Resultados para: "abcesso na boca de crianca"

Você está a ver grávida , bebé e / ou outros itens relacionados com a sua pesquisa abcesso na boca de crianca. Encontre as melhores dicas para ajudar no desenvolvimento da sua gravidez. mulheres parindo dentro do hospital, cesaria inflamada por dentro, gemeos escondidos barriga, cesaria inflamada, cesariana inflamada, colo do utero dilatado fotos, bucentinha infantil.

Furúnculos

Os furúnculos são infeções da pele, provocadas por dois tipos de bactérias: estreptocosos e estafilococos. Estas bactérias estão na pele, mas quando encontram uma porta de entrada para tecidos mais profundos (como num corte, picada de inseto ou outra ferida semelhante), infetam e causam um abcesso com cavidades e produção de pus. Enquanto o abcesso não abre, dá sinais inflamatórios: calor, vermelhidão, tumefação e dor. A partir de determinada altura, começa a ficar mais mole e drena espontaneamente ou com uma pequena ajuda cirúrgica. O tratamento baseia-se em limpeza e antibióticos locais, e também por via oral. Frequentemente os furúnculos alastram, muitas vezes conduzidos pela própria criança que mexe num lado e coça no outro. A fase de cicatrização é importante - a aplicação de creme hidratante pode ajudar a reduzir o risco de ficar uma cicatriz marcada. O líquido dos furúnculos é muito infecioso. Ler Mais...

Traumatismos dentários

Sempre que ocorrer um traumatismo na boca da criança, os pais devem contatar o médico dentista da criança. Nestas idades (1 aos 5 anos) é muito comum a criança cair e bater com a face, aumentando o risco de lesionar os dentes da frente e o lábio. A preocupação destes traumatismos é não só o estado do dente de leite mas, principalmente, o dente permanente que, apesar de não estar ainda à vista, está «guardado» no osso em formação. O médico dentista realizará uma radiografia local dos dentes afetados para poder fazer um controlo da situação, tanto do dente de leite como do dente permanente que não está visível na boca. Os pais devem passar a boca da criança com água ou algum bochecho antisséptico oral e colocar gelo na região exterior para reduzir o inchaço (bochechas ou lábios). Se o dente se fraturou, o fragmento deve ser leva- do para o consultório. Se o dente é permanente e saiu completamente do sítio, deve ser lavado com água (só lavar, nunca esfregar) e, se possível, de ser recolocado no seu lugar gentilmente e segurado com uma faze até se chegar ao dentista. Se não for possível ou não se conseguir recoloca-lo, o dente deve ser guardado em leite, saliva ou soro fisiológico. O sucesso da recolocação depende da rapidez do tratamento. Quanto mais tempo o dente ficar de fora do osso, maior o risco de insucesso. Depois de um traumatismo, o dente afetado necessita de um controlo apertado pois, por vezes, as consequências do trauma são tardias (até meses depois) e podem ser dor, infeção (abcesso ou fístula) ou alteração da coloração. Estas consequências podem ser graves e prejudicar os dentes permanentes. O dente pode ficar amarelado (normalmente não tem sintomas é apenas uma reação do dente ao traumatismo que calcifica). Pode surgir uma coloração acinzentada que indica que ocorreu necrose e o dente perde a vitalidade (se houver sintomas associados pode ser necessário tratar o dente). Ler Mais...

E em caso de eletrocussão?

Mesmo com todas as medidas preventivas assinaladas podem ocorrer casos de eletrocussão e é fundamental saber como proceder (se houver várias pessoas em casa, cada uma deverá fazer uma coisa): - é importantíssimo NINGUÉM se precipitar para cima do acidentado pois se a eletricidade ainda está a passar o adulto pode ficar também ele eletrocutado; - cortar a corrente no disjuntor ou afastar a criança da tomada ou do fio TOCAN-DO-LHE APENAS com um objeto não condutor de electricidade (madeira, plástico) para não ser electrocutado também; - começar a reanimar a criança respiração boca-a-boca e massagem cardíaca (vale a pena relembrar aos pais que para cada cinco massagens cardíacas no tórax deverão fazer uma respiração boca-nariz nas crianças pequenas ou boca-a-boca nas maiores). - chamar o 112; - de salientar que as queimaduras por eletricidade são muitas vezes profundas e o aspecto superficial pode parecer menos grave do que realmente é. Ler Mais...

