Resultados para: "buce pequena"

Você está a ver criança , criança e / ou outros itens relacionados com a sua pesquisa buce pequena. Encontre as melhores dicas para ajudar no desenvolvimento da sua gravidez. mulheres parindo dentro do hospital, cesaria inflamada por dentro, ver parto normal ver tudo, parto normal visto de frente, grávidas parindo parto normal, cesariana inflamada, gemeos escondidos barriga.

Tenho uma pélvis pequena; não sou demasiado fraca para fazer força, mas dizem que preciso de cesariana. Isso está certo?

A desproporção cefalo-pélvica (DCP) é o termo utilizado para descrever um trabalho de parto que não está a progredir devido ao tamanho ou à forma da pélvis da mãe em relação ao tamanho e à posição do bebé. Podem surgir problemas se um bebé for invulgarmente grande ou uma mãe invulgarmente pequena. Uma verdadeira DCP é rara, e mesmo que seja uma preocupação na gravidez, por vezes julga-se melhor tentar o trabalho de parto, embora você seja avisada de que poderá ser possível uma cesariana. Certos sinais indicam a DCP durante o trabalho de parto: por exemplo, se o bebé não desce através da pélvis, ou se o colo do útero não dilata; em situações destas será necessária uma cesariana. Ler Mais...

Sou muito pequena e tenho pés pequenos – isso será um problema quando der à luz?

No passado, os médicos costumavam medir os pés das mulheres grávidas para avaliar as possibilidades de necessitarem de uma cesariana, pois pensava-se que pés pequenos indicavam uma pélvis estreita. Embora haja alguma verdade no facto de que pés pequenos em geral indicam que uma mulher tem uma constituição óssea pequena e assim também uma pélvis pequena, também as mulheres pequenas têm tendência a desenvolver bebés mais pequenos em proporção com o tamanho da pélvis. Uma verdadeira desproporção céfalo-pélvica (DCP), em que a cabeça do bebé é demasiado grande para passar na pélvis e nascer através da vagina, é relativamente rara. Durante o trabalho de parto há outros factores que ajudam o seu bebé a nascer. A pélvis não é uma estrutura fixa e as hormonas ajudam a amaciar os ligamentos que ligam os ossos pélvicos, para ajudar a pélvis a alargar e a acomodar o bebé. Também a cabeça do seu bebé está preparada para se moldar. O crânio é formado por ossos separados que se podem sobrepor ligeiramente a fim de reduzir o tamanho da cabeça quando esta passa através da pélvis, durante o trabalho de parto. Esta é uma parte normal do processo de pano. As posições no trabalho de parto também afectam o tamanho da pélvis. Por exemplo, agachar-se pode aumentar as medidas internas da pélvis em cerca de 30 %. Sentar-se ou deitar-se de costas pode reduzir essas medidas, restringindo o movimento natural de recuo do cóccix durante o parto. Ler Mais...

Algumas questões

Freio da língua Aquilo a que se chama habitualmente «freio da língua» e que provoca, quando curto, uma situação que se designa por «língua presa», é nem mais nem menos do que um espessamento dos músculos génio-hioglóssicos, mesmo na parte central da língua, formando uma prega vertical. Pode ser uma coisa muito ligeira (apenas uma pequena membrana), ou um espessamento razoável. Neste último caso pode impedir que a língua saia normalmente da boca, prejudicando a deglutição e a fala (nos recém-nascidos normais, a língua é sempre pequena). A principal alteração da fala que se atribui ao freio da língua é a criança ficar «ciosa», com dificuldade de pronunciação de certas letras (N, L, T, D - «sopinha de massa»). Embora não seja um problema de maior, há que pensar que estamos numa era de comunicação e que tudo o que possa prejudicar esta, poderá ter efeitos no relacionamento e na auto-estima da criança, quer em casa, quer na sua vida escolar e pública. Na dúvida, o cirurgião pediatra dirá se é melhor fazer o corte do freio, o que, a fazer, é rápido e instantâneo, sem quaisquer perigos, se for feito nas primeiras semanas de vida. Ler Mais...

Ouvir, ouvir, ouvir… para falar

Para poderem talar, as crianças precisam de ouvir falar. E ouvir não é só com os ouvidos, mas também com a visão, o cheiro e o afeto. Quando estiver a falar com uma criança pequena, sobretudo se lhe está a ensinar as palavras, estabeleça um contacto visual para que ela perceba que as palavras têm uma Darte mecânica, muscular, que faz os lábios e a boca mudarem de forma. Por outro lado, ficará a saber que está a falar com ela e interessar-se-á muito mais pela conversado que se for tida à distância. Um ponto que causa alguma perplexidade aos pais, e sensação de «disparate» a familiares e amigos, é falar com os bebés como se falasse com um adulto; dito de outro modo, descrever o que se vai fazendo, mesmo que a uma criança pequena: «agora a mãe vai ali fazer o jantar, e hoje vamos comer ervilhas com arroz». Não se importe de parecer um locutor que descreve cada jogada. Vá dizendo ao seu bebé que «agora vai tomar banho», «agora vai mudar a fralda». É preciso que ele ligue os acontecimentos à sua descrição verbal. A língua é uma reunião de símbolos, e a descodificação será tanto melhor - e a compreensibilidade do que está por detrás deles -, se a fala for «normal» desde o primeiro dia. Ler Mais...

Porque é que a gravidez me faz sentir tão enjoada?

Embora não haja uma razão absolutamente clara para os enjoos na gravidez, julga-se que em parte se devem à hormona gonadotrofina coriónica humana (GCh), libertada ao início da gravidez. Para muitas mulheres os sintomas são fracos e começam a diminuir às 12 semanas. Para outras, os enjoos podem persistir todo o dia e continuar para além das 12 semanas. Uma pequena percentagem de mulheres sofre náuseas intensas e vómitos conhecidos como hiperémese. Há medidas práticas que pode tomar para aliviar as náuseas e os enjoos. Ler Mais...
Buce pequena | Para Pais.