Resultados para: "bebe escondido"

Você está a ver bebé , bebé e / ou outros itens relacionados com a sua pesquisa bebe escondido. Encontre as melhores dicas para ajudar no desenvolvimento da sua gravidez. mulheres parindo dentro do hospital, cesaria inflamada por dentro, ver parto normal ver tudo, parto normal visto de frente, grávidas parindo parto normal, cesariana inflamada, gemeos escondidos barriga.

Há gémeos na nossa família. Quando é que poderão verificar se vou ter gémeos?

A maior parte das mulheres descobre que vai ter gémeos na ecografia de data entre as 10 e as 14 semanas. Muito raramente, um dos gémeos está escondido na primeira ecografia e é visto na segunda, mas hoje em dia isso é menos provável devido aos avanços nas ecografias. O historial de família também dá uma ideia da possibilidade de gémeos mas só se forem não idênticos ou dizigóticos. Ler Mais...

A mudança corporal até aos 3-4 anos

Um dos fenómenos que inquieta os pais e põe à beira de um ataque de pânico é a mudança no feitio do corpo, que ocorre até aos 3-4 anos, e que transforma o bebé rechonchudo numa criança esguia. A criança estiliza o corpo e perde os refegos da barriga, coxas e queixo. Cresce «para cima-. Surge o pescoço, escondido pelos duplos e triplos queixos Os braços tornam-se mais finos. As curvaturas da barriga desaparecem. A tudo isso se junta a perda do «ar de bebé» para, juntamente com a autonomia e poder de decisão, passar a ter um aspeto de «mais velho». O não entendimento deste fenómeno leva a que pais e avós pensem que está a emagrecer, mesmo que continue a pular e a saltar, cheia de energia. Há que entender este percurso - que não se reflete na evolução do peso e da estatura como um fenómeno normal e desejável, porque corresponde a um alongar do corpo e à perda de massa adiposa que não interessa mais ao corpo manter. Ler Mais...

«Mas ele não dorme nada!»

Pois é... e os pais também não, não é? É isso que fundamentalmente os preocupa. Pode ser que eu esteja a ser injusto, mas o problema das crianças que dormem mal é sobretudo um problema dos pais... Uma coisa que todos os pais têm que prever é que os seus hábitos de sono sofrerão alterações. Não é obrigatório que o bebé durma mal, entenda-se, mas porque os seus sistemas de alerta vão estar ativados, e as fases de sono dos pais mudarão em relação ao padrão normal de um adulto. E às vezes ELES dormem mesmo «mal». Há um tempo em que o bebé julga que o objeto que foi escondido desapareceu, mas, mais tarde, ele saberá que não desapareceu e irá procurá-lo. Ou seja, sabe que embora não veja o objeto ele continua a existir, e sabe onde o encontrar. E isto é válido tanto para os brinquedos como para as pessoas que têm significado na vida dos bebés. Adormecer sozinho exige essa gigantesca capacidade de sentir que os outros estão lá, mesmo não estando fisicamente. E mais, exige uma capacidade incomensurável para «estar só» e saber «estar só». Parece quase incrível como se pode exigir tanta maturidade a criaturas tão pequenas...

«O tempo de dormir é o tempo de separação, e como qualquer separação ela só é possível de ser vivida de forma saudável quando co-existe o sentimento de segurança.»

Ler Mais...

Quando as coisas não correm como queremos…

A maturação dos esfíncteres anais precede a maturação da bexiga, o que tem a ver com a complexidade do processo neurológico subjacente. Um presente. Mas, poderíamos perguntar «mas que raio de presente» seria este. O que é certo é que o dizemos. E se isso acontece - com o cocó e não com o xixi - é porque há um significado escondido nestas palavras. A alimentação é, como referi já várias vezes, um momento solene e um ato vital. O que comemos torna-se parte de nós - «somos o que comemos», dizem os nutricionistas. Ao expulsarmos algo de nós próprios não o poderemos fazer - e isso só nos fica bem e mostra quanta auto-estima temos -, para o vácuo, para o desconhecido e, principalmente, para nada. Muitas crianças sentem-se mal ao fazer cocó sem qualquer «sentido lógico». No fundo, é dar o presente, sem sequer ser embrulhado, a ninguém. A fralda representa um embrulho - qualquer dos Leitores, quando vai dar uma prenda a alguém, embrulha-a sempre. E dar aos pais, que são as pessoas mais queridas, tem um significado ainda maior. O que há que fazer é convencer a criança que o seu cocó, feito no bacio ou na retrete não se vai perder, como descrevo no caso acima. Ler Mais...

