmo assim, sentir que não consegue passar pelo trabalho de parto, pode ter de falar com o seu obstetra pois a decisão final deverá ser dele. Ler Mais...

Depois da minha cesariana quando poderei conduzir?

Em geral julga-se que o melhor é esperar cerca de quatro a seis semanas antes de voltar a conduzir, depois de uma cesariana, embora não haja nenhumas diretrizes específicas sobre o assunto baseadas em pesquisas. Sugerimos que espere até se sentir completamente recuperada da operação e até se sentir capaz de fazer manobras de condução como inversão de marcha e estacionamento, assim como paragens de emergência, sem sentir pânico ou desconforto. Também precisará de se sentir confortável com o cinto de segurança pois este fica diretamente sobre a zona da sua cicatriz. Também deverá contactar o seu médico para saber o que ele aconselha, pois os movimentos da condução podem exigir demasiado dos abdominais dentro do período que se segue a uma grande cirurgia como a cesariana. Ler Mais...

O pé do meu bebé está voltado para dentro e pode precisar de uma tala. O que se passa com ele?

Isso é conhecido por pé boto e afeta 1 em 1000 bebés. E mais comum nos rapazes e afeta um ou ambos os pés. O pé boto pode ser congénito ou adquirido. O adquirido é causado por uma pressão que comprime o pé quando este se está a desenvolver, como resultado da sua posição no útero. Pode-se resolver com exercícios para ajudar o pé a voltar à sua posição natural. O pé boto congénito é mais complexo e é causado por vários fatores, incluindo predisposições genéticas. Necessita de tratamento imediato, enquanto os tecidos são macios para se manipular o pé. Podem ser usados talas, ligaduras ou gesso para pôr o pé no lugar durante 2 meses. Depois será usado um BAP - Brace de Abdução dos Pés. Em alguns casos, pode ser necessária uma operação para endireitar o pé. Tanto o método cirúrgico como o de manipulação têm uma boa taxa de sucesso. O seu filho será visto com regularidade na infância e na adolescência, em particular nas alturas de maior crescimento e poderá ser necessária outra cirurgia na adolescência. Ler Mais...

Pé boto

É normal as crianças nascerem com um certo grau de arqueamento dos pés, mostrando uma tendência para unir os dedos grandes. No entanto, em alguns casos, esta curvatura é exagerada, designando-se por pé boto. O pé boto pode resultar de um mau posicionamento intrauterino ou pode estar integrado numa síndroma com outras malformações. Se o médico-assistente considerar que a situação é extrema ou que não está a evoluir enviará decerto a criança para um ortopedista ou cirurgião pediatra, pois pode necessitar de correção, seja através de calçado ortopédico e talas, seja de cirurgia. Ler Mais...
Cirurgia inflamada por dentro | Para Pais.