Resultados para: "a minha filha roeu uma pilha"

Você está a ver bebé , bebé e / ou outros itens relacionados com a sua pesquisa a minha filha roeu uma pilha. Encontre as melhores dicas para ajudar no desenvolvimento da sua gravidez. mulheres parindo dentro do hospital, cesaria inflamada por dentro, ver parto normal ver tudo, parto normal visto de frente, grávidas parindo parto normal, cesariana inflamada, gemeos escondidos barriga.

Pilhas elétricas

Uma pilha eléctrica é um pequeno aparelho que armazena energia a partir de uma reação química e a restitui sob a forma de corrente elétrica. No que respeita às pilhas em forma de pequeno cilindro ou redondas, existem dois tipos: as pilhas salinas e as pilhas alcalinas. Para além da diferença na composição, existem diversas técnicas na sua elaboração, designadamente o posicionamento dos poios positivo e negativo. As pilhas salinas sofrem mais facilmente erosão, podendo o seu conteúdo líquido sair. Outro tipo de pilha é a de lítio, com um formato diferente (tipo botão), e essencialmente utilizada nos jogos eletrónicos, máquinas fotográficas, relógios e calculadoras, etc... Os riscos Praticamente toda a gente utiliza aparelhos a pilhas e troca de pilhas com relativa frequência. Contudo, não é pequeno o número de criaas que sofrem acidentes devido a estes pequenos objectos de uso comum. O estudo dos diferentes casos de acidentes com pilhas eléctricas revela essencialmente cinco grandes tipos: • fugas dos líquidos eletrólitos, tendo como consequência queimaduras na pele e mucosas (por vezes nos olhos); • intoxicação após ingestão, especialmente por criaas pequenas; • explosão da pilha, com as consequências imediatas de queimaduras e lesões oculares; • ingestão das pilhas em forma de botão, com perfuração química do aparelho digestivo ou bloqueio do tubo digestivo (ou respiratório se a pilha for aspirada); • introdução no nariz e no canal auditivo. Como é que isto pode acontecer? As principais causas de fuga dos eletrólitos podem ser: - o facto de as pilhas estarem velhas e no final da sua «vida»; - pilhas deixadas muito tempo num aparelho, sem utilização (especialmente aparelhos que só se usam em determinada estação do ano e depois ficam meses sem qualquer uso, em casas fechadas, etc); - mistura de vários tipos de pilhas (salinas, alcalinas) no mesmo aparelho; - mistura de pilhas novas com pilhas usadas; - pilhas submetidas a aquecimento forte (perto de um radiador, deixadas no automóvel no Verão, etc). As causas principais de explosão ou de ruptura podem ser: - aquecimento da pilha (por exemplo, pôr no forno julgando que se vai regenerar); - pilha largada no fogo; - ligação direta de uma pilha a uma tomada elétrica de 220 volts; - inversão do sentido de uma pilha numa série de pilhas este tipo de acidente tem vindo a aumentar porque cada vez há mais criaas a manusear e colocar as pilhas nos seus rádios, walkman e jogos eletrónicos; - utilização de um aparelho de recarga com pilhas que não são recarregáveis e, às vezes, a cor e o aspecto podem induzir em erro se não houver o cuidado de ler que tipo de pilha é. Ler Mais...

A minha filha tem oito anos. Ela irá dar-se bem com o novo bebé ou é uma diferença de idades muito grande?

Não há diferença de idades certa ou errada entre irmãos por vezes, conforme vão estando juntos, tem mais a ver com as suas personalidades do que com a diferença de idade. Embora, sem dúvida, mesmo tendo interesses independentes, ela provavelmente deve estar muito excitada com a perspectiva de um novo bebé. Ler Mais...

A minha mãe tem umas ideias muito firmes sobre a gravidez. Como dizer-lhe que quero fazer as coisas à minha maneira?

Pode levar a sua mãe a uma consulta pré-natal para ela poder ver como as coisas mudaram e a sua parteira pode explicar-lhe a lógica dos seus cuidados. Se ela continuar a interferir, tenha uma conversa franca. Diga-lhe que, embora a ame e saiba que ela só quer ajudar, você quer tomar as suas próprias decisões. Esperemos que ela aceite o seu ponto de vista. Ler Mais...