Os pais estão aqui, mas não estão – uma fantasia muito grande para uma criança…

Adormecer é aceitar o tempo de separação, e qualquer separação só é vivida de forma saudável quando coexiste o sentimento de segurança. Foi logo a partir do 6.°-9.° mês - lembram-se? - que o vosso filho começou a saber que o objeto que foi escondido não tinha desaparecido e ia procurá-lo. Ou seja, sabia, como sabe agora, que embora não visse o objecto, ele continuava a existir, e sabia onde o encontrar E isto era válido tanto para os brinquedos como para as pessoas que têm significado na sua vida. Era e continua a ser, mesmo já estando mais crescido. E para uma criança haverá alguém mais significativo do que os pais? Adormecer sozinho exige a gigantesca capacidade de sentir que os outros estão lá, mesmo não estando fisicamente. E mais, exige também uma capacidade incomensurável para -estar só» e saber -estar só». Este é um aspecto que, a par do que referi sobre a necessidade de segurança, constitui uma pedra basilar para entender as questões relacionadas com o (mau) sono dos nossos filhos. Há pois que programar, preparar e exercitar essas capacidade, para a criança sentir que os pais estão, mas não estão, para que mesmo nos maiores momentos de vulnerabilidade, como a noite, a criança esteja estruturada. Sem ansiedade e com a presença dos pais no coração, na cabeça e nas representações de segurança. Os objectos transicionais são importantes. É por isso que os mantemos, porventura, toda a vida Seja a almofada a que nos agarramos, mais do que um simples apoio para o pescoço, seja a outra pessoa que partilha a nossa cama, seja até, como acontece com alguns adultos, o urso de peluche da infância (que muitas vezes dizemos ser um simples adorno sobre as colchas ou na mesa-de-cabeceira). O significado destes objectos reside na segurança que transmitem, como se fossem um daqueles arautos do rei que, durante a noite e a madrugada, anunciavam nas ruas medievais: «São duas da manhã, bom povo,e tudo vai bem.» O objecto deve ser escolhido pela criança e ter tudo o que precisa para fazer as funções que queremos dele. Se for fofinho, com pêlo (se não houver alergias...), macio, com expressão tranquila e feliz, se albergar bem um nome - como o coelho Alberto -, tem mais hipóteses de representar essa segurança. Uma fralda pode, muitas vezes, fazer a função - é importante, nos primeiros tempos em que ela vai desempenhar essa função, que não se lave demasiado a fralda e que, se a criança gosta de uma particularmente - porque tem cores, bonecos, folhos ou qualquer outro símbolo não se pense, na nossa visão de adultos, que «uma fralda é uma fralda e portanto tanto faz». Não faz. E se aquela de que o nosso filho gosta foi para lavar ou se  estragou de tanto usada, há que explicar que lhe vamos dar uma nova, mas que é uma sucessora da outra. O uso de perfumes pode ajudar. O perfume da mãe, no boneco ou na fralda, ajuda a entendê-la como presente, dado que o olfacto é dos sentidos mais poderosos e também um dos mais representativos na memória viva. Ler Mais...

