Cera no ouvido



A cera produzida no canal auditivo externo é um mecanismo de limpeza, ao contrário do que algumas pessoas pensam. A função do cerúmen é captar as partículas que entram no canal (pelo ar ou água do banho, por exemplo) e evitar que progridam, podendo eventualmente lesar o tímpano. A cera produz-se, seca, e sai pela orelha, levando consigo os agentes indesejados. Por vezes a cera acumula-se (por exemplo, porque os pais insistem em limpar com cotonetes, empurrando-a e compactando-a).

No caso de se formarem rolhões de cerúmen, a audição pode ficar comprometida, porque o rolhão, se bloquear completamente o canal, funciona como um tampão. Em excesso, a cera também pode provocar dor, por distensão do canal auditivo, mas há que ter o cuidado de pensar nesta situação antes de avançar com tratamentos de «otite». A dor do rolhão de cerúmen não acorda a criança de noite.

Por vezes os pais notam a saída de um líquido pelo ouvido – pode ser uma otite supurada, mas se for amarelado ou acastanhado, sem o caracter de «cola de contacto», é mais provável que seja cera.

A observação pelo médico dirá. Como referi no capítulo da «Higiene», não se deve limpar o canal auditivo externo. Se a criança tiver um rolhão de cera grande poderá, a partir dos 3 anos, fazer uma lavagem dos ouvidos, que não magoa, depois de certificar que não se trata de uma otite.

Comentários

Cera no ouvido | Para Pais.