Não quero ser monitorizada durante o trabalho de parto. As parteiras e os médicos dar-me-ão ouvidos?



A não ser que haja complicações médicas ou obstétricas, como uma cesariana anterior ou tensão alta, não precisará de estar continuamente ligada a um monitor para ouvir os batimentos cardíacos do seu bebé. Assim, um processo chamado “auscultação intermitente”, o qual significa ouvir com regularidade o batimento cardíaco do bebé com um doppler, deverá ser suficiente para monitorizar o bem-estar do bebé. Por último, a escolha de monitorizar ou ouvir, se tudo estiver bem, é sua. Se a parteira ou o obstetra quiserem monitorizar continuamente os batimentos cardíacos do bebé, terão de explicar porquê.

Será boa ideia tomar nota dos seus desejos durante a gravidez num plano de parto e discutir isso com a sua parteira antes de entrar em trabalho de parto. Se não tiver oportunidade de discutir isso antes de entrar em trabalho de parto, quando entrar em trabalho de parto, a parteira de serviço tomará conhecimento do seu historial médico e assegurar-se-á de que você e o seu bebé estão bem e, então, perguntará se tem um plano de parto ou você pode mostrar-lhe o seu plano.

Comentários

Não quero ser monitorizada durante o trabalho de parto. As parteiras e os médicos dar-me-ão ouvidos? | Para Pais.