Importância dos dentes de leite

É muito importante que os dentes de leite permaneçam na boca até chegar a altura de caírem naturalmente. Os dentes de leite são importantes porque ajudam: • Na manutenção de uma boa nutrição, ao permitirem uma boa mastigação; • No desenvolvimento correto da tala e da linguagem; • Na erupção dos dentes permanentes pois «guardam» o espaço necessário para estes erupcionarem corretamente; • A ter um sorriso bonito que dá à criança uma maior aceitação social, melhorando a sua autoestima e autoimagem. Frequentemente subestimam-se as cáries nos dentes de leite e os pais acham que, como o dente vai «cair» não vale a pena tratá-lo, mas tudo depende da idade da criança e do dente afetado. Todavia, por exemplo, os molares de leite vão permanecer na boca até cerca dos 11-12 anos, mesmo que a mudança de dentes se inicie aos 5-6 anos. Assim, se estes dentes apresentarem uma cárie, não é lógico que esta não seja tratada porque o dente ainda vai estar na boca cerca de mais 7 a 8 anos. Ler Mais...

Corpos estranhos

Levar tudo à boca é uma «mania», até aos 3 anos, e por vezes até mais tarde. Ao sentir o objeto na boca, especialmente se for arredondado e deslizante, a tendência é para engolir, mas dado não se tratar de um alimento, pode causar engasgamento e ir para a árvore respiratória. Alguns objetos, como as pilhas elétricas tipo «botão», podem causar graves problemas gástricos. A sua semelhança com pastilhas agrava a tendência para as meter na boca. Os brinquedos também podem ser uma fonte comum de sufocação: balões (que desinsuflam e aumentam o movimento de fora para dentro da boca), moedas ou partes de brinquedos menores do que uma moeda de 2€. Do mesmo modo, alimentos que sejam pequenos, arredondados (amendoins, pistachos, avelãs, frutos secos para aperitivos, uvas. cenouras cruas, passas, pastilhas elásticas ou outras, bocados de carne, pipocas, presunto, etc.) têm uma enorme probabilidade de resvalar para a parte posterior da boca, provocando um movimento involuntário (próprio da imaturidade da criança) de inspiração, fazendo com que o corpo estranho vá para a árvore respiratória. Do mesmo modo, há que ter em atenção o tamanho dos pedaços de alimentos que se cortam, à refeição. Outras vezes, o corpo estranho é deglutido ou introduzido no nariz ou nos ouvidos, pela tendência que a criança tem, antes dos 3-4 anos, de experimentar o seu próprio corpo (feijões, moedas, missangas, anéis, brincos, clips, pregos e parafusos, etc.). Ler Mais...

O que fazer?

A maioria das sinusites são diagnosticáveis pelos sintomas e pela história...e se se pensar que uma criança também pode ter sinusite. Em alguns casos mais graves poderá ser necessário realizar uma TAC. Passada a fase mais precoce, que pode melhorar só com tratamento local e um anti-inflamatório, geralmente é mesmo necessário um antibiótico, a receitar pelo médico. Além disso, a desobstrução nasal, com soro, preparados de água do mar e gotas ou géis descongestionantes pode ajudar. Assoar-se com frequência é conveniente. Uma medida que alivia a dor e aumenta o conforto é massajar cuidadosamente as áreas afetadas: sobretudo a testa e a região dos malares e maxilares. Em casos graves ou que não passam poderá ter de se internar a criança (porque estamos perante um «abcesso» num espaço fechado, e junto a zonas «nobres»). Principalmente as etmoidites podem ser complicadas pela área que atinge, bem como as infeções dos seios esfenoidais. É comum, como se disse, a extensão da sinusite etmoidal aos tecidos à volta dos olhos com contaminação da órbita - uma situação grave. Ler Mais...
Abcesso na boca de crianca | Para Pais.