Resultados para: "cesaria infeccionada com colecao de bacteria ppde por compresa quente"

Você está a ver bebé , criança e / ou outros itens relacionados com a sua pesquisa cesaria infeccionada com colecao de bacteria ppde por compresa quente. Encontre as melhores dicas para ajudar no desenvolvimento da sua gravidez. mulheres parindo dentro do hospital, cesaria inflamada por dentro, ver parto normal ver tudo, parto normal visto de frente, grávidas parindo parto normal, cesariana inflamada, gemeos escondidos barriga.

Praia

Portugal é talvez o país europeu que tem a maior coleção de praias, de areia mais fina e branca, com águas mais claras e despoluídas... não as estraguemos! No entanto, nem só de praia vive o Homem, e há também o campo que, para cada vez mais pessoas, é o local para ir de férias. Temperar as duas vertentes será a solução ideal. Ler Mais...

Dentes pigmentados de preto

A chamada pigmentação cromo génica, que é o nome que tem esta coloração preta nos dentes, formando uma linha preta junto à gengiva, uniforme, em toda a roda dos dentes, por dentro e por fora, não tem nada a ver com a cárie. Todavia, muitas crianças são discriminadas e humilhadas por isso. Esta pigmentação deve-se a uma bactéria, chamada cromo génica, que forma esse pigmento nos dentes - e esta bactéria existe em algumas bocas e noutras não. Não há absolutamente nenhuma relação com cárie ou má higiene oral. O único problema desta pigmentação é a questão estética, mas curiosamente até parece haver uma relação entre esta pigmentação e um menor número de cáries nas crianças que a possuem, provavelmente por concorrência desta bactéria com as que causam a cárie. Esta pigmentação é difícil de remover em casa e, normalmente para o fazer é necessário ir ao médico dentista ou à higienista. Com a erupção dos dentes definitivos tende a desaparecer. Ler Mais...

Conselho sobre queimaduras

E necessário que as crianças, a partir do ano, ano e meio, tenham a perceção do que é «estar quente», mesmo que a proteção seja essencial e não se possa confiar na educação. Para distinguir o quente do frio, e acompanhar essa sensação de um «canto de aviso» dos pais, pode encostar-lhe a mão a um objeto morno (morno!), como uma caneca com líquido, e dizer, com ar escandalizado: «Cuidado! Está quente. Pode queimar!» A criança aprenderá e sentirá o calor que irradia de fontes de aquecimento. Mas claro que não se pode confiar apenas neste sentido. Ler Mais...

Helicobacter

São cada vez mais os casos de crianças com infeção causada pelo Helicobacter pylori, um micróbio de que os pais ouvem falar com frequência crescente e que tem causado alguma apreensão - muitas das vezes porque uma ida rápida à Internet ou a outras fontes de informação científica mostram coisas que não são muito agradáveis de ler ou de ouvir. Mas há que ter calma e ver que as raridades são raridades e que tudo tem a sua frequência. O Helicobacter pylori é uma bactéria que causa doença digestiva, designadamente gastrite (inflamação ou infeção da parede do estômago), e também úlcera gástrica (aftas) no estômago ou no duodeno, que podem aprofundar-se e até perfurarem o estômago ou essa parte inicial do intestino delgado. Embora o H. pylori possa causar estas doenças, a maior parte das infeções causadas por ele são silenciosas e não dão quaisquer sintomas. Todos podemos, pois, ter uma infeção pelo H. pylori. Quando a bactéria dá sintomas, então quer geralmente dizer que o estômago já está inflamado (gastrite) ou que já existem mesmo lesões de ulceração. Outra relação com a infeção crónica por esta bactéria tem sido o cancro do estômago (carcinomas e linfomas). Os sinais de infeção por esta bactéria são dores na região do estômago (parte superior do abdómen, ao centro ou mais para o lado esquerdo), náuseas, azia e mais raramente vómitos, perda crónica de sangue nas fezes (pode nem se dar por isso, mas gerar anemia ao fim de um tempo). A dor é o sintoma mais frequente, e geralmente é moderada - algumas crianças descrevem como queimadura - e piora em jejum ou depois de ingestão de alimentos muito condimenta- dos ou alguns medicamentos (ibuprofeno, certos antibióticos). No caso de dores prolongadas, é conveniente referir a situação ao médico-assistente, para eventualmente realizar exames. Pelo sangue podem dosear-se os anticorpos contra a bactéria. Se forem positivos, e com sintomas clínicos evidentes, poderá haver a necessidade de realizar uma endoscopia para fazer biópsia do estômago (exame simples, efetuado nos serviços de gastroenterologia pediátricos) ou dosear o hidrogénio no ar expirado, outro método de deteção (embora identifique apenas a presença da bactéria, sem saber o grau de lesão). O tratamento é baseado num medicamento que diminui a produção de ácido do estômago, dois antibióticos, dieta muito fracionada ao longo do dia, sem agressores do estômago (alimentos ácidos ou gasosos, por exemplo) e antiácidos. Ler Mais...

Tenho lido sobre infeções como a SARM e agora estou preocupada em ter o meu bebé no hospital.

Embora haja uma grande cobertura dos média sobre infeções como a SARM, a maior parte das pessoas não tem qualquer problema com infeções nos hospitais. As infeções são causadas por germes, dos quais há quatro tipos principais: bactérias; vírus; fungos, bolores e mofos; e protozoários. As infeções dos hospitais são bacterianas. Há milhares de tipos diferentes de bactérias. Algumas bactérias, conhecidas por auxiliares de germes, são bactérias amigas ou boas, as quais ajudam a digestão e a absorção dos alimentos no intestino. Outras podem causar infeções e doenças, como a staphylococcus aureus resistente à meticilina e a Clostridium diãcile (C.difficile), que são duas das que causam mais problemas nos hospitais. A SARM é uma bactéria que pode viver na pele das pessoas saudáveis sem causar qualquer dano, mas pode conduzir a infeções sérias em indivíduos vulneráveis. Uma boa higiene, em particular na forma de precauções simples, como lavar as mãos, é um método eficaz para a prevenção da infeção SARM e as hipóteses de a adquirir no hospital são baixas. Até os parentes e amigos de pacientes com SARM não correm risco. Se os talheres e os pratos forem lavados com água (de preferência quente) e sabão, isso remove a SARM, e o risco de a contrair através do contacto com cortinas, lençóis e almofadas é muito baixo. Os trabalhadores de cuidados de saúde utilizam soluções antissépticas, como álcool, para lavar as mãos, e mais recentemente muitos hospitais têm gel à base de álcool, perto de cada cama, para limpar as mãos. A C. difficile é outro tipo de bactéria mencionada com frequência pelos media. Os hospitais previnem e controlam a propagação da C. diffcile com antibióticos, medidas gerais de higiene, como lavar as mãos, e detetando casos no início para que possam isolar os pacientes afetados e evitar que a infeção se propague mais. Ler Mais...
Cesaria infeccionada com colecao de bacteria ppde por compresa quente | Para Pais.