Perguntas e respostas sobre o crescimento

Como se deve fazer a medição de uma criança? A medição deve sempre sor foita descalça e sem fraldas, dado que a extensão da perna pode estar limitada por estas. Há que ter cuidado em puxar bem as meias, no caso de não as tirar, porque ao tirar os sapatos (geralmente as crianças de 3-5 anos puxam-nos sem desapertar os atacadores) a meia pode ficar enrolada, criando altura. Ao medir deve-se esticar ligeiramente a cabeça da criança enquanto se segura no pescoço para ela olhar em frente Posso pesar o meu filho numa balança de casa de banho? As chamadas -balanças de casa de banho- são demasiadamente imprecisas para uma avaliação mais do que grosseira A pesagem pode ser feita numa balança «de bebé» - digital ou não ou numa de pé, mais adequada à pesagem clínica. O meu filho tem 2 anos e acho que está a emagrecer, embora o médico diga que o peso está normal e até ande sempre cheio de energia... Provavelmente o seu bebé rechonchudo está a transformar-se numa criança esguia. Por volta dessa idade a criança estiliza o corpo e perde os refegos da barriga, coxas e queixo Cresce «para cima». Surge o pescoço, escondido petos duplos e triplos queixos. Os braços tornam-se mais finos. As curvaturas da barriga desaparecem A tudo isso se junta a perda do «ar de bebé» para, juntamente com a autonomia e poder de decisão passar a ter um aspeto de «mais velho». A obesidade é já um problema nas crianças, em Portugal? Dados portugueses apontam para corça de 20% de crianças obesas. Não são «gordinhas», são mesmo obesas, e a obesidade é uma doença Portanto, um quarto das crianças portuguesas está doente. O que posso fazer para controlar o peso dos meus filhos? Há duas maneiras de não aumentar ou até perder peso comer disciplinadamente e fazer exercício Em relação ao primeiro, é simples: reduzir o consumo de fritos, ou até aboli-los, inclusivamente aqueles que parecem «menos fritos», como os folhados, os donuts e outras coisas semelhantes, não misturar gorduras com hidratos de carbono, diminuir o consumo de açúcares; evitar os molhos; reduzir os hidratos de carbono e, sobretudo, não estar muito tempo sem comer e «enganar a fome» comendo, várias vezes ao dia, pequenas refeições equilibradas Quais as principais regras à refeição? Comer devagar e saborear os alimentos para que a fome fique saciada com menor quantidade de comida; mastigar pelo menos 25 vezes cada garfada; comer um prato de sopa de verduras cerca de meia hora antes do jantar; não pôr os alimentos num prato demasiado grande; não ficar muitas horas sem comer; beber muita água e em dias de festa (excecionais) então das largas à gulodice. Os alimentos light emagrecem? Há que desmistificar esta ideia. Os alimentos magros tem uma relação calórica menor, mas comer dois iogurtes magros engordará mais do que um moio gordo, alem de que não são apenas as calorias que fazem engordar ou emagrecer mas a relação entre a energia e as necessidades (e todos os dias são diferentes), e a relação entre eles: a associação de hidratos de carbono com gorduras engorda mas do que um doce «a cem por cento». Os produtos integrais têm mais ou menos calorias do que os refinados? Os produtos integrais não têm menos caloria do que os refinados - por vezes até têm mais – só que o seu equilíbrio biológico e funcional é maior permitindo um controlo do corpo e do peso mais adequados. Não só as calorias interessam, mas toda a composição alimentar. Sei que o açúcar não é recomendável. Mas o da fruta, pode-se comer á vontade? Se a sacarose não é benéfica os outros açúcares (maltose. dextrose, frutose lactose, melaço, mel, glucose, açúcar invertido ou mascavado), incluindo o da fruta, podem representar um excesso de calorias, se a ingestão for inadequada em quantidade ou temporização. Pode-se dar adoçantes às crianças? Os adoçantes, quando ingeridos nas quantidades habituais, não provocam o aparecimento de cancro ou de qualquer outra patologia. O que é a altura corrigida para a altura dos pais? Existem gráficos que permitem, depois dos 3 anos, aferir a altura das crianças em função da altura dos pais. Uma criança que está num percentil baixo - que é a que causa mais preocupações, pode ver a sua situação modificar-se se os pais forem ambos baixos. Projetando a altura da criança tomando em conta a média da altura dos progenitores vai-se encontrar um ponto da curva que, frequentemente, remete a criança para um percentil mais elevado. Ler Mais...
Bebe escondido | Para Pais.