Resultados para: "bico com furo no meio"

Você está a ver grávida , grávida e / ou outros itens relacionados com a sua pesquisa bico com furo no meio. Encontre as melhores dicas para ajudar no desenvolvimento da sua gravidez. mulheres parindo dentro do hospital, cesaria inflamada por dentro, ver parto normal ver tudo, parto normal visto de frente, grávidas parindo parto normal, cesariana inflamada, gemeos escondidos barriga.

Na minha primeira consulta pré-natal terá de me ser feito um exame interno?

Não é provável que lhe façam um exame interno na sua primeira consulta. Há mais ou menos vinte anos, quando os testes de gravidez feitos em casa não eram tão fiáveis e as ecografias não eram tão comuns, um exame interno era a melhor forma de confirmar e datar a gravidez. A parteira ou o médico colocavam dois dedos na vagina e pressionavam na parte baixa do abdómen com a outra mão, para determinar o tamanho do útero. Hoje em dia há poucos casos em que seja recomendado um exame interno durante o início da gravidez. Se tiver uma infecção, como infecção fúngica, um exame interno facilita a observação da vagina para detectar qualquer sinal de infecção e para retirar uma amostra de tecido com uma espécie de cotonete de algodão. O esfregaço é enviado para um laboratório para examinar e se poder fazer o tratamento adequado. Se tiver sangramento vaginal, poderá fazer um exame interno com um espéculo (um instrumento com a forma de um bico de pato, usado para testes ginecológicos) para permitir ver o cólo do útero: uma pequena erosão na superfície é uma causa comum de sangramento na gravidez. Embora os exames internos não sejam agradáveis, é importante tentar descontrair para ajudar os músculos da vagina a relaxar e a alargar, e assim evitar o desconforto. Muitas mulheres acham que ajuda respirar lenta e regularmente durante o exame. Ler Mais...

Ato sete – o irmão do meio

«Síndroma da sanduíche», «síndroma da mortadela», vários são os termos que bem descrevem o que pode acontecer ao irmão do meio. Quando nasce um terceiro filho, o mais velho tem tendência a crescer. Se quando nasceu o segundo isso pode não ter sido fácil geralmente com o nascimento do terceiro o mais velho percebe que tem um espaço enorme de crescimento - mais, sente que isso será muito bem visto pelos pais -, e que andar para trás seria uma opção difícil e inglória, tendo de «lutar» contra dois. O do meio, contudo, sente-se ensanduichado, embora a reação possa ter muito a ver com a idade, com o sexo das várias crianças, do papel que ocupa no ecossistema familiar, etc. Se o que foi escrito antes vale também para este, o espaço de crescimento é pequeno, dado que há sempre o mais velho a fazer uma barreira intransponível. Se se olha para trás ver-se-á o bebé a avançar. Se se olha para a frente vê-se o outro. Que fazer? É nestas alturas que a criança se sente mal e se volta para os pais, seus protetores fazendo-o por vezes de uma forma atabalhoada ou impercetível. Se os pais não estiverem alerta pensarão que «está numa fase de muitas birras» ou que «está a tentar dar nas vistas». Ler Mais...

A partir de que idade?

Não há uma barreira entre uma idade e outra em termos de «poder ir nadar». Os seis meses são considerados, geralmente, como a idade em que um bebé poderá começar as suas práticas de adaptação ao meio aquático. Mas tudo dependerá também da vida dos pais, da época do ano e se o bebé tem ou não tido doenças infeciosas, se está no infantário, etc... Assim, os benefícios da natação para bebés são muitos e ultrapassam a própria aprendizagem de nadar em si, que todavia também é uma razão suficientemente boa para ir à piscina. Socialmente, proporciona um bom momento de encontro entre pais e filhos, entre famílias diversas e, tudo isto, num meio que, ele próprio, ajuda a relaxar e a gerir o tempo a uma escala humana. Do ponto de vista psicomotor, a água ajuda a aumentar a força muscular e a resistência dos músculos, e permite movimentos mais calmos e largos, com o consequente aumento da flexibilidade, com aprendizagem de coordenação, em condições francamente mais favoráveis do que no ambiente terrestre. Aliás, depois de esforços físicos ou lesões, a natação está especialmente recomendada. Fisiologicamente, a natação ajuda ao desenvolvimento do aparelho cárdio-respiratório (e a capacidade de oxigenação) e o desenvolvimento ósteo-muscular, bem como à queima de gorduras e calorias excessivas. A criança aprende a relacionar-se com um meio diferente do ar e da terra, desenvolve a «segurança e a autonomia» e conhece melhor as suas capacidades e limites, através de posturas correctas. E, por último mas não menos importante, a água dá prazer e gozo. Nadar e brincar na água (para quem gosta, claro) é bom. Antes de inscreverem o bebé nas aulas de adaptação ao meio aquático, os pais deverão colocar essa questão ao médico assistente, para ver se não há nenhuma contra-indicação (como alergias cutâneas ou qualquer outra situação de doença que se agrave com o meio aquático), até porque irão necessitar, para o acto de inscrição, de uma declaração médica. A adaptação ao meio aquático é um bom momento para o bebé. Mas não é fundamental e, por vezes, mais vale adiar uns meses do que forçar situações que poderão trazer problemas à família. Da conversa com o médico assistente decerto se fará luz. Ler Mais...

Os espaços exteriores de recreio

Em meio urbano, a dificuldade em ter espaços suficientemente grandes para albergar as «explosões energéticas» das crianças neste grupo etário do 1 aos 5, e de arranjar ambientes onde possam trepar, subir, cair, balançar-se, correr e até brigar pelo mesmo espaço sem causar distúrbios, originou o aparecimento do parque infantil. E, cada vez mais, as crianças pensam em parques infantis como o espaço da brincadeira que lhes é vedada em casa. Para as crianças que vivem em meio urbano ou «urbanizado», o parque infantil representa cada vez mais o único espaço de jogo privilegiado e mais prevalente, porque os próprios jardins infantis são cada vez mais infantis do que jardins. O desafio é grande, a todos os níveis, mas um é ponto de honra: brincar em segurança e brincar com qualidade, mas como para brincar com qualidade, só é possível se houver segurança e vice-versa, vemos que está tudo interligado. Ler Mais...
Bico com furo no meio | Para Pais.