Resultados para: "cesaria inflamada por dentro"

Você está a ver criança , gravidez e / ou outros itens relacionados com a sua pesquisa cesaria inflamada por dentro. Encontre as melhores dicas para ajudar no desenvolvimento da sua gravidez. mulheres parindo dentro do hospital, cesaria inflamada por dentro, gemeos escondidos barriga, cesaria inflamada, cesariana inflamada, colo do utero dilatado fotos, bucentinha infantil.

O meu bebé deverá usar o gorro dentro de casa?

Um dos fatores que se sabe que pode aumentar o risco de morte súbita é o sobreaquecimento. Embora os bebés percam o excesso de calor pela cabeça, e seja importante cobrir-lhes a cabeça no exterior, se estiver frio ou vento, o gorro do bebé deverá ser retirado dentro de casa ou quando entrar num local aquecido, como um autocarro ou uma loja, mesmo que tenha de o acordar. Há algumas exceções. Se um bebé tiver nascido prematuro, se tiver um baixo peso à nascença, ou se tiver dificuldade em manter a sua temperatura, então poderá precisar de usar o gorro dentro de casa. Contudo, logo que estes bebés tenham um peso saudável, ou consigam manter a temperatura do corpo, isso já não se justifica. Ler Mais...

O que são as amígdalas?

As amígdalas são umas formações do chamado tecido linfoide, especializado em defesa contra as diversas agressões, microbiológicas ou não, e que se situam em ambos os lados da garganta. A sua função é semelhante à dos adenoides: porteiro que evita a entrada de agentes nocivos. Quando as amígdalas se infetam, incham e causam os sintomas que mencionei. No fundo, o que a criança sente vem essencialmente de duas origens: os sinais de infeção (febre, mal-estar. falta de apetite) e os sinais locais que estão associados ao aumento dessas estruturas (dor a engolir, dificuldade em respirar e falar, tosse, vómitos). Os vómitos, por exemplo, são fáceis de explicar porque, além do quadro infecioso geral que os pode causar, o facto de as amígdalas estarem junto à faringe - e esta também estar inflamada, por continuidade - faz com que o aumento do seu tamanho induza o vómito, quase como se alguém estivesse a meter uma colher pela boca abaixo. O aumento dos gânglios debaixo da mandíbula representa a entrada destas estruturas (também elas formadas por tecido linfoide) na luta contra as bactérias. Os gânglios são como filtros que, do mesmo modo, têm por missão limitar a infeção e não a deixar progredir. Muita gente pensa, como a mãe do Rui, que ao palpar os gânglios da criança está a palpar as amígdalas. Não. Não é a mesma coisa e esses gânglios podem também estar volumosos no decurso de outras infeções - nasais, da pele, dos dentes -, e permanecem aumentados muito para lá do período agudo de infeção. Ler Mais...

Estou com 25 semanas de gravidez e o meu bebé parece que “salta” quando ouve ruídos altos – isso é normal?

Os bebés prematuros reagem aos sons e os sons altos produzem-lhes um “reflexo de susto”, portanto isto é uma prova evidente de que os bebés dentro do útero, durante a gestação, também ouvem e reagem aos sons altos, possivelmente com movimentos repentinos. Como mencionado acima, estudos demonstraram que os bebés podem reagir a sons dentro do útero desde as nove semanas de gestação. Conforme o feto vai crescendo, a audição desenvolve-se com os bebés a responder a uma maior variedade de sons. Ler Mais...

A minha mãe teve varizes – será que também vou tê-las na gravidez?

Cerca de um terço das mulheres sofrem de alguma forma de varizes na gravidez. Isto ocorre porque o aumento da hormona progesterona faz com que as paredes das veias se tornem menos firmes; há também um aumento de pressão dentro das veias como resultado do aumento do útero que pressiona as veias da pélvis. Famílias com varizes no seu historial aumentam as possibilidades de as ter, mas há várias coisas que pode fazer para diminuir os riscos ou a gravidade das varizes. Se as varizes aparecerem durante a gravidez, em geral melhoram dentro de três meses depois do parto, embora infelizmente, em gravidezes subsequentes o mais certo seja voltarem. Ler Mais...

