Resultados para: "barulho em cima do umbigo o c barulho de agua"

Você está a ver grávida , criança e / ou outros itens relacionados com a sua pesquisa barulho em cima do umbigo o c barulho de agua. Encontre as melhores dicas para ajudar no desenvolvimento da sua gravidez. mulheres parindo dentro do hospital, cesaria inflamada por dentro, ver parto normal ver tudo, parto normal visto de frente, grávidas parindo parto normal, cesariana inflamada, gemeos escondidos barriga.

O Coração

ong>Sopros cardíacos num bebéong> O coração é uma «bomba» e não uma caixa de música. Portanto, a existência de um soproo indica obrigatoriamente que a função de «bomba» do coração está comprometida, mas apenas que existe um «barulho». E um «barulho» não é obrigatoriamente uma doença... Ler Mais...

Água-do-mar

É água e sal... teoricamente, porque há que juntar tudo o que o homem lhe adicionou e a que globalmente se chama «poluição». As águas portuguesas são, ainda assim, das mais limpas. Se escolherem uma praia de «bandeira azul» as probabilidades de a água ser limpa são maiores, embora não seja uma garantia total pois as análises só são feitas em amostras recolhidas episodicamente Segundo aspecto, a temperatura: há praias de água mais fria e praias de água mais quente. O Algarve é, em média, mais quente mas, por outro lado, as ondas da costa ocidental ajudam a suportar melhor a temperatura inferior. Os mais pequeninos podem ter frio e isso ser causa suficiente para não quererem tomar banho. Para além disso, as ondas e o seu barulho e movimento de «engolir» também os podem assustar. Terceiro aspecto: a segurança. Há águas mais agitadas e outras menos, há umas com correntes e outras mais mansas. E nem sempre o que parece é - as águas traiçoeiras são as piores. Informem-se sobre o tipo de água que vos espera - aos leitores e às vossas crianças. O nadador-salvador pode- rá esclarecer-vos, sim, porque com toda a certeza irão frequentar uma praia vigiada e terão uma conversa inicial com ele, não é? Ler Mais...

Tratamento do umbigo

O cordão umbilical é cortado logo após o nascimento da criança. A parte que fica agarrada ao umbigo acabará por secar e cair, passados 4 a 10 dias, muitas vezes antes da mãe e o filho saírem da clínica. Se istoo acontecer deve tratar de curá-lo o mais rapidamente possível. Aplique álcool diariamente, cubra com uma compressa de gaze c ponha uma ligadura em volta, que não deverá ficar muito apertada. Nada de receios: a Parteira ou a enfermeira podeo explicar-lhe como se procede. A fralda não deverá nunca chegar à ligadura para que a urina não atinja a ferida. Se, dentro de 12 a 14 dias, o umbigoo estiver curado deve consultar o Pediatra. Ler Mais...

Ondas

Depende das praias... e dos dias... É possível que o vosso filho tenha medo do mar por causa das ondas. Lembrem-se que, além do barulho que fazem, proporcionalmente uma onda de metro e meio é como se fosse uma de três metros para nós... e isso assusta, até porque a onda tem um movimento especial, quando rebenta, um movimento de engolir ou de atacar. Quando passearem pela praia, brinquem com as ondas e com o seu espraiar na areia, para que as crianças percebam o ritmo das ondas e aprendam a fugir da água da rebentação. Cuidado também com os dias de grande ondulação, quer para banhos, quer para desportos aquáticos. Sigam as instruções do nadador-salvador e das bandeiras da praia e façam os vossos filhos respeitar essas indicações - expliquem-lhes que esses sinais não estão ali «só para chatear». Ler Mais...

Medo

o há ser humano que possa dizer que nunca tenha tido medo. Mais, o medo pode surgir como defesa em muitas situações, assegurando a sobrevivência. Ter medo é normal. E desconfiar do que não se conhece, temendo pela integridade física ou psicológica é também normal e desejável. O problema do medoo é tê-lo; é por um lado ter reações exageradas de receio face ao grau de risco ou perigo que o elemento do medo suscita, por outro deixar que o medo paralise e faça perder a lucidez. Pode ter-se medo de tudo. E cada um de nós cultiva os seus medos particulares, para além dos medos sociais e gerais do ser humano, como o abandono, a morte, a incerteza, para dar alguns exemplos. A partir dos 2, 3 anos, com o boom da fantasia, imaginação e faz-de-conta, é fácil desencaixotar ou redescobrir medos a partir das coisas mais singelas, o que aumenta a perplexidade e desconfiança com que o assunto pode ser visto pelos adultos. Os animais podem causar medo por várias razões. Por um lado, pelo barulho que fazem. Depois, pelos movimentos bruscos e pelo inesperado das situações que provocam. Um cão a correr e a ladrar pode surgir como uma ameaça, tanto mais que uma criança desta idade é pequena em estatura e «vê o filme» numa posição muito mais direta. Também as ondas do mar, com o barulho que provocam e o seu movimento de engolir, relâmpagos e trovões, uivo de cães, até os eletrodomésticos podem causar medo. Tudo pode ser a fonte do medo, e é escusado, para além de certos limites, tentar entender os me- dos de forma racional, dado que a reação de medo tem muito de emotivo e ilógico. A explicação para os medos, se não corresponderem a uma vivência traumática anterior («gato escaldado de água fria tem medo») ou de alguma coisa que foi dita por outras crianças ou adultos, residirá nas experiências acumuladas nos genes, as quais variam de pessoa para pessoa. Ler Mais...

A Praia, de «A» a «Z»

Ir à praia com uma criança desta idade despoleta um misto de sentimentos: alegria, sensação de desafio, receio, curiosidadecansaço, apreensão, excitação. Afinal, os mesmos sentimentos que a criança terá aode repente, olhar para a imensidão da areia e para a imensidão do mar, para o barulho das ondas e para a atracção da espuma, para a confusão das pessoas e para a pletora de cores e sons. Ficam aqui algumas dicas, «de A a Z», para prepararem a ida à praia com os vossos filhos e para que esses momentos sejam os melhores possíveis. Ler Mais...
Barulho em cima do umbigo o c barulho de agua | Para Pais.