Pontos a considerar

  • o sentimento de pena relativamente aos intervenientes do processo, com especial ênfase para o filho ou filha e, principalmente para os netos. Por muito que se saiba que as criaas envolvidas em divórcios não têm, só pelo facto, um futuro pior do que as outras, também sabemos que em muitos casos o processo não é tranquilo e, para os avós, não é fácil aceitar as guerras e conflitos em que as criaas são puxadas e empurradas ou utilizadas como trunfo na manipulação dos sentimentos, dos afetos, e até dos aspetos práticos (dinheiro, fins-de-semana, etc.);
  • o trabalho que, geralmente, cai em cima dos avós, dado que o filho ou filha ficam mais sozinhos e tendem a apoiar-se nos respetivos pais (o que é natural), especialmente para coisas do dia-a-dia (ir buscar as criaas, dar-lhes jantar, tratar de roupa, etc.);
  • a «vergonha» social;
  • o recreio de que, ficando os netos com algum dos pais, que os avós do lado «contrário» deixem de ver os netos - isso acontece com uma enorme frequência, o que vai contra os interesses da criaa. Ao divorciarem-se, os pais não podem, mesmo que o desejem, riscar do mapa a família do ex-cônjuge. Usar as proibições e limitações dos contactos com a família alargada do outro progenitor vai contra o que a Convenção sobre os Direitos da Criaa estabelece e é moralmente reprovável,
  • a tentação de «dizer mal» do outro ou da outra, que na nossa versão de pais «fizeram maaos nossos filhos. E quantas vezes os netos acabam por ouvir frases e comentários sobre os seus pais, que agridem a imagem que devem ter deles e em nada ajudam - se é isso que os avós pretendem - a fazer com que eles os amem mais.
Ler Mais...

O meu companheiro ainda não sente que tenha criado laços com a nossa filha. O que é que ele pode fazer?

Embora frequentemente os pais anseiem por um contacto mais chegado aos seus bebés, o criar laços, para os pais, ocorre com frequência numa altura diferente, em parte porque eles não têm o contacto inicial da amamentação. Como resultado, alguns homens acham que assim como a confiaa da companheira vai crescendo, o mesmo acontece com a incerteza deles sobre o relacionamento com o bebé. Como nota positiva, os homens hoje em dia têm tendência a passar bastante mais tempo com os seus filhos do que os pais das gerações passadas. Fale com o seu companheiro sobre o que ele gostaria de fazer com a vossa filha. É bom que os pais percebam que criar laços com os seus bebés não é uma questão de ser outra mãe e, em muitos casos, os pais partilham atividades diferentes com os filhos e desenvolvem uma relação própria e única, oferecendo qualidades de pai que a mãe não pode providenciar. Ambos os pais beneficiam imenso quando se podem apoiar e encorajar um ao outro. As atividades para criar laços desde cedo, em que você pode encorajar o seu companheiro a envolver-se, incluem dar o biberão ao bebé (dar os biberões de uma noite pode ajudar a dar-lhe a si algum descanso); mudar as fraldas; dar banho e massajar o bebé; sair para passear com um porta-bebés ou um carrinho de bebé; ou simplesmente apiedar algum tempo de brincadeira com o bebé. Criar laços é uma experiência pessoal e complexa, que leva tempo. Desde que se esteja a ir de encontro às necessidades básicas do bebé, ele não sofrerá se de início os laços não forem fortes. Se ainda estiver preocupada peça conselho ao seu médico. Ler Mais...

A minha mãe diz que cuidará da criaa. Isso funciona com a maior parte das famílias?

Você tem sorte por a sua mãe se poder oferecer pois muitos casais não têm essa opção. Cada família é diferente e só você pode decidir se esta é uma boa opção. Algumas mulheres podem achar que as mães estão a tomar as rédeas e a dar conselhos que não são pedidos. Outras podem achar que é exatamente o que elas queriam, em especial nos primeiros meses. Sem dúvida que a sua mãe quer envolver-se na canção do neto e quer dar-lhe a si todo o apoio que puder. Contudo, olhar por uma criaa pequena não é fácil para ninguém, portanto talvez seja melhor esclarecer com ela o que é que ela exatamente está a oferecer e ter uma conversa séria para acordarem o que ambas querem e esperam. Eis algumas coisas a considerar: Deverei pagar, mesmo que pouco, à minha mãe ou oferecer-lhe um presente de agradecimento? Durante quantas horas diárias poderá ela cuidar do bebé? Será todos os dias? A minha mãe também se estaa oferecer como babysitter quando eu quiser sair à noite ou quiser algum tempo com o meu companheiro ou amigos ou mesmo sozinha? Como lidaremos com as discordâncias sobre a forma como as coisas deverão ser feitas? Ler Mais...
A minha filha roeu uma pilha | Para Pais.