Barcos

Se têm um, divirtam-se. Mas cuidado: há limites para a aproximação dos barcos e se vão conduzir um tenham cuidado - pensem que podiam ser vocês a estar do outro lado. Não há coisa mais enervante do que estar a tomar banho e ter que ter atenção constante aos barcos que circulam em locais que deviam ser apenas dos banhistas. Se estão na praia e vêem algum palerma a fazer gracinhas macho-exibicionistas junto à praia, chamem a atenção do nadador-salvador. Já basta o cheiro da gasolina, quanto mais arriscarmo-nos a levar uma pancada. 0 mesmo se aplica às motos de água e outras coisas no género. Se levarem uma criança num barco ponham-lhe SEMPRE um colete - as braçadeiras não são suficientes para garantir a segurança numa queda em alta velocidade. Não pensem que é um exagero, e façam-no para depois não se virem a arrepender. Relativamente aos barquinhos pequeninos de plástico, para bebés, assim como baleias, orcas, peixes e outro tipo de bóias de plástico, muito cuidado porque a maioria é pouco segura e podem voar com o vento (com a criança lá dentro) ou virar-se e a criança ficar em dificuldades, com a cabeça dentro de água. E, ainda, não se esqueçam que ao pé do mar, e muito especialmente dentro dos barcos, não se sente tanto o calor (embora continuem as radiações ultravioletas) e podem apanhar-se escaldões sem se dar por isso. Ler Mais...

Como prevenir

Em primeiro lugar é essencial não ter medo de falar do assunto nem considerar que ter piolhos é sinal de «porcaria». O maior amigo dos piolhos é o silêncio que se faz à sua roda. A melhor maneira de dar cabo deles, é falar neles, saber que existem e que infestam as crianças portuguesas de todas as classes sociais. Em segundo lugar, a higiene (lavar a cabeça), mas sobretudo o pentear. O uso regular do pente, sobretudo se o intervalo entre os dentes do pente for apertado (como os pentes de metal que existe, alguns dos quais dão choques eléctricos aos piolhos), permite «partir» as pernas dos insectos, fazendo com que estes percam o equilíbrio e caiam do cabelo, impedindo-os de se multiplicarem. Assim, mesmo que a criança apanhe dois ou três piolhos eles não durarão os tais sete dias de que precisam até se poderem reproduzir. Pais: penteiem os vossos filhos todos os dias. Em terceiro lugar, quando se confirma a infestação, deve-se lavar a cabeça com uma das muitas loções que existem e que não só matam os piolhos já existentes como previnem um pouco em relação a novas infestações. De qualquer modo. não convém abusar destes produtos porque a maioria deles é irritante para a pele que, de si, já está inflamada em resultado das mordeduras dos piolhos e da ação da sua saliva e fezes nas feridas. Convém também chamar a atenção para o perigo de usar certos produtos tóxicos - como pesticidas e produtos para insectos - na cabeça das crianças. Não é o primeiro nem o segundo caso de crianças com intoxicações graves em consequência do uso desses produtos, especialmente em meio rural. Muito cuidado com isso. Os piolhos «desmoralizam» mas não matam. Um «tratamento» errado pode matar! Finalmente, a questão de proibir ou não a entrada na escola. Cada estabelecimento de sino terá as suas regras, mas convém lembrar novamente que quando se descobre a infestação já a criança tem piolhos há muitas semanas. Mais importante do que ser rigoroso nesse aspecto é ensinar às crianças hábitos higiene e de pentear-se todos os dias, é verificar as cabeças das crianças regularmente e falar no assunto para que os pais aceitem a situação e façam o tratamento corretamente. Muitos pais escondem o assunto por vergonha, mas também porque têm medo das evições escolares. Ler Mais...
Cesaria inflamada por dentro | Para